Privatização da Previdência conduz os escravos modernos para uma senzala virtual

Resultado de imagem para privatização da Previdencia charges

Charge do Tacho (Jornal NH)

André Moreau
Jornal da ABI

Boa parte dos trabalhadores brasileiros, desde a Lei Áurea, vive por procuração, como escravos modernos que, após cansativas jornadas de trabalho, assistem e/ou ouvem noticiários sobre o que deve ser considerado inevitável para que cheguem ao tão propalado progresso que nunca ocorrerá, nem para os seus senhores.

Assim, diante dos aparelhos de rádio e televisão, em meio a audiovisuais que promovem informações subjetivas objetivando excitar e confortar, a massa é mantida obediente, para descansar e, sem reação diante dos abusos e erros dos senhores do sistema excludente e dos governantes, voltar a produzir no dia seguinte.

IMPOSIÇÃO – Sob controle, a população assiste aos capitães do mato de senhores mais impávidos do que nos tempos da colonização imporem diariamente aos escravos modernos a importância do fim da Previdência Social, que através de um fundo público, garante aos trabalhadores com carteira assinada, aposentadoria, pensão e auxílio, sob a alegação de que é o melhor para todos, com exceção dos militares treinados para mantê-los pacíficos. 

A linguagem usada nos noticiários, acirrada nesses tempos de mudança do sistema de governo, é de resignação e impotência diante do que supostamente será melhor para futuras gerações. É a mesma argumentação de meias verdades que foram usadas na ditadura de Pinochet, no Chile, em meio a noticiários que chocaram e geraram medo, para neutralizar o povo. 

MISSÃO DE GUEDES – O principal defensor da privatização da Previdência Social – o economista Paulo Guedes, não por acaso formado na Universidade de Chicago – é o principal ministro do governo. Sua missão é impor o fim da Previdência Social no Congresso Nacional, para implantar o modelo chileno de capitalização. Por isso tem tanto espaço nos meios de comunicação conservadores. 

Guedes fundou o Banco Pactual, que hoje faz parte do BTG Pactual e o BR Investimentos, do grupo Bozano Investimentos e que opera aplicações em empresas privadas (private equity) através da plataforma de “ofertas globais” Bankerbay, no Chile, juntamente com outras transnacionais, justamente no país onde há o maior número de suicídios já registrado de trabalhadores aposentados, em função do baixo rendimento oriundo do modelo de capitalização que, em média, equivale à metade do salário mínimo.

Guedes representa os senhores da Federação dos Bancos (Febraban), não há a menor dúvida.

FATTORELLI – Por outro lado, a corajosa Maria Lucia Fattorelli – especialista em dívida pública – comprova em estudos acessíveis a todos que a Previdência Social, quando retiradas de sua conta as despesas de Assistência Social para amparar quem nunca contribuiu para o INSS, é superavitária e só será modificada para satisfazer aos banqueiros que capturaram o Estado brasileiro.

A convite do presidente do Rafael Correa, de 2007 a 2008 a especialista brasileira integrou a Comissão de Auditoria Integral da Dívida Pública do Equador, que teve ótimo desempenho e reduziu a dívida nacional em 70%.

Por isso, Fattorelli não tem espaço nos meios de comunicação conservadores, para não interferir no plano de dominação que está sendo implantado.

REDUÇÃO DA DÍVIDA – Em entrevista ao jornalista Luiz Carlos Azenha, a coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida, confirma que a dívida real equatoriana era de 30% do total cobrado pelos bancos credores,  que terminaram fazendo acordo com o governo visando evitar ação nos tribunais internacionais. 

Fatorelli denuncia que a mídia corporativa e os governos fazem de conta que o assunto é muito árduo, muito difícil de entender e que você não precisa se preocupar com isso. Ou seja, deve pagar e ficar quieto”. E conclui que, se houvesse uma auditoria no Brasil, o valor devido também poderia ter uma redução muito exprssiva.

SEM SERVIÇOS – Fattorelli diz que os cidadãos “pagam a conta através dos impostos e ficam sem os serviços públicos que o dinheiro dado aos banqueiros poderia financiar. Sem o Metrô, os hospitais e as creches que o dinheiro gasto em juros poderia financiar”. 

Na entrevista concedida a Azenha, a auditora brasileira lembra que “o crescente grau de endividamento reduz a margem de manobra do governo e o empurra para as privatizações, agora ‘de estruturas de estado’, não apenas de empresas lucrativas, como aconteceu no período da privataria tucana, e é outro ponto controverso, já que petistas insistem que concessões não equivalem à venda de patrimônio. 

De volta à senzala, a conclusão não poderia ser outra, o Estado brasileiro serve mais aos banqueiros que aos cidadãos que pagam a conta, uma realidade que expõe os membros da Febraban, como senhores do “Deus Mercado”, que prega a salvação desde que os cidadãos emprestem suas economias a eles, como escravos modernos.

14 thoughts on “Privatização da Previdência conduz os escravos modernos para uma senzala virtual

  1. Não é só a Previdência:

    “O Globo 15 Março 2019.
    RIO — O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse nesta sexta-feira que seu sonho como liberal seria ver o fim das empresas estatais no Brasil. No comando da maior estatal brasileira, ele disse que gostaria de ver a Petrobras “privatizada” e o BNDES, “extinto”. Mas reconheceu que “nem sempre se pode ter tudo”, ao citar uma música da banda britânica The Rolling Stones.

    — Como liberal, somos contrários a empresas estatais. Petrobras também privatizada e o BNDES extinto, esse seria o meu sonho. Mas é como a música dos Rolling Stones, “You Can’t Always Get What You Want”. Na América Latina, temos um exemplo de estatal bem-sucedida, que é a Codel, do Chile, maior produtora de cobre do mundo. Já que não podemos privatizar, nem temos mandato para isso, vamos transformar a Petrobras no mais próximo possível em uma empresa privada.”

    -Tipo a Encol.

  2. melhorar esta página do , digas para mim , sabes o que é ;
    Theo Macallan Reflexiones.
    Johnnie Walker King George.
    Contra Filé de Wagyu.
    Bacalhau Gadus Mohua.
    Um vinho Chàteau Pétrus ou até mesmo , um Cháteau Grande Puy Lacoste, garanto que não. Portanto, volte para seu reduto idiota. Moralistas sem moral. Pobre metido a rico .

    • Caro Quinane, meus comentários, estão baseados na Moral da Doutrina de Jesus, que nos legou um Código da vida – O Evangelho, que tem um alerta: “A cada um segundo suas OBRAS” e Pagarás até o último ceitil”, que acontecerá, a todos nós, pós túmulo, no Tribunal Divino da Consciência, se for obra má, o “Ranger de dentes”, se for do BEM, Paz e Luz. Nossas Almas/Espíritos, são eternas, está no Planeta em corpo perecível, na Estrada do Progresso, Lei Divina, Que Deus-Pai em sua Misericórdia, te ampare e ilumine. Se esse Théo, sou eu, por meus comentários, estou com 90 anos, com o passaporte para o Mundo Espiritual, com a Consciência tranquila, por não ser omisso e conivente, aos crimes hediondos dos governantes do Mundo material, e só levamos 3 coisas: o Bem, o MAL, e o Bem que se deixou de fazer; desde 1950, busco servir minha comunidade, em defesa de nossos irmãos humildes.
      Agradeço, vossa citação. reforça os restos de minha vida, me levando a meditar.

  3. melhorajairdesacustumando, te convidaram, pelo menos, para rescolher os talheres, os copos e os pratos no banquete promovido por Rodrigo Maia , as custas do erário público, com intuito de arquitetarem mais um golpe contra a sociedade ?Garanto que não puxa saco. Seres como você , és nada, até mesmo para seus senhores.

  4. Alguns comentatistas aqui da TI perdem seu tempo acessando às matérias do blog.
    Discutem entre si, se ofendem e esquecem o conteúdo da postagem.
    Deveriam ir assistir à programação da tv Globo.
    O texto de André Moreau está corretíssimo e exato. É apartidário e reflete o sentimento e a percepção do brasileiro que tem um mínimo de noção do que poderá ser implantado no país.
    Enquanto isso boçais e arrogantes , aos moldes de uma torcida de futebol, se xingam e destratam infantilmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *