Problema que só Napoleão resolve

Carlos Chagas

Não parece  fácil entender o PT, com suas múltiplas correntes,  verdadeiros partidos dentro do partido.   “Construído um Novo Brasil”, sucedâneo do “Campo Majoritário”, “Novo Rumo para o PT”, “PT de Luta e  de Massa”, “Movimento PT”, “Articulação de Esquerda”, “O Trabalho” e outros grupos só  se entendem,  mesmo, quando se trata de permanecer no poder. No mais, divergem, disputam e se isolam como aconteceu na Revolução Francesa até que Napoleão tomou conta de tudo e fez-se Imperador. No caso do PT, a História acontece às avessas, porque o Napoleão já  existe,    mas está custando a botar a coroa. Felizmente a guilhotina só funciona de modo   figurado e as cabeças dos companheiros  continuam coladas aos  pescoços.

A briga pela presidência do  PT dá bem a conta da confusão existente, que muitos concluem imitar os tentáculos do polvo, ora distendidos, ora recolhidos e entrelaçados. Trata-se, para os otimistas,  de uma tática de sobrevivência democrática, mas, para quem se encontra de fora, mesmo sem ser pessimista, o quadro prenuncia  a decretação do Império.

O  Napoleão gastou suas últimas reservas de paciência na semana passada, menos por conta da escolha do  novo presidente do partido, mais em função das próximas eleições de governador. Porque da armação de alianças com o PMDB e afins depende a sorte da candidatura presidencial de Dilma Rousseff. Caso o PT  não  abra mão de pelo menos nove   indicações,  nos estados onde o PMDB já dispõe do governador, o presidente assistirá o maior partido nacional dividir-se entre a chefe da Casa Civil e  José Serra, com sólidas vantagens para o governador paulista. Mas se o PT refluir  em estados importantes, pela falta de puxadores de fila, correrá o risco de ver diminuídas suas bancadas na Câmara e no Senado.

É a partir dessa constatação que continua germinando a idéia do terceiro mandato para o Lula  ou da prorrogação de todos os mandatos por  dois anos.  Só a continuação de Napoleão no poder unirá todos os grupos do PT e, até mesmo, os partidos aliados, com ênfase para o PMDB. Na França dos tempos da Revolução, realizou-se um plebiscito para a população decidir se o Primeiro Cônsul deveria tornar-se Imperador. Ganhou fácil,  perdendo-se no caudal da tirania as poucas vozes de protesto diante da implosão dos derradeiros ideais democráticos que sobraram  da queda da Bastilha…

Onde está o paiol?

No Senado, a pergunta que se faz é quem ou que grupo vem  municiando a imprensa com sucessivas e quase diárias informações sobre escândalos e lambanças praticadas à sombra de suas diversas mesas diretoras. Porque não é graça que essas coisas acontecem, não obstante o esforço de jornalistas em esmiuçar as lambanças.

Seriam funcionários preteridos ao longo dos  anos,  que agora se vingam de dirigentes responsáveis por sua discriminação? Ou simplesmente funcionários éticos, que imaginam contribuir para a limpeza geral.

Há quem veja um certo ânimo revanchista  nos senadores há pouco derrotados nas eleições para a presidência da casa.   Como, também, os que identificam  no PT a intenção de enfraquecer o PMDB e leva-lo a sujeitar-se aos desígnios do palácio do Planalto.

De qualquer forma, há um paiol  nos  porões do Senado, fornecendo munição para a mídia.

Pode surpreender

Mesmo entoando  loas permanentes ao presidente Lula e à política econômica, a maior parte do grande empresariado inclina-se por apoiar José Serra. Imaginam os barões da indústria e do agro-negócio que a História poderá não repetir-se, ou seja, que Dilma Rousseff, se eleita, não conseguirá enquadrar os companheiros e aliados para que aceitam por mais um período a política econômica  neoliberal   vinda dos tempos  de Fernando Henrique.

Assim, na dúvida, prefeririam trocar o duvidoso pelo que imaginam como certo, ou seja,  um tucano no palácio do Planalto.

Será? Talvez não. Na hipótese da eleição de Serra, há   quem  suponha o governador paulista empenhado num programa nada agradável para os neoliberais. Mesmo sem retornar aos tempos de presidente da União Nacional dos Estudantes, exilado  no Chile e depois nos Estados Unidos, Serra não parece disposto a repetir a performance do sociólogo, diante da qual apresentou razoáveis divergências, ainda que sempre reservadas. Por isso não voltou ao ministério do Planejamento, depois de perder uma eleição em São Paulo. Viu-se escanteado no ministério da Saúde,  que aceitou conformado. Pode surpreender…

Mineiridades

O senador Francisco Dornelles conta sempre uma história sobre o tio Tancredo Neves que nos faz pensar a respeito do neto, o governador Aécio Neves. Em plena campanha para a presidência da República, mesmo em eleições indiretas,  Tancredo e Dornelles viajavam num jatinho, de Belo Horizonte para o Nordeste.  Já convidado para ministro da Fazenda, o hoje senador entregou ao candidato longo documento a respeito da situação econômico-financeira do país. Diante  daquele monte de páginas, Tancredo apalpou o paletó diversas vezes e, numa expressão compungida, lamentou haver esquecido os óculos.  Recebeu uma reprimenda do sobrinho, dizendo que ele deveria ter dois ou  três  óculos, um no bolso, outro  na pasta, um terceiro no escritório, para aquilo não acontecer mais.

Com  cara de réu, Tancredo devolveu o documento,  fechou os olhos e parecia  descansar. Não se passaram dez minutos quando,  voltando-se para um auxiliar,  pediu: “Passe-me aí os jornais.”

Quem fingia dormir era Dornelles, que abrindo um olho só flagrou o tio meter a mão no bolso, tirar os óculos  e ler os jornais pelo  resto da viagem…

Porque se relaciona o episódio ao neto, governador Aécio Neves? Porque ele diz não aceitar de jeito nenhum  a vice-presidência na chapa de José Serra…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *