Publicidade comercial não muda opinião pública nem funciona no campo político

Resultado de imagem para propaganda eleitoral charges

Charge do Angeli (Folha)

Pedro do Coutto

A publicidade tradicional não muda opinião pública e nem é capaz de influir em nada no campo político e na esfera da administração pública. Ela funciona extraordinariamente no plano comercial, através de axiomas que utiliza, mas no plano político as mensagens de comunicação exigem teoremas. O axioma não necessita comprovação. O teorema, ao contrário baseia-se totalmente na força real de seu conteúdo. Nada como a prática para confirmar teorias. E agora mesmo o governo Michel Temer constatou que não conseguirá aprovar a reforma da Previdência Social este ano, embora tenha despendido um bilhão e seiscentos milhões de reais em contas publicitárias, 90% concentradas nas emissoras de televisão.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foi quem alertou Michel Temer da impossibilidade, alerta que se estende também ao ministro Henrique Meirelles, autor da iniciativa, e que sai enfraquecido do episódio. Não conseguiu o governo sensibilizar a população.

REPERCUSSÃO – A decisão de retardar a reforma da Previdência foi manchete principal dos quatro jornais mais importantes do país: O Globo, Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e o Valor. Destaque, a meu ver, para a reportagem de Geralda Doca, Martha Beck, Manoel Ventura e Gustavo Schmitt, em O Globo desta sexta-feira.

O desenrolar do episódio leva inevitavelmente a uma reflexão, através da qual se pode diferenciar concretamente os campos da publicidade e do jornalismo. A publicidade transmite um apelo direto ao consumo, mas ao consumo de produtos adquiridos nas lojas. Nada tem a ver com a realidade em que se baseia a opinião pública. Os dois quadros são complexos e guardam limites entre si. Lendo a obra principal de McLuhan, “Os Meios de Comunicação como Extensão do Homem”, verifica-se que entre seus mil acertos, cometeu um equívoco: o meio é a mensagem, porém depende, na esfera política pública, do conteúdo que pode apresentar no rumo do interesse coletivo. Nada tem a ver também com a venda de aparelhos de TV, geladeiras ou smartphones.

MEIO E MENSAGEM – Por falar no meio e na mensagem, esse livro foi objeto de uma brilhante análise do jornalista José Lino Grunewald, separando as mensagens com base na sua direção. Ele incluiu um comentário à quase homofonia, em inglês, das palavras mensagem e massagem, no sentido de um estímulo para a vontade. Mas essa é outra questão.

A publicidade comercial é um fato importantíssimo para a vida humana, suas pretensões, seus apelos seus desejos. Ontem, por exemplo, o Banco Itaú desfechou uma publicidade maciça ocupando duas páginas das edições dos quatro principais jornais que citei há pouco. Investiu na imagem. Perfeito.

Mas no plano político e da opinião pública, é preciso que a mensagem leve consigo um conteúdo positivo, através de uma proposta também positiva.  Eu sempre digo, e repito agora, que o jornalismo é fortíssimo quando se projeta no sentido das ondas que chegam à praia. Mas não tem a mesma força, nem de longe, para inverter a rota, para citar Ari Barroso, das espumas que se desmancham na areia.

GOEBBELS MENTIU – Finalmente um ponto a acrescentar: Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler, afirmou certa vez, falsamente, que uma mentira repetida por vezes transforma-se em verdade. Mentiu para o covil dos abutres que dominava a Alemanha e mentiu para o povo alemão.

A opinião pública sempre haverá de distinguir entre um conteúdo falso e um conteédo verdadeiro. Porque se alguém está comprando espaço na mídia , evidentemente não poderá usá-lo contra si mesmo.

Principio universal de direito: ninguém pode ser ao mesmo tempo juiz e parte.

3 thoughts on “Publicidade comercial não muda opinião pública nem funciona no campo político

  1. Janot afirmou que estão freando a investigação contra Temer no caso da MP do porto de Santos.

    É óbvio que os escolhidos do mordomo foram colocados na PF e PGR exatamente pra isso.

    Fernando Segovia e Raquel Dodge foram empossados justamente pra isso:

    Continuar engavetando a 3ª denúncia contra Temer no caso da MP do porto Santos !!!

  2. O grande e experiente Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO, um dos maiores Expert em Pesquisas de Opinião Pública Política, que estuda e analisa desde os anos 50′, constata que mesmo o Governo gastando R$ 1,6 Bi. ( 0,025% do PIB/2017) numa maciça Campanha Publicitária, +- 90% na TV, para aprovar a Reforma da Previdência, não consegue os 308 Votos na Câmara dos Deputados, para aprova-la.

    O POVO sabe que o Governo ( Fed. Est. Munic.) Arrecada 37% do PIB ( Produto Interno Bruto), e se mesmo assim não consegue saldar seus Compromissos, então não é POR FALTA DE ARRECADAÇÃO.

    Então, sabiamente conclui o experiente Sr. PEDRO DO COUTTO, ” Assim, fica provado que: A Publicidade Comercial ( Marketing ) não muda a Opinião Pública, nem funciona decisivamente no Campo Político”.

    É clássico o filme de propaganda Política EUA em que à uma vovó é oferecido um grande sandwich com muito recheio, ela olha, olha, e diz:
    Where is de beef.
    Também o POVO Brasileiro não vê nenhum BIFE na Reforma da Previdência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *