Procuradoria abre inquérito sobre patrocínio do governo a sites de “fake news”

Uma babá para Carluxo | Bernardo Mello Franco - O Globo

Carluxo mandou que o Banco do Brasil retomasse os anúncios

Leandro Prazeres
O Globo

O Ministério Público Federal (MPF) determinou a abertura de inquérito para apurar suspeitas de que a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) esteja direcionando verba publicitária para sites ideológicos alinhados ao governo do presidente Jair Bolsonaro. O pedido de abertura do inquérito, conduzido pela Procuradoria da República no Distrito Federal, foi feito na segunda-feira.

O inquérito vai apurar acusações feitas pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão vinculado ao MPF, que, na semana passada, acusou o governo federal de “falta de transparência” na aplicação da verba da Secom.

CONSEQUÊNCIAS – Segundo representação movida pela PFDC, essa “falta de transparência” pode levar à “má aplicação dos recursos públicos, eventuais direcionamentos por motivação pessoal ou político-ideológica” e “censura indireta” a veículos não alinhados com o governo.

O inquérito foi aberto em meio à repercussão causada pela revelação de que a Secom e o Banco do Brasil pagaram por anúncios em sites que divulgam informações falsas ou que são alinhados ao governo Bolsonaro.

NOTÍCIAS FALSAS – Na semana passada, o perfil Sleeping Giants Brasil, no Twitter, revelou que o Banco do Brasil pagou por anúncios no site Jornal da Cidade Online, que, em 2018, publicou notícias falsas sobre as eleições presidenciais.

Após a revelação, o comando do Banco do Brasil informou que deixaria de anunciar no site, mas o chefe da Secom, Fábio Wajngarten, criticou a postura do banco e disse que o governo estaria “contornando a situação”.

Dois dias depois, o Banco do Brasil anunciou que recuou da decisão e voltou a permitir a veiculação de publicidade estatal no site.

SECOM SE DEFENDE – Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República disse que “não direciona a alocação de investimentos publicitários a qualquer veículo”.

“Há transparência na destinação das verbas de campanhas institucionais bem como os critérios técnicos adotados para a escolha dos meios e dos veículos”, completou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO SITE
O pior de tudo isso é que o filho de Mourão, funcionário do Banco do Brasil, mandou cancelar os anúncios ao site Jornal da Cidade, principal fabricante de notícias falsas, mas o filho Carluxo pressionou a diretoria do BB e os anúncios foram retomados. (C.N.)

9 thoughts on “Procuradoria abre inquérito sobre patrocínio do governo a sites de “fake news”

  1. Um bando de vagabundos que não fazem nada para ninguém e ainda querem ter razão!

    Eu não quero pagar impostos para sustentar milicos, juízes e políticos vagabundo e suas viúvas e filhas.

  2. Aqui na própria TI já flagrei matéria e com mentiras descaradas … isso transforma essa tribuna num portal de fake-news?
    Outra coisa … quem deu autoridade a esses ‘sites’ para classificar quem difunde ou não mentiras?
    Toda essa porcaria é uma farsa para policiar o pensamento das pessoas e o seu direito de expressão. É uma corja de farsantes.

  3. O bolsonarismo usa e abusa da odiosa fabricação e disseminação de fake news. E assim prossegue caluniando, mentindo, desinformando, iludindo, gerando falsos temores e até destruindo reputações.

    Essa turma toda, sob o comando do gabinete do ódio, tem que terminar na cadeia! Inclusive os maus empresários que contribuem com ajuda financeira para isso tudo!

    PS: Até o altíssimo índice de infectados pela Covid-19 no Brasil tem relação direta com a desinformação propagada pelas odiosas fake news.

    • James Pimenta é um daqueles que cita os crimes dos outros para tentar justificar os crimes da sua quadrilha bolsonarista.

      Certamente também é um daqueles que também acha que “os fins justificam os meios”.

      E por fim, ele serve como um bovino na massa de manobra bolsonarista, conforme muitos outros bovinos também serviam à massa de manobra da quadrilha lulopetista.

      É um papel ridículo, mas James Pimenta tem o livre arbítrio para exercê-lo.

      • “O juca é de uma vala comum”. Ele quer comparar o governo do maior ladrão da hostoria da humanidade, que dava dinheiro diretamente para os blogs que eram pagos para defender o PT, e com o governo PSDB que fazia “aportes” em revistas que defendia o FHC; com empresários da iniciativa privada, que dão o dinheiro que é deles para quem eles quiserem; e faz igual ao ministro da censura; esquece que não há fack News (mentira) nenhuma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *