Planalto fará publicidade para explicar que “posse” não significa “porte” de  armas

Imagem relacionada

Charge do newton Silva (newtonsilva.com)

Jussara Soares
O Globo

Antes mesmo da publicação do decreto que vai flexibilizar o Estatuto do Desarmamento, o governo Jair Bolsonaro já prepara uma campanha publicitária para explicar à população as novas regras para obter a posse de armas no Brasil. O Planalto quer evitar que o ato do presidente seja entendido por parte da população como um “risco de aumento da violência”.

A estratégia de comunicação usará televisão, rádio, mídia impressa e outdoor, mas vai priorizar as redes sociais. A campanha já foi encomendada pela Secretaria de Comunicação a cinco agências de publicidade que prestam serviço ao Planalto.

UTILIDADE PÚBLICA – De acordo com informações do Planalto, a ideia é que a campanha tenha o tom de utilidade pública para explicar detalhes do decreto, previsto para ser assinado por Bolsonaro no início da próxima semana.

Para o governo, é fundamental que o ato do presidente não leve “medo à população” ou seja atrelado à possibilidade de aumento de violência. Para isso, a estratégia de comunicação vai reforçar o discurso de Bolsonaro ao longo de toda a campanha que a arma é “apenas uma segurança pessoal”.

Outro pedido da Secretaria de Comunicação é que as peças publicitárias diferenciem a posse, o direito da pessoa ter a arma em casa, do porte, que permite que o cidadão ande armado. Além de especificar os direitos e os deveres daqueles que obtiverem o porte.

ATÉ DUAS ARMAS – O decreto, que ainda passa por ajuste finais, prevê a permissão para que uma pessoa tenha até duas armas. De acordo com as novas regras, para ter uma arma será preciso apenas uma declaração de próprio punho de que a pessoa tenha efetiva necessidade do equipamento.

As empresas Artplan, Calia Propaganda e NBS Propaganda que vão apresentar propostas para as campanhas tradicionais, com comerciais para emissoras de rádio, TV, impressos e em cartazes afixados em espaços publicitários na vias urbanas. Já as agências Isobar e TV1 foram solicitadas para elaborar a campanha para as mídias digitais. As melhores propostas serão contratadas pelo governo.

A previsão, segundo integrantes do governo, é que o decreto seja assinado por Bolsonaro na segunda ou terça-feira, em uma cerimônia do Planalto. A flexibilização da posse de armas foi umas principais promessas de campanha.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Conforme o jurista Jorge Béja já explicou aqui na TI, é conveniente que o governo baixe uma Medida Provisória e não somente um Decreto, que pode ser contestado na Justiça, por se tratar de ato que não pode modificar determinação expressa em lei. (C.N.)

7 thoughts on “Planalto fará publicidade para explicar que “posse” não significa “porte” de  armas

  1. Vcs viram o vídeo? Vai ser a bomba do dia. Queiroz, que até hoje não depôs ao MP, por supostamente estar impossibilitado por motivos de doença, aparece em vídeo dançando com a filha e a esposa no hospital

    • Bem! Ao que parece, o tal Queiroz ficou escondido no hospital em razão de terem descoberto que ele possui duas armas, em casa, com o registro vencido e que teria uma outra, no carro, sem possuir o Porte correspondente. Foi por isso que o cidadão acima trouxe o problema do dito cujo para este
      tópico da T.I. que trata de posse de armas. Então o Queiroz, muito esperto caiu na dança e tomou umas, né?

  2. Um fato é inegável: quanto mais o brasileiro tenta fazer uma lei que ele acha que vai ser boa, podem esperar o contrário.
    Antes de desarmar a população com a nova lei que fizeram, em que se afirmava que não seria proibido a posse de arma, na prática deu-se o contrário, pois pasme, depois da tal merda de lei, o que não é de se surpreender, pois foi feita por brasileiros, foi o mesmo que alçar um vagabundinho da nossa burocracia à condição de um ser divino, em que ele no fim das contas é que decidia quem poderia comprar uma arma.
    Só aqui no Brasil mesmo. o país piada do mundo.
    “Cada povo tem o ……”

    Enfim, com um povo assim, retardado mental, não e de se surpreender que a doença conhecida como esquerdismo aqui fez tanto sucesso que o resultado disso estamos vendo agora.

  3. Apesar de os poucos dias de existência, já deu pra perceber, que esse governo mostra um “faça-de-conta” para ludibriar a população, e no final entrega a “encomenda”, conforme pretendida pelo comprador.
    Vejam aqui: esse arrendamento da base de alcântara-ma, pode ser a porta de entrada para a falaciosamente “descartada” base militar estadunidense, em definitivo.
    Por que, em vez de cessão subserviente,bolsonaro não manda reabrir as investigações para saber o que e quem motivou aquela explosão do centro de lançamento-cla?

    Ministro diz que acordo com EUA para uso da base de Alcântara ‘está bem adiantado’

    O ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, disse nesta sexta-feira (11) que o acordo com os Estados Unidos para uso do CLA (Centro de Lançamentos de Alcântara), no Maranhão, “está bem adiantado” e terá salvaguardas que respeitarão “cem por cento” a soberania nacional. As declarações foram dadas à imprensa logo após a cerimônia de posse do novo comandante do Exército, Edson Pujol, no Clube do Exército, em Brasília.
    O acordo do Brasil com os EUA para uso do CLA é considerado por setores da FAB (Força Aérea Brasileira) como importante impulso para um programa espacial brasileiro que consiga colocar satélites em órbita, técnica hoje dominada por um clube restrito de não mais que dez países.

    Leia mais: http://jornalpequeno.blog.br/johncutrim/ministro-diz-que-acordo-com-eua-para-uso-da-base-de-alcantara-esta-bem-adiantado/#ixzz5cPU8aEZi

  4. Uau esta jornalista só está fazendo dela o que já tinha escrito antes, posse não é porte apesar da má vontade de muita gente. Espero que agora os apressados, a gente de má vontade e as almas parvas saibam que há uma distância abissal entre a posse de uma arma e o porte da mesma

  5. Na prática isso não resolve nada. O Capitão Virgulino agora presidente, quando foi mandado para o serviço inativo. Elegeu-se vereador. Andava para lá e para cá em uma motocicleta portando uma pistola Glock. Um dia para em um sinal e dois moleques deram o grito: Perdeu plaiboy e com dois revolveres de brinquedo em plena luz do dia, tomara do capitão a moto e a pistola. O capitão é um profissional que sabe da responsabilidade de usar uma arma. Usar arma para se exibir é muito perigoso. E se o bandido souber que você tem uma arma estás perdido. Podes até morrer sem chance. E mesmo reagindo tem 90% de possibilidade de morrer. Nunca vem um só. Fica sempre um ou dois na cobertura. O que precisa é planejamento e uma filtragem muito rigorosa sobre os que entram nas diversas polícias. Tem mais neste momento podemos fazer uma estimativa de ter no mínimo 79% de policiais corruptos. As vezes as pessoas têm mais medo do policial do que do bandido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *