PDT e PSB esnobam Haddad e não vão fazer campanha contra Bolsonaro

Imagem relacionada

No segundo turno, Haddad terá de se virar sozinho

Carlos Newton

Na noite de domingo, quando já se conheciam os resultados da eleição presidencial no primeiro turno, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT, ligou para Carlos Lupi para marcar uma reunião destinada a acertar o apoio do PDT e de Ciro Gomes ao petista Haddad no segundo turno. O celular tocou, o presidente do PDT conferiu quem fazia a ligação e simplesmente não atendeu. Estava jantando com Ciro Gomes em Fortaleza e na mesma hora decidiram que o PDT daria à candidatura de Haddad apenas “apoio crítico” ou “sem empenho”. Em tradução simultânea, Ciro não vai sair às ruas para fazer campanha defendendo voto em Haddad.

Outras decisões dos pedetistas foi fazer oposição ao provável governo Bolsonaro e lançar a pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência em 2022. Ou seja, a próxima campanha presidencial terá caráter permanente.

PSB NO MURO – O PT está tentando também reafirmar o acordo de primeiro turno com o PSB, que garantiu a vitória do governador socialista Paulo Câmara em Pernambuco, com mais de 50% dos votos válidos.

O acordo até interessa ao governador Márcio França, que tenta a reeleição em má situação, porque no primeiro turno o tucano João Doria chegou na sua frente com uma diferença superior a 2 milhões de votos.  

Mas acontece que, para derrotar Dória, França precisará não somente atrair votos do PT (Luiz Marinho teve 12,66%), como também do PMDB (Paulo Skaf conseguiu 21,02%), e de candidatos de outros partidos. Por exemplo, o Major Costa e Silva (DC) teve 3,69%; Rogerio Chequer (Novo) chegou a 3,32%; Rodrigo Tavares (PRTB), alcançou 3,21% e a Professora Lisete (PSOL) obteve 2,51%. Ou seja, esses quatro tiveram quase 13 milhões de votos.    

BOLSONARO REINA – Sonhar ainda não é proibido, mas o fato concreto é que Jair Bolsonaro domina esta eleição. As chances de o petista Fernando Haddad ser eleito no segundo turno são mínimas, quem quiser que se iluda.

Como diz nosso amigo Pedro do Coutto, a “falsa esquerda” que o PT representou no teatro da política fortaleceu a direita de tal maneira no Brasil que os verdadeiros esquerdistas tiveram de submergir e vão demorar a voltar à tona, para dar seguimento ao bom combate preconizado pelo apóstolo Paulo.

É claro que há de chegar um dia em que direita e esquerda não existirão mais, porém isso só acontecerá quando o homem descobrir que a única coisa que interessa é fazer a coisa certa, ao estilo preconizado por Sidarta Gautama, o Buda, que nasceu 560 anos antes de Cristo.

###
P.S.A Bíblia é uma compilação de parte da cultura existente na época. Contém muitos ensinamentos de Buda, Sócrates e outros grandes pensadores antes de Cristo. (C.N.)

22 thoughts on “PDT e PSB esnobam Haddad e não vão fazer campanha contra Bolsonaro

  1. Bolsonaro virou fenômeno, “mito” como preferir. Destruiu dogmas artificiais e fez um partido que era micro se transformar em um dos grandes em Brasília. Derrubou a credibilidade da maioria das agências de pesquisa que viraram balcão de negócio, tentando interferir e não bater a foto do que acontecia na preferência do eleitorado. Quase foi assassinado e mostrou um certo e antigo vício ser prontamente extirpado de instituições como a PF, o serviçalismo aos governantes que nomeiam, comprometendo o trabalho de gente muito competente na corporação. As urnas de que o STF e a procuradora de Temer se apressaram em manter como estão, sem deixar provas do que fazem, também foi alvo de muitas denuncias, disse, denuncias e não de fake news. A partir do momento que uma pessoa filma e se compromete com o que mostra, deixa de ser um mero boato de internet e passa a ter o tom de denuncia. Jungman e qualquer outra “autoridade” precisa prestar explicações, jamais buscar intimidar, ameaçar ou caçar a quem denuncia, o que está sendo mostrado na câmera do celular. O que ele disse na frente das câmeras da mídia precisa ser cobrado. Mas o que de mais pedagógico aconteceu na campanha do mito, foi cair o paradigma de que se elege quem gasta mais nas campanhas. Campanha custo zero para os cofres públicos, igualdade de condições para todos que concorrem, está provado, não é só possível, mas o certo.

    • Ana Amélia vice de Alckmin já deu apoio à Bolsonaro.

      O candidato a governador de MG do Novo, Zema, também fez o mesmo junto com Dória em SP.

      Vai ser bonito de ver a acachapante vitória do M17O !

  2. Amoêdo, Bolsonaro e Daciolo mostram, na prática, que o Fundo Eleitoral deve ser extinto
    ReaçaBlog

    Um grande fantasma criado pelos apoiadores do sistema político atual alimentado nos últimos anos foi eliminado: o de que sem o financiamento de campanhas por empresas, era imperativo que o dinheiro dos impostos bancasse as campanhas eleitorais. Para convencimento desta tese, um colunista tucano chegou até a afirmar que as organizações criminosas do tráfico seriam as grandes financiadoras desta eleição. Foi com esta artimanha que o sistema conseguiu que a base do governo de Michel Temer aprovasse R$ 1,7 bilhão a ser distribuído para as campanhas deste ano.

    Porém, três candidaturas da campanha mais importante, a presidencial, mostraram na prática como é possível fazer política sem lavar dinheiro, seja de caixa 2 ou de impostos. Cada um com seu estilo e histórico diferente, João Amoêdo (NOVO), Jair Bolsonaro (PSL) e Cabo Daciolo (Patriotas) tiveram votações consagradoras mesmo contando com pouquíssimo tempo de TV e sem costurar alianças interesseiras.

    Não precisamos falar do desempenho fenomenal de Jair Bolsonaro, os outros dois também superaram em votos campanhas milionárias como as de Henrique Meirelles (MDB), Álvaro Dias (PODEMOS) e Marina Silva (REDE).

    Amoêdo é um multimilionário banqueiro que há alguns anos mergulhou na intenção de criar um partido político que representasse alguns ideais então ausentes do debate público, em troca dele ser o candidato presidencial. Após idas e vindas o NOVO obteve registro na Justiça Eleitoral e conseguiu, já em 2016, participar do pleito. Com contribuições dos filiados, entusiastas e principalmente dinheiro do próprio Amoêdo, o presidenciável fez quase 2,7 milhões de votos, o que totaliza 2,5% dos votos válidos e foi quase metade dos votos obtidos por Geraldo Alckmin (PSDB), que montou um consórcio avassalador de partidos em seu apoio.

    Cabo Daciolo é o segundo maior fenômeno desta eleição. Até então praticamente desconhecido, seu estilo de pastor bastante assertivo cativou. Embora suas falas bíblicas assustassem jornalistas e artistas que dominam o cenário público brasileiro, elas soavam naturais para as pessoas que vão a igrejas evangélicas ou conhecem pessoas que frequentam. Enquanto certa elite esquerdista faz chacota dos bordões religiosos de Daciolo, eles caíram no gosto popular e o Cabo dos Bombeiros passou a ser benquisto por muita gente. Ele obteve 1,34 milhão de votos, o dobro de Guilherme Boulos (PSOL) que sempre é tratado com respeito e reverência pela elite brasileira e que teve muito mais espaço de divulgação na campanha. Seus votos foram conquistados basicamente por suas participações nos debates pois passou uma boa parte da campanha orando no monte. Sua vitória sobre Marina Silva comprova que qualidades individuais como firmeza, boa retórica e clareza de princípios são diferenciais.

    Por fim, houve Jair Bolsonaro. No leito de um hospital, quase sem voz, com 8 segundos de horário eleitoral mas com uma militância espontânea jamais vista e difícil de imaginar sendo reproduzida futuramente, o capitão do exército conseguiu feitos que causam assombro no mundo todo. Não há paralelo! Sua popularide e sintonia com parte do eleitorado levou-o ao segundo turno com uma liderança dificílima de ser superada mesmo tendo sido atacado abertamente pela Rede Globo de Televisão em horário nobre em três editoriais – pra não falar das maledicências costumeiras com que é tratado pelos jornalistas em geral.

    O desempenho desses três presidenciáveis se torna ainda mais marcante quando se faz a justaposição entre seus métodos e recursos com os de Haddad (PT), Ciro (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB). Eles retratam características, às vezes convergentes, outras vezes opostas, mas de um mesmo movimento de renovação em costumes que, todos acreditávamos, seriam o destino inevitável da política no país.

  3. Pelo que ouvi, o Ciro vai abandonar a política. Como Assim já é candidato para 2022? Aí é que não ganha mesmo pois será a primeira pergunta que lhe farão e ele como sempre vai dizer que não disse isso, é tudo começa de novo. Sem palavra, mentiroso, demagogo, ignorante, falastrão, arrogante, louco. Vem aí mais um terceiro lugar ou quem sabe quarto. Nossa imprensa não muda nunca, não ver o recado do povo. Sim amanhã já tem pesquisas. Tudo como dantes no quartel de Abrantes. É o país da piada pronta.

    • O cara falou para uma legião de jornalistas que se Bolsonaro vencesse sairia da política. Em novembro ele deverá ser convidado a cumprir o “apalavrado” como coroné gosta de dizê.

    • Ciro é um sujeito sem palavra. O que ele jura de pé juntos em um dia, desdiz em outro.
      Ou você acreditou quando o Ciro disse que se Bolsonaro for eleito ele iria chorar e abandonar a política?
      Se acreditou, você é um poucos.

  4. Newton, Lupi devia ser internado no Pinel. O que ele propõe é maluquice braba. Brizola repudiou duramente esse tipo de apoio (apoio crítico), que nunca existiu na ciência política e que lhe foi oferecido por Saturnino que não era mais do partido. Querer lançar Ciro como candidato para 2022 é outra maluquice. Lupi e Ciro estarão vivos? Comendo como se fossem porcos. Gordos como suinos que vão para o abatedouro, acho que não chegarão lá. Vou escrever ao Lupi pedindo para ele sair do partido, só para sacaneá-lo.

  5. BOLSONARO REINA, domina esta eleição….
    Mas, quem quiser que se iluda, que o guardinha de líder nao tem e nada! tanto que passou sua vida militar e política apagado, só aparecendo quando tomou atitudes extremistas – explodir ordens militares ou digladiar com bichas e mulherinhas do PT…

    E agora piorou, já aparece com a doença do imperador, inclusive dizendo que a Constituição o escraviza, mandando os súditos aguardarem só mais um pouco, etc….

    Reinado de imperador…
    Acham mesmo que esse mané tem a capacidade de ser um líder ??
    Pelamordideus, um baleiro cheio de caramelos Kids é mais poderoso que esse bozó!

    Nem pra RENA do trenó de Natal presta….

    Um inútil, a vida toda! Encostado nas FFAA, também foi encosto no Congresso, o carrapato das eleições 2018 e será o maior PARASITA da nossa história assim que for eleito.

  6. A retidão é inerente ao bom homem. Dizer que a bíblia contém histórias e conceitos de outras religiões é ser raso na análise. A cultura hebraica vai muito além disso, por colocar o filho de Deus no madeiro. Política nada tem a ver com religião. Espiritualidade é se conectar a Deus, o altíssimo. Religião é dos homens, a leitura que se faz de uma deidade, por isso passa pela interpretação do ser humano, e, por isso, da diversidade e conflito entre elas. Poder é uma necessidade humana, o filho de Deus rejeitou-a. Se entender por que razão ele a rejeitou, parabéns, entendeu porque Deus nos ama.

  7. Se o PDT ainda almeja colocar Ciro na presidência em 2022, Lupi fez certíssimo. Tem que manter Ciro fingindo que não gosta do PT e do Lula. Tem que manter o teatro de engana bobo.

  8. “PDT e PSB esnobam Haddad e não vão fazer campanha contra Bolsonaro”

    -Duvido!
    -A menos, é claro, que ambos os partidos pressintam que o PT naufragará. E barco naufragado não dá transporte para ninguém.

  9. Newton,…meus cumprimentos pelo entendimento e externar:…”a “falsa esquerda” que o PT representou no teatro da política fortaleceu a direita de tal maneira no Brasil que os verdadeiros esquerdistas tiveram de submergir e vão demorar a voltar à tona, para dar seguimento ao bom combate preconizado pelo apóstolo Paulo.”

  10. Alexandre Brito continuo resistindo. Venho desde 1950 quando Getúlio foi eleito seguindo o “Trabalhismo de Getúlio, Jango e Brizola”. Você esteve 25 anos com Brizola. Pouco falamos mas nos conhecemos bem. Lamentavelmente você saiu do PDT por não aceitar certas coisas. O que posso dizer sinceramente é que tenho muito respeito por você. (Me veio à lembrança dizer-te que o General Leônidas Pires Gonçalves faleceu em 2014. Teve um momento que falei sobre ele em teu Blog. Você deve se lembrar). Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *