Psiquiatra forense critica a excessiva indulgência com os criminosos no Brasil

Resultado de imagem para Marcelo Ferreira Caixeta

Caixeta expõe claramente a gravidade da situação

Marcelo Ferreira Caixeta

Vou aqui repassar minha experiência de 35 anos em unidades psiquiátricas-forenses hospitalares. Minha tese é de que, para deter as rebeliões/chacinas nos presídios, de nada adiantará “políticas de direitos humanos”, “recursos e mais recursos”, “comissões”, ou seja, o “blábláblá” de sempre… Atualmente dirijo uma unidade hospitalar psiquiátrica-forense destas, voltada para adolescentes. Tenho especialização em psiquiatria criminal (forense) e em psiquiatria do adolescente, pela Universidade de Paris.

Existe uma ciência chamada “etologia” que estuda o comportamento e desenvolvimento comportamental animal. Faz parte da biologia. A biologia mostra que, se você tampar os olhos de um gatinho, logo depois que ele nasce, por um pequeno período de tempo, depois, mesmo se você destampar os olhos dele, ele não vai voltar a enxergar, as células do cérebro dele responsáveis pela visão já “morreram”, não se desenvolvem mais. São os chamados “developmental tender points”, ou “pontos sensíveis do desenvolvimento”. Uma vez ultrapassados, não há mais volta…

SEM DISCIPLINA –Na psicologia infantil-juvenil há a mesma coisa: se você não aplicar a disciplina amorosa e o senso de responsabilidade/dever/ trabalho, numa determinada fase, depois não se conserta mais. Isso está acontecendo com a juventude de hoje:  não recebem disciplina, ocupação, responsabilidade, dever, na época certa. Não aprendem a trabalhar. Depois só irão “curtir os prazeres da vida”, não terão aprendido o “prazer do trabalho”. Irão transformar-se em animais, viver para o prazer das drogas, comida, sexo, o prazer da agressividade, lutas, guerras etc.

Isto é um problema da sociedade ocidental atual, que vive de “passar a mão na cabeça” da molecada, “a psicóloga disse que não pode bater”. Criança precisa, sim, ser contrariada, se necessário, precisa, sim, levar palmada. Não pode se julgar a dona do mundo, melhor do que todos, dona do próprio nariz, a “rainha do pedaço”, o “reizinho que tem de ser satisfeito em tudo”.

RESPONSABILIDADE – O amor disciplinado tem de contrariar, tem de castrar. Na época certa tem de dar a tarefa, a responsabilidade, o estudo, o trabalho. Isso, na família de antigamente, ficava muito a cargo do pai. Mas a “função paterna”, hoje em dia, foi destruída, foi anulada. Colocaram a “psicologia”, os “direitos humanos”, os “meus direitos”, o prazer, as “garantias do Governo”, no seu lugar…

Resultado: depois que a pessoa não aprendeu a trabalhar, ” babau”… Não aprende mais; vai querer curtir a vida com outras coisas, que não o prazer da realização, do trabalho, da “coisa-bem-feita”.

Vai ter prazer só nas coisas “biológicas”, inclusive na luta. Esse povo das gangues intrapenitenciárias tem “prazer em brigar”, tem “prazer em matar”, e isso nossa “sociedade da psicologia”, dos “direitos humanos”, não quer aceitar.

O PRAZER DE MATAR – Eles estão superfelizes, estão se esbaldando, de tanto guerrear, matar, trucidar, esquartejar. É o prazer deles. Um prazer tanto maior porque turbinado, além dos fatores psicossociais acima, pela lesão cerebral produzida pelas drogas e pelas disfunções cerebrais produzidas pelas genéticas das quais muitos são portadores: hiperatividade, transtorno bipolar, distúrbio de personalidade psicopática, alterações cerebrolesionais do comportamento (“impulsividade e agressividade orgânica”) etc.

Então, com doença, com droga, com toda uma deformação social, psicológica, familiar, são praticamente incuráveis. Se há incurabilidade, têm, sim, de ficar fechados, pois a sociedade precisa de paz para viver e trabalhar. No entanto, mais uma vez, as políticas governamentais vão é na contramão disso tudo : “vamos soltar eles, gente”, “50% está preso injustamente”, “são criminosos de crimes pequenos” etc.

ANJINHO NA CADEIA? – Olhem, vou dizer a vocês, após 35 anos lidando com esta população, nunca eu vi um “preso injustamente”, nunca vi um “anjinho na cadeia”. Pelo contrário, quando são presos é porque já é tarde demais, já cometeram crimes demais… Se nossa população carcerária cresce não é por causa de “falta de direitos humanos”, pelo contrário. Ela cresce porque o Brasil é o país mais permissivo, mais frouxo do mundo, mais libertino do mundo, mais “pode-fazer-o-que-quiser” do mundo, mais sem as regras e sem a obediência do mundo. É claro que vai ter muito crime mesmo, muito homicídio, muita prisão…

Aqui pode tudo, esse povo faz de tudo, e quando é preso aí vem reclamar da “falta de liberdade”. Solução para esse povo? É reclusão mesmo, senão a sociedade não tem paz, como agora não vem tendo… É claro, que, ao meu ver, não é apenas “recluir por recluir”. No meu entender, prisões deveriam ser hospitais psiquiátricos, com tratamento, ocupação, psicoterapia, medicação que se fizer necessária. Avaliações periódicas para ver se há melhora. Se não há melhora, que continuem presos. Antes eles do que nós.

(Artigo enviado por Mário Assis Causanilhas)

22 thoughts on “Psiquiatra forense critica a excessiva indulgência com os criminosos no Brasil

  1. “o Brasil é o país mais permissivo, mais frouxo do mundo, mais libertino do mundo, mais “pode-fazer-o-que-quiser” do mundo, mais sem as regras e sem a obediência do mundo.”

    • A permissividade tem inicio nos mais altos escalões, temos sociopatas dirigindo a nação, ou querendo fazê-lo novamente, apoiados por outros da mesma constituição psicológica.
      Tudo podem, e desta forma dão ao “povo” o direito de exigirem direitos sem deveres ou obrigações. O prazer pelo prazer.
      “Quero agora, quero já e quero doeu jeito”.

  2. 1) Excelente artigo.

    2) No âmbito da Educação, um dos graves problemas a meu ver e muitos colegas professores comentam é o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente assinado pelo FHC – PSDB e o PT continuou.

    3) Os alunos sabem todos os direitos, mas não querem ter deveres. Não querem regras, não querem obedecer, não querem ter limites…

    4) A maioria dos pais não aguenta, chega na Escola e diz que não consegue ter domínio sobre os filhos…

    5) Qual será o futuro desta geração?

    • A escola atual não passa de mera caricatura. Com o ECA, o politicamente correto e o viés ideológico deixou de ser uma agência educacional para ser mera transmissora de conteúdos, boa parte deles, ferramentas da desconstrução. O resultado vemos diante dos nossos olhos, corroborando o que diz Marcelo Ferreira Caixeta.

  3. Parabéns pela coragem; mas, este discurso não dá votos.
    Além do mais, temos que chegar no “fim do poço” para aprendermos como é bom o bem.
    Mas, dá trabalho e as pessoas tem que vigiar o tempo todo para “podar” os comportamentos anti sociais.

    • Certeza…Quando começou a atacar as outras ciências pra defender a ciência que ele pratica e deslegitimar os direitos constitucionais, já vi que era reacionário do tipo “tá tudo errado menos o que eu tô dizendo”. Quando ele fala que salienta qure antigamente a educação era dada pelo “pai”, se mostra um saudosista dá época que mulheres e negros não tinham lugar na sociedade. É claro que a superlotação carcerária é um problema, mas visivelmente a a solução apontada por ele (“tem que prender mesmo!”) não está funcionando. Praticamos o modelo punitivo há décadas e isso só aumentou a violência aqui fora. Prisão virou faculdade do crime e o cara sai pior e mais agressivo ainda, com vários contatinhos do crime adquiridos no tempo de cadeia. Então já passou da hora de construirmos outras soluções…porque a solução tradicionalista adotada até agora (e defendida por esse senhor aí em cima) tem falhado miseravelmente com aumento exponencial do crime organizado e da violência urbana.

      • errada jaqueline-ele nao falou isso q vc entendeu-nada de saudosismo do pai etc-apenas comparou duas epocas e seus resultados-pelo visto vcreza pela cartilha dos maus brasileiros do pt e associados- estude menina e pesquise mais-

  4. Fico feliz de poder ler artigos como esse. Por dois motivos; primeiro por que fala verdades que precisamos dar detida atenção e em segundo lugar, areja o importante espaço que temos aqui, pois tem hora que só fala naquilo que não vai levar a lugar nenhum.
    Na medida que lia, lembrei-me de uma história que meu sogro contou-me e agradeço aos que puderem considerar.
    Me sogro era o caçula, sua mãe quando o pariu tinha 48 anos e contou-me ele que o seu irmão mais velho não queria nada com a hora do Brasil ou seja, ajudar em casa. Era caçando passarinho, tomando banho de cachoeira e jogando bola e assim, não ajudando nas tarefas da vida familiar como pegar lenha no mato, levar a cabrita e o burro para o pasto e trazer para beber água. A velha sua mãe, uma portuguesa alta e forte, casada com um mulato que era maquinista de maria fumaça recebeu a queixa de sua esposa acerca do comportamento do filho.
    Ele serenamente disse a esposa, deixa que eu vou dá um jeito. Na primeira folga levou o filho e voltando para casa, não disse nada, apenas que foi para um lugar aprender a lição. Passado cerca de um mês, a esposa sentindo saudade do filho, perguntou onde ele o havia levado,
    Ele disse-lhe que no domingo iria levá-la para visitá-lo. Assim foram os dois visita o filho na Praça Mauá, quartel dos marinheiros e o moleque estava naquela hora, lá em baixo no rio lavando as roupas dos marinheiros.
    Resumo, trouxe-o para casa com a lição aprendida.
    O articulista mostrou claramente que o problema está na formação do caráter e o exemplo do gatinho foi muito significativo.,
    Onde deve situar-se o berço do caráter?
    Pé de galinha não mata pinto,,,

  5. Nao sei o q esse cidadao aprendeiu em Paris.Eu aprendo todos os dias em Bh e no meu labor da Psicologia que moralismo nao e instrumento de trabalho e q ser coercitivo e autoritario nao da fruto….segundo Lacan…”se a Psicanalise nao irrealiza o crime ela nao deshumaniza o criminoso”…
    ESCRTIOS

    • Meu amigo “psicanalista”… permissividade, falta de limites não é de forma alguma uma matéria psicanalítica, muito pelo contrário, a função é demonstrar que as crenças e valores distorcidos pela falta de limites leva grandes perdas, próprias e dos Outros.
      O reconhecimento da responsabilidade pelas próprias ações, e as consequências de tais escolhas deve ser a premissa do tratamento psicológico.

  6. Excelente ponto de vista. Apenas não concordo com a visão da Psicologia como permissiva. Sou Psicóloga trabalho com jovens infratores e atuo na abordagem de uma educação amorosa mas que limita disciplina e responsabiliza na mesma medida.

  7. Os paises desenvolvidos e dados como exemplos de povo educado não o são senão por repressão àqueles que descumprem as regras.
    Não existe desenvolvimento sem educação comportamental.
    Não existe educação comportamental sem repressão constante por multas e penitências efetivamente cumpridas. A educação comportamental não é construída só com carinhos e palavras doces mas sobretudo, com bons exemplos e com medidas certas que façam todos nós vermos quais são os limites perante os demais da sociedade. Entenda-se sociedade como todo e qualquer cidadão que faz parte daquele povo.

  8. Paredão,
    Corrente com peso no tornozelo,
    Chibanca e
    Muita pedra pra quebrar.
    Justiça dos homens.
    E que eles se arrependam verdadeiramente de coração, entreguem suas vidas a Jesus Cristo e que Deus, tenha misericórdia deles no último dia!

  9. No Brasil se voce se defender de assaltantes e estupradores que invadem sua casa e violentam sua esposa e suas filhas pequenas antes de levar todo o fruto do seu trabalho pesado voce é quem vai preso.

    Prisoes lotadas de inocentes, chefes de familia, honestos, que jamais se aproximaram de nada errado, apenas estudaram, trabalharam e cuidaram bem de suas familias a vida toda.

    Ruas lotadas e palacios abarrotados de criminosos impunes de todo genero.

  10. Ao meu ver, o Brasil é um país que tudo pode. Não existem leis claras e precisas. As leis não saim do papel. O Brasil precisa acordar, senão os próprios bandidos vão acabar com as pessoas que estão em buscar de paz!

  11. Perfeito o artigo!
    Sou psicóloga e concordo com tudo o psiquiatra falou.
    O problema é que temos uma mídia que desvirtua tudo. O que é errado, torna-se certo…
    Reclama-se do índice de crimes e ao mesmo tempo, mostram políticas de direitos humanos para proteger bandidos!
    A polícia é atacada diariamente nos jornais…estão de mãos atadas…
    Sinto que nosso país morre dia a dia no valores morais…e nós, nas mãos desses criminosos!
    Lamentável!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *