Qual dos dois Bolsonaros irá a Davos? O neoliberal ou o adversário do globalismo?

0

Guedes e o chanceler Araújo estarão em Davos com Bolsonaro

Raquel Landim
Folha

Na próxima semana, Jair Bolsonaro fará sua primeira viagem internacional como presidente da República. O destino é a cidadezinha de Davos, nos Alpes suíços, para se reunir com a nata da comunidade global no Fórum Econômico Mundial.

Chegará ladeado pelo “yin” e “yang” das política externa e comercial de seu governo: o chanceler Ernesto Araújo e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Enquanto o primeiro é contra o globalismo, o outro fala em promover uma abertura unilateral do mercado brasileiro ao mundo.

Guedes estará em seu habitat natural. O ex-banqueiro vai vender aos seus antigos pares a reforma da Previdência que deseja aprovar no Congresso para ajustar as contas nacionais. O objetivo, claro, é convencer os investidores a trazer seu dinheiro para cá.

REFORMA DURA – Guedes pretende ainda aproveitar a viagem – longe da influência do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da rede de militares que gravita em torno do presidente – para convencer Bolsonaro a implementar uma reforma dura, que signifique uma economia significativa para os cofres públicos.

Já Ernesto Araújo é uma incógnita. Divirto-me pensando que o chanceler cumprimentará as pessoas nos corredores do Fórum com a saudação “Anuê Jaci” (Ave Maria, em tupi), com a qual terminou seu discurso de posse, mas não acredito que ele chegue a tanto.

Na verdade, difícil saber o que faz um Davos alguém que disse que se deve ler menos a revista Foreign Affairs, o jornal New York Times, e assistir menos CNN. Alguém consegue imaginar alguma reunião no planeta onde esses três veículos façam mais sucesso e tenham mais influência?

O GRANDE ASTRO – O fato é que Araújo pode até gerar manchetes, mas não será o centro das atenções. O importante mesmo é o que o dirá o presidente. Qual dos dois Bolsonaros irá a Davos? O recém-convertido adepto do liberalismo ou o soldado antiglobalização defensor do Brasil grande?

Isso se ele não passar boa parte da viagem explicando à imprensa brasileira porque o seu filho, o senador eleito Flávio Bolsonaro pediu ao Supremo Tribunal Federal para suspender um processo no qual sustentava até outro dia que não era sequer investigado…

8 thoughts on “Qual dos dois Bolsonaros irá a Davos? O neoliberal ou o adversário do globalismo?

  1. Aqui no interior de SP, o povo do meio político sabe quando um prefeito entra para roubar quando do ato da escolha do contador, se o contador tem fama de bandido bem-sucedido no ecossistema, a intenção do prefeito é usá-lo em seu benefício próprio.

  2. DINHEIRO DOADO por petistas à DITADURAS …………………

    Venezuela
    Estaleiro Astialba
    Metrô de Caracas – Linha 3 (PDF – 11,2 MB)
    Metrô de Los Teques – Linha 2 (PDF – 12,8 MB)
    Projeto de Saneamento e Desenv Integral – PSDI Tuy (PDF – 55 MB)
    Siderúrgica Nacional (PDF – 15,6 MB)

    Moçambique
    Aeroporto de Nacala (PDF – 24 MB)
    Barragem de Moamba Major
    Obras Complementares do Aeroporto Internacional de Nacala

    Cuba
    Porto Mariel
    Construção de uma planta para a produção de Soluções Parenterais de Grande Volume (SPGV) e Soluções para Hemodiálise (SCH)
    Modernização e ampliação do Aeroporto Internacional Jose Marti, em Havana, ampliação do aeroporto de Santa Clara e aquisição de equipamentos para os aeroportos de Holguin, Cayo Coco e Cayo Largo

    Angola
    Construção da avenida N’Gola/Killuange (Pacote 2)
    Via expressa Luanda/Kifangongo (pacote 2)
    Abast. Agua – Polo Industrial Viana – (Pacote 3
    Aeroporto Internacional de Catumbela – Benguela (PDF – 33 MB)
    Águas de Benguela – 2ª Etapa
    Alteamento da Barragem e Vertedouro Lateral do AH Cambambe
    Auto-Estrada Periférica de Luanda – Fase 1D – 2ª etapa
    Avenida N’Gola Kiluange – Pacote 1 – 2ª etapa
    CINFOTEC
    Construção da avenida N’Gola/Killuange – Luanda – Pacote 2
    Construção da auto-estrada Luanda face IC – Trecho Cacuaco/Viana
    Construção da escola nacional de administração
    Construção da Quarta Avenida
    Construção da Via Expressa Luanda/Kifangondo (pacote 2)
    Construção de 3 novos centros integrados de formação tecnológica
    Construção Loteamento Zango – Angola
    Abast.de Água Pólo Ind.de Viana, Etapa II, Pacote 3
    Abastecimento de Águas de Luanda, Pacote1, Etapa II
    Estrada Golfe/Viana e Rua do Sanatorio
    Estrada da Samba – 4ª fase
    Estrada Viana / Kikuxi
    Hidroelétrica de Cambambe – Fase 2
    Implantação do Aproveitamento Elétrico de Laúca
    Infra-estruturas rodoviárias de Boavista,
    Infraestrutura de Benguela – 1ª etapa
    Infraestruturas Província de Kwanza Sul – 1ª etapa
    Linha de Transmissão de 220 kV – Lucala – Pambos de Sonhe
    Linha de Transmissão UÍGE – Maquela do Zombo
    LT Lucala-Pambos de Sonhe-Uige
    Plano de Desenvolvimento Província do Kwanza Sul – Fase II
    Polo Agroindustrial de Capanda
    Programa Formação, Trabalho e Desenvolvimento
    Projeto Águas de Benguela Terceira Etapa / Fase B
    Projeto Capanda – Usina Hidrelétrica
    Quinta Avenida
    Reabilitação da estrada Viana/Calumbo
    Regularização Rios Coropolo, Cavaco e Catumbela – Rios CCC
    Saneamento Básico Luanda / Angola – 6ª Fase
    Sexta Avenida
    Sistema 3 de Abastec. água de Luanda – Pac 1
    Troço Gamek 2ª etapa
    Uige – Maquela do Zombo
    Unidades Habitacionais Zango – 4º Linha de Crédito
    Via Expressa Luanda-Viana –
    Via Expressa Luanda-Kifangondo –
    Via Marginal Sudoeste
    Viana/Cabolombo e Ligação Cabolombo/Futungo 4ª

  3. A reforma da previdência tem que englobar a todos, militares, juizes, promotores, servidores públicos e iniciativa privada, e é claro PF com CNPJ, mas, certamente, com período de transição. Se não englobar a todos, não será reforma séria.

  4. Continuo a martelar no que é obvio. Nossa microeconomia é muito forte, mas totalmente desorganizada. Nao paga tributos e o emprego, denominado de ” bico”, nao paga INSS.

    Em l945, tinhamos uma grande reserva em dolares. 1 bi foram parar no Banco Mundial, e o restante desapareceu nas mãos dos Ministros da Fazenda. Todos eles fiéis escudeiros do mercado financeiro internacional. Ja em l960, nossa divida externa atingiu 1 bilhao de dolares. Quem renegociou esta divida foi Roberto Campos ( Esta informação foi dada e repetida muitas vezes por Helio fernandes. Tenho certeza que Carlos Newton sabe muito bem disso)

    Até a presente data, todos os ministros da fazenda, só se preocuparam com o pagamento dos juros. Denomino todos ele de JUROSCONSULTOS, incllusive o Guedes. O negócio e privatzar nossas industrias mais fortes, para aumentar a dependência económica

    Bolsonaro caminha para se igualar a todas as decepções que ocuparam a presidência do Brasil. Um país anêmico que doa sangue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *