Polícia Federal começa a desmontar a gangue de Picciani na política estadual

Picciani corrompeu os próprios filhos e Felipe será preso

Chico Otavio e Daniel Biasetto
O Globo

Na mais importante ofensiva contra a corrupção no Rio de Janeiro desde a prisão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), em novembro do ano passado, a Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR-2), em parceria com a Polícia Federal (PF), desencadeou na manhã desta terça-feira a operação “Cadeia Velha”. A PF está nas ruas para cumprir mandados de prisão contra Felipe Picciani, filho do presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani, e também gerente da Agrobilara, a empresa que conduz os negócios da família. Há ainda mandados de busca e apreensão nos gabinetes da presidência da Alerj e de Picciani, e dos deputados Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. Os procuradores também pediram a prisão dos parlamentares, que serão conduzidos coercitivamente a depor neste primeiro momento.

Os mandados de prisão se estendem ainda a Jorge Luiz Ribeiro, braço direito do presidente da Alerj; Andréia Cardoso do Nascimento, chefe de gabinete do deputado Paulo Melo; e do irmão dela, Fábio, também assessor de Melo. E também contra empresários ligados a Fetranspor, Lélis Teixeira, José Carlos Lavouras e Jacob Barata Filho.

SEM FLAGRANTE – Jorge Picciani, Melo e Albertassi só não serão presos neste momento porque a Constituição estadual, no Artigo 120, estabelece como única possibilidade de prisão provisória o flagrante de crime inafiançável, à exceção de casos com licença prévia da Alerj. Mas as três prisões não estão descartadas. No mesmo instante em que a operação ocorre, os procuradores regionais da República responsáveis vão pedir ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), fórum competente para o caso, que considere flagrantes os crimes atribuídos a Picciani, Melo e Albertassi.

A PRR-2 vai pedir as prisões preventivas e em flagrante dos parlamentares. No mesmo pedido enviado ao TRF-2 foi solicitado também o afastamento imediato dos alvos de suas funções políticas na Assembleia.

CRIME CONTINUADO – Os procuradores sustentam que o flagrante existe porque o trio de parlamentares comete até hoje crime continuado de lavagem de dinheiro, já que o esquema não cessou, de acordo com a investigação. Este pedido será submetido pelo relator do caso, desembargador Abel Gomes, ao colegiado da Seção Criminal do TRF-2, formada pelos seis desembargadores das turmas de Direito Penal, em sessão especial provavelmente nesta quinta-feira.

Deputados estaduais, empresários e intermediários são acusados de manter uma caixinha de propina destinada à compra de decisões na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) para o setor de transportes. O esquema, concluíram os investigadores, teria começado nos anos 1990, por Cabral, e hoje seria comandado pelo presidente da Casa, deputado Jorge Picciani, por seu antecessor, deputado Paulo Melo, e pelo líder do governo Edson Albertassi, caciques do PMDB fluminense.

MANDATOS DE PRISÃO – Estão ainda na lista de presos os principais nomes da cúpula da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor), Lélis Teixeira (presidente), José Carlos Lavouras e Jacob Barata Filho, todos alvos da primeira fase da Operação “Ponto Final”, deflagrada em julho, e que haviam sido libertados por liminar do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

São alvos de condução coercitiva: os deputados Jorge Picciani, presidente da Alerj, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. Como alvos de prisão temporária: Felipe Picciani, Ana Cláudia Jaccoub, Márcia Rocha Schalcher de Almeida e Fábio Cardoso Nascimento

Alvos de prisão preventiva: Jorge Luiz Ribeiro, Carlos Cesar da Costa Pereira, Andreia Cardosso do Nascimento, Lélis Teixeira, Jacob Barata Filho e José Carlos Lavouras.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Vamos ver se o ministro/sinistro Gilmar Mendes terá coragem de soltar Jacob Barata novamente. Quanto à Picciani, o nome já diz que se trata de uma famiglia, altamente mafiosa e muito prestigiada, que inclusive participa do Ministério de Michel Temer. (C.N.)

11 thoughts on “Polícia Federal começa a desmontar a gangue de Picciani na política estadual

  1. Vi no Globo a vista aérea do barraco do Jorjão, menino, que luxo! A gente logo vê a categoria da famiglia. rsrs
    Homem trabalhador!
    Ele merece!
    Atenciosamente.

  2. O prefeito de Petrópolis deveria fugir para uma tundra congelada no Canadá. Estamos sendo engolidos por uma cratera cavada pela CONCER, abençoada pelas autorizações do IBAMA, ICMbio e outras autarquias venais. Lembro-me de ter defendido o Clube de Tiro de Petrópolis, por ter feito um desmatamento mínimo em seu terreno, numa ação civil pública, em que o MP ordenou o reflorestameto da mata ciliar das nascentes de rios que serviam de mananciais para outros maiores. Esses FDPs permitiram a destruição dos aquíferos desses rios e, agora, a água está minando para o mirante do Belvedere. Vai estourar tudo. Mas, tal qual o Rio Doce, assistiremos a tudo com mansidão bovina. Embora a concessão seja federal, a cagada afeta Petrópolis – e seu prefeito de merda fará sabe o quê? Uma licitação para contratar uma empresa para ‘alegrar’ o natal, com luzes, espetáculos, surubas e afins. Ah, o pessoal que ficou desalojado (não eram favelados, nem invasores)? De acordo com o pensamento do prefeiteco de Petrópolis f….-se todos! Ah, Bernardo, tu te fod…., pois teus padrinhos vão pro xilindró! Talvez haja um espaço pra você por lá!

  3. Essa quadrilha do PMDB fluminense roeu as finanças deste Estado, com muito roubo e gestão temerária!

    E outrora foi muito bajulada pelos membros da quadrilha do PT, quando esta estava no poder. Quem não se lembra?!

    Mas parece que agora a casa caiu. No entanto existe lá no Planalto Central uma figura do STF, de plantão, esperando apenas pelo momento certo para aliviar a barra desses ladrões peemedebistas.

  4. Desvio ou lavagem de $ deve ser considerado “Crime Hediondo”, pois mata a saúde, a segurança, a educação, a infra estrutura e principalmente os sonhos de se ter uma sociedade mais justa.

  5. todos os prefeitos de todos os municípios governados pelo PMDB,além dos partidos que participaram de coligações,fizeram negócio envolvendo propina com Piccani ,Cabral,Pezão e demais políticos das quadrilhas.
    E,agora a justiça deveria começar as investigações por aqueles municípios que estão com pagamentos dos funcionários em atraso.
    Todos eles roubaram com essa quadrilha que se instalou aqui no rio,onde muitos juízes desembargadores e outras altas autoridades corruptas,enriqueceram deixando suas obrigações de lado.deveriam serem fuzilados em praça pública

  6. Fica cada vez mais escancarado o fato de que o PMDB e o PT são as maiores quadrilhas criminosas deste Brasil.

    E deixam bem para trás o segundo colocado, o PSDB.

    No Brasil já NÃO existe mais democracia! Existe apenas cleptocracia, um “Estado governado por ladrões”!

    E não esperem que “de repente” os ladrões da política resolvam parar de roubar em prol de um país melhor! Isso NÃO acontecerá!

    É preciso uma força para dar um soco na mesa e pôr ordem na casa!

    Porém quanto mais tarde pior!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *