Recado ao general Eduardo Ramos: “Para ser respeitado, Bolsonaro precisa se dar ao respeito”

Aqui é um serpentário, e quem está próximo de Bolsonaro vira alvo ...

Se o general quer dar pitaco em política, deveria ir para a reserva

Carlos Newton 

O ministro Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, que não é porta-voz do governo nem tem maior importância no ranking ministerial, saiu de seus cuidados para imitar o general Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional, e divulgou uma nota à nação, nesta segunda-feira, para rebater um comentário do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que no domingo comparou a situação do Brasil, “guardadas as devidas proporções”, com o que ocorreu na Alemanha nazista com Adolf Hitler.

“Comparar o nosso amado Brasil à ‘Alemanha de Hitler’ nazista é algo, no mínimo, inoportuno e infeliz. A Democracia Brasileira não merece isso. Por favor, respeite o Presidente Bolsonaro e tenha mais amor à nossa Pátria!”, disse Ramos, em postagem no Twitter.

GENERAL INDEMISSÍVEL – Celso de Mello nem se preocupou em responder ao ministro, que é figura inexpressiva e não se saiu bem no governo, tendo fracassado na articulação política, principal tarefa de sua pasta, que fica sendo adequadamente por seu antecessor, o general Santos Cruz, que soube como se aproximar e relacionar com os parlamentares.  

Eduardo Ramos fracassou na Secretaria de Governo, mas é indemissível, por ser general da ativa e membro licenciado do Estado-Maior do Exército. Ou seja, Bolsonaro precisa desesperadamente do apoio dele.

No meu entender, seu fracasso maior foi faltar com a verdade ao depor perante a Polícia Federal no caso Moro, ao dizer que Bolsonaro, na reunião ministerial, se referia ao ministro Augusto Heleno e até olhara para ele, ao terminar a fala, quando na verdade ocorreu exatamente o contrário e o presidente mirara claramente o ministro da Justiça. Além disso, Ramos retificou outros dois pontos do depoimento, e para mim isso basta. Não suporto general amoldável.   

SAIA DA ATIVA – Compreendo a situação do comandante do Exército, general Edson Pujol, que não pode repreender Ramos por se intrometer em política, porque ele está como ministro. Mas é preciso lembrar que está na ativa. Se quer trabalhar em política e até repreender um ministro do Supremo a propósito de defender um presidente indefensável, é obrigatório que passe para a reserva, deponha as armas e venha esgrimir as palavras.

Celso de Mello não tem satisfações a dar a esse general. O ministro do Supremo está lutando o bom combate, ao defender a democracia, enquanto o presidente Bolsonaro não se dá ao respeito, faz o possível e o impossível para provocar um golpe militar, julgando que será eleito ditador pelo Alto Comando, com o voto de áulicos como Eduardo Ramos.

Mas isso não vai acontecer. Ainda há generais no Forte Apache, que seguem o exemplo de Cândido Rondon e Teixeira Lott. Com toda certeza, não pretendem manchar suas biografias ao se subordinarem a um capitão que o Exército deveria ter expulsado, mas não o fez.   

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Ao escolher a foto para ilustrar o artigo, reparei que o semblante de Eduardo Ramos lembra claramente o ditador italiano Benito Mussolini, que parece ter voltado à moda no Brasil, ultimamente. (C.N.)

48 thoughts on “Recado ao general Eduardo Ramos: “Para ser respeitado, Bolsonaro precisa se dar ao respeito”

  1. É impressão minha, ou a Tribuna da Imprensa e outros “jornais” “sério”, “esqueceram” o caso Verdevaldo e hackers de Araraquara, que “desmontaram” a “Lava Jato”?! A última vez comentada foi pelo Sr. Carlos Newton em fevereiro!!! Estranho!

  2. Não foi o digníssimo senhor que voltou atrás em algumas de suas respostas ao depor no caso Moro x Bolsonaro?

    Não foi esse senhor que teve amnésia quando interrogados a respeito do que o Bozo havia falado na reunião do dia 22?

    Tem credibilidade nenhuma. Enquanto não era ministro estava no ostracismo.

    Covarde igual ao seu Jair.

  3. CN, remeti uns e-mails para você , hoje.
    O legado da Força Expedicionária Brasileira , de democracia provado, na campanha da Itália, e, posteriormente, no Brasil, tendo o meu pai participado de
    todos os acontecimentos, este legado não pode ser traído por um crápula como Celso de merda, advogado de Mello, como decano da pocilga stf.
    A maioria de crápulas, que visam os interesses próprios, e não os do Brasil.
    Interesses espúrios, com 222 áulicos para lamber- lhes o saco.
    Estamento execrável.
    Pelo conjunto daquele lupanar, só fechando, temporariamente, para ser reestruturado.

  4. Creio, que quem deseja ser respeitado deve em primeiro lugar se dar ao respeito. Respeitar o decoro, não falar palavrões, ao ser investido no cargo, por delegação popular. O eleito deve respeito ao povo que o elegeu, em primeiro lugar. Na sua vida privada, pode fazer o que quiser, mas, em público não.
    Após a publicação daquele vídeo do fim do mundo, em que o chefe, Guedes, Weintraub, Salles e outros falaram tanto palavrão, parece que na casa dos 27, abriu a porteira para o liberou geral. Na Internet virou febre, os palavrões emanados daquela reunião.
    Ainda bem, que honrando as Forças Armadas do Brasil, os generais Mourão (vice), Ramos (Secretaria Geral) e Braga Neto (Casa Civil), não pronunciaram nenhum palavrão.
    Primeiro, Sr. Ramos, há de se respeitar a Constituição, o livrinho verde, da qual falava o Ministro do Exército nomeado por Tancredo Neves, general Leônidas Pires Gonçalves.
    Portanto, quem desrespeita a autoridade da Constituição é quem declara: ” basta um cabo e um soldado para fechar o STF” ou ” fechar o STF e o Congresso, não é questão de SE, mas, de QUANDO”. Isso é ou não é um desrespeito à Constituição e ao país.
    Quem defende o golpismo, o autoritarismo, não tem amor a pátria, pelo contrário, põe a pátria em perigo.
    Devemos resolver nossos problemas internos, que não são poucos, agravados pela Pandemia do coronavírus, no âmbito da harmonia entre os três poderes e entre os entes da Federação.
    Ou é isso, ou então, poderemos entrar no olho do furacão, a exemplo dos EUA, que há oito dias, o país parado com a população nas ruas exigindo respeito a cidadania, aos negros, que estão sendo massacrados pelos racistas brancos da Ku Klux Klan.
    O momento da nação é o do equilíbrio, para passarmos por essa crise de proporções avassaladoras, que assola o mundo globalizado.
    A divisão dos brasileiros neste momento ou em qualquer outra ocasião, põe em risco o território nacional. Não pensem que os EUA, o TRUMP, a China, o Macron da França e a Ângela Merkel da Alemanha, são nossos amiguinhos, lógico que não, eles servem aos interesses de seus países.
    Não podemos virar a Argélia da França, nem o México dos Estados Unidos. O Brasil é grande e tem que continuar assim, fazendo jus a sua grandeza, forte e altaneiro.
    Não se iludam, se nós bobearmos, por nossa culpa, eles não terão pena, como fizeram com a URSS. Vão dividir a nação em pedaços como uma fatia de pizza. Gorbachev bobeou fazendo a Glasnot e a Perestróica e até hoje é considerado um traidor do seu povo.
    A sorte está lançada.

  5. Guardadas as devidas proporções, a observação do ministro Celso de Mello está perfeita!
    O tal “Aliança pelo Brasil” é o projeto de implantação do nazismo.

  6. O gatinho da montanha, que se diz paraquedista, vá catar coquinho e para de falar asneira. Deve ser um desses sulistas separatista, que acham a semana farroupilha o máximo. Tomaram porrada por dez anos e comemoram essa bosta todo ano, para depois posarem como patriotas.

  7. A RPL-PNBC-DD-ME, a Democracia Direta com Meritocracia, a TERCEIRA VIA DE VERDADE, adverte: o militarismo e o partidarismo, polítiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$, em permanente estado de guerra tribal, primitiva e insana, por poder, dinheiro, vantagens e privilégios, sem limite$, à moda todos os bônus para ele$ e o resto que se dane com os ônus, fazem muito mal à saúde física e mental do país e da população. Nada de novo no front, apenas mais dos me$mo$, militarismo versus partidarismo, politiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$ ( os quinta-colunas e os velhos do restelo), estão sempre dando um jeito de fechar as portas para o advento do Novo de Verdade, que é a Democracia Direta, com Meritocracia, a Terceira Via de Verdade, que, há cerca 20 anos, está pedindo juízo e passagem aos me$mo$, na boa, na moral e no jogo limpo, pacificamente, rumo ao descortino de novos horizontes para o Brasil e o povo brasileiro. Todavia, os quinta-colunas e os velhos do restelo, que representam a velha disputa de poder entre os me$mo$, militarismo versus partidarismo, politiqueiro$, manivelados por seus tentáculos, velhaco$, não param de aprontar das sua$ tradicionais confusões, cortinas de fumaça, truques, manobras diversionistas, fake news, guerra fria e quente, tudo para confundir a imaginação do conjunto da população para manter tudo como dantes no velho quartel de Abranches os quais, há 130 anos, estão fazendo de tudo, o possível e o impossível, para transformar o Brasil numa Brazuela que flerta com uma espécie de Haitibras na contramão da evolução proposta pela RPL-PNBC-DD-ME, o projeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, que pugna pela transformação do Brasil numa Nova Europa como sonharam novos avôs, bisavôs , país e mães que para cá vieram para fazer do Brasil, o Novo Mundo, o gigante colossal da América do Sul e Latina. http://www.tribunadainternet.com.br/charge-do-duke-2079/?fbclid=IwAR0NpTCpBV4ePMfFg5YrmYDqzcf1JMYGIAH7e6gSVL9It8Z9zDRUjyJ904Q

  8. Evidentemente que o conhecimento histórico do LUIZ é deprimente, para dizer o mínimo.
    O mais vergonhoso, é que demonstra total desconhecimento da História do Brasil!
    Bom, o que esperar de um robô, que não seja apenas escrever o que lhe programaram?!

    Portanto, esse meu comentário não é endereçado ao robô LUIZ, mas ao seu criador, um cidadão muito idiota e imbecil, diga-se de passagem.

    A Revolução Farroupilha não teve como causa a separação do RS do Brasil, e inicio pela estupidez postada.
    Na verdade, a razão foi o Império alijar os gaúchos de obterem a sua sustentabilidade, importando o charque (carne seca) da Argentina e Uruguai, e impedindo a comercialização do principal produto sulista, em face de não ser competitivo comercialmente pelos impostos que lhe eram cobrados, diferentemente da mesma mercadoria advinda dos países vizinhos ao RS.

    Portanto, A Guerra dos Farrapos aconteceu, principalmente, por causa da insatisfação dos estancieiros gaúchos com a política fiscal do governo brasileiro.
    No século XIX, a província do Rio Grande do Sul tinha como principal produto o charque (carne-seca), que era vendido como principal alimentação dos escravos no Sudeste e Nordeste do Brasil.
    A grande insatisfação da gauchada estava relacionada com a cobrança de impostos realizada pelo governo sobre a produção de charque da região. O charque gaúcho recebia uma pesada taxa de cobrança, enquanto o que era produzido pelos uruguaios e argentinos tinha uma taxação diminuta.

    No entanto, outras razões ajudam a entender o início dessa revolta:
    • Insatisfação com a taxação sobre o gado na fronteira Brasil–Uruguai;
    Insatisfação com a criação da Guarda Nacional;
    Insatisfação com a negativa do governo em assumir os prejuízos causados por uma praga de carrapatos que atacou o gado na região em 1834;
    Insatisfação com a centralização do governo e a falta de autonomia da província;
    Circulação dos ideais federalistas e republicanos na região.

    A soma desses fatores levou os gaúchos a rebelarem-se contra o governo central em 20 de setembro de 1835. Em um primeiro momento, a revolta não tinha caráter de separatismo, mas, à medida que a situação avançou, a saída separatista ganhou força.

    Foi a mais duradoura revolução que tivemos, quase dez anos de combates acirrados, ONDE NÃO HOUVE VENCEDORES!

    Estima-se que tenham sido vitimados entre 15 a 20 mil homens de ambos os lados.

    Evidentemente que o conhecimento histórico do LUIZ é deprimente, para dizer o mínimo.

    O mais vergonhoso, é que demonstra total desconhecimento da História do Brasil (o que esperar de um robô, que não seja apenas escrever o que lhe programaram)?!

    Portanto, esse meu comentário não é endereçado ao robô LUIZ, mas ao seu criador, um cidadão muito idiota e imbecil, diga-se de passagem.

    A Revolução Farroupilha não teve como causa a separação do RS do Brasil, e inicio pela estupidez postada.
    Na verdade, a razão foi o Império alijar os gaúchos de obterem a sua sustentabilidade, importando o charque (carne seca) da Argentina e Uruguai, e impedindo a comercialização do principal produto sulista, em face de não ser competitivo comercialmente pelos impostos que lhe eram cobrados, diferentemente da mesma mercadoria advinda dos países vizinhos ao RS.

    Portanto, A Guerra dos Farrapos aconteceu, principalmente, por causa da insatisfação dos estancieiros gaúchos com a política fiscal do governo brasileiro.

    No século XIX, a província do Rio Grande do Sul tinha como principal produto o charque (carne-seca), que era vendido como principal alimentação dos escravos no Sudeste e Nordeste do Brasil.
    A grande insatisfação da gauchada estava relacionada com a cobrança de impostos realizada pelo governo sobre a produção de charque da região. O charque gaúcho recebia uma pesada taxa de cobrança, enquanto o que era produzido pelos uruguaios e argentinos tinha uma taxação diminuta.

    No entanto, outras razões ajudam a entender o início dessa revolta:
    Insatisfação com a taxação sobre o gado na fronteira Brasil–Uruguai;
    Insatisfação com a criação da Guarda Nacional;
    Insatisfação com a negativa do governo em assumir os prejuízos causados por uma praga de carrapatos que atacou o gado na região em 1834;
    Insatisfação com a centralização do governo e a falta de autonomia da província;
    Circulação dos ideais federalistas e republicanos na região.

    A soma desses fatores levou os gaúchos a rebelarem-se contra o governo central em 20 de setembro de 1835. Em um primeiro momento, a revolta não tinha caráter de separatismo, mas, à medida que a situação avançou, a saída separatista ganhou força.

    Foi a mais duradoura revolução que tivemos, quase dez anos de combates acirrados, ONDE NÃO HOUVE VENCEDORES!

    Estima-se que tenham sido vitimados entre 15 a 20 mil homens de ambos os lados.

    A Revolução Farroupilha terminou em um estado de impasse, de modo que o Governo Federal não foi capaz de conseguir uma vitória militar explícita e os farroupilhas não conseguiram impor as suas exigências, de modo que negociaram a sua rendição, com algumas condições, com o Governo.

    A revolução teve sérias consequências à Corte Imperial:
    As principais foram as milhares de mortes, o enfraquecimento da autoridade do Império, o endividamento do país, o atraso no desenvolvimento local e o aumento das diferenças e disputas políticas entre as elites daquele região e as do governo central.

    A Paz do Ponche Verde foi assinada pelo Presidente da República Rio-grandense Gomes Jardim e pelo Duque de Caxias em 28 de fevereiro de 1845. … Era o fim dessa ímpia e injusta guerra, que perdurou por dez anos, de 1835 a 1845.

    • Separatismo e separatistas são vocábulos pejorativos usados para menosprezar a boa causa da emancipação, da autonomia e da descentralização, protagonizadas por emancipacionistas, autonomistas e descentralizadores. O casamento federativo é igual casamento entre homem e mulher, ou parecido, tem que ser bom para ambas as partes, mas quando se torna inviável, insuportável, o divórcio é a saída. Ninguém pode ser obrigado a ser infeliz face a um casamento errado a vida inteira .

      • Almir,

        Muito bem colocado!

        Não fosse a vontade de líderes autênticos mundo afora, ao empenharem-se para livrar seus países da condição de colônias ou de permanecerem como cidadãos colonizados, ainda seríamos comandados por ingleses, espanhóis, portugueses, holandeses e franceses.

        Até 1.970, quando a Região Sul brasileira era composta por quatro estados, RS, SC, PR e SP, após esse ano SP passou a fazer parte da Região Sudeste, esses quatro Estados teriam se tornado um país muito superior aos mais ricos e desenvolvidos do planeta!

        Claro, iríamos repetir a Guerra da Secessão, nos Estados Unidos, que deixou mais de 600 mil mortos.
        Mas aonde o erro dos separatistas, que não suportavam mais sustentar os poderes constitucionais com seus salários milionários e privilégios imorais e antiéticos??!!

        Abraço.
        Te cuida.

        • Com relação ao meu comentário acima, deixo a seguinte sugestão:

          Como é classificado de antidemocrático pedir pelo fechamento do congresso e STF, como querem alguns, quem sabe o Brasil não elabora um movimento de se separar de … Brasília??!!

        • Nos EUA os confederados estavam no caminho certo, em termos de organização, tivessem constituído a confederação no lugar da federação, seriam hoje a Nova Europa, imbatível. Mas como não fizeram a lição de casa corretamente, já estão pagando pelo erro passado, e vão continuar pagando mais caro ainda. É ai que reside o Pulo de Leão do Brasil, fazer agora, antes tarde do que nunca, o que os EUA não tiveram discernimento de fazer lá atrás. Melhor pra nós, que seremos a Nova Europa no lugar eles. É uma questão de organização e método.

  9. Outro dado histórico ao robô LUIZ.

    A revolução que consta em nossa história como exclusivamente separatista, e não de cunho social e político como as demais, foi a Confederação do Equador!

    Esse episódio ocorreu em 1824.
    A revolta teve seu início na província de Pernambuco, porém, espalhou-se rapidamente por outras províncias da região (Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba).

    Em Pernambuco, centro da revolta, o movimento teve participação das camadas urbanas, elites regionais e intelectuais. A grande participação popular foi um dos principais diferenciais deste movimento.

    Se o robô quiser saber mais, basta pesquisar.
    Agora, seria sempre de bom alvitre, que antes de postar impropérios históricos, se informasse antes, a minha sugestão.

      • Prezado Luiz Felipe,

        A meu ver, temos uma obrigação ao nos considerar comentaristas da TI:
        obedecer as verdades históricas.

        Podemos opinar, dar palpites furados, pitacos … mas a História não pode ser desmentida ou adulterada impunemente.

        Abraço.
        Te cuida!

          • Obrigado, Zenóbio Souza, obrigado.

            Não custa ficarmos atentos aos comentários postados quando enveredam para resgates históricos ou comparações.

            Evitar a transcrição de dados falsos ou propositadamente adulterados, creio ser a nossa obrigação como cidadãos, inclusive.

            Abração.
            Te cuida!

    • Caro F.Moreno,

      De certa forma, aproveitei para contestar a afirmação do LUIZ, demonstrando aos robôs que meus comentários não são apenas “xingamentos” ou uso descabido de palavrões, conforme me rotularam.

      Abração.
      Te cuida, meu!

  10. O Estado como bem o concebeu, o celebre Montesquieu, na sua obra clássica” O Espírito das Leis” , é uno e trino. Por que há essa Trindade na obra? Porque os Poderes : Executivo, Legislativo e Judiciário são interdependentes e devem ser harmônicos. Um não tem ascendência sobre o outro. Há de haver uma Unidade, cada um exercendo suas funções estatais inscritas na Constituição de 1988.
    Ora, se um dos poderes incentiva o fechamento do outro, rompe o equilíbrio estatal e o resultado é o enfraquecimento do Estado. Estado fraco, sinaliza o rompimento do tecido social, abrindo espaço para revoltas e separatismo.
    É o que vemos agora nas ruas, com passeatas contra a Democracia e passeatas a favor da Democracia.
    Algumas autoridades do Executivo fazem a leitura pesada contra os camisas pretas e comparecem às passeatas dos camisas verdes. Para estes alegam que faixas contra o fechamento do Supremo e do Congresso, a favor do A I 5 , tochas acesas em frente ao STF são pura figura de retórica, mas, quanto só outro lado, chamam de baderneiros e a Polícia Estadual os reprimem com violência e bombas de gás lacrimogêneo.
    Ou vêm os fatos com lentes retorcidas, ou são lenientes com os camisas verdes amantes do golpismo e do governo de um só.
    Não há saída para o país, fora do arcabouço Constitucional, do Estado Nacional sob a egide da repartição dos Poderes, harmônicos e independentes.
    Se alguns desejam o contrário, então, estão flertando contra o regime democrático de Direito, que em si, trata-se de uma volta a barbárie, as injustiças e ao sofrimento do povo, dividido entre o nós e eles. Isso e inadimissivel, pois o país é de todos os brasileiros, e não de uma única classe social.

  11. Caro Roberto Nascimento,

    A tua democracia é idealizada, pois a nossa democracia real, verdadeira, do nosso cotidiano é relativista, contemplando interesses e conveniências apenas das classes dominantes.

    Observa:
    O povo só obedece e outorga poderes, mais nada.
    As passeatas aos fins de semanas, onde mais uma vez a situação entra em batalha contra a oposição, superam os protestos políticos e ideológicos, pois adentram nos aspectos da flagrante injustiça social que vivemos há décadas, e cada vez mais acentuada.

    Não creio, portanto, que no lugar de se pedir pelo fechamento de dois dos nossos poderes – particularmente sou contra, mas favorável às reformas necessárias e impostergáveis no Legislativo e Judiciário -, se pleiteássemos a separação de Brasília não encontraríamos mais adeptos?!

    Se os Estados estão sendo maltratados, desconsiderados, ignorados e abandonados, custo a aceitar que continuemos sob o tacão de uma carga tributária que nos ROUBA mais da metade de um ano de nossos ganhos, para o pagamento de impostos!

    Fortunas incalculáveis são sacadas automaticamente pelo poder central, que distribui as arrecadações conforme a necessidade de ter aliados políticos!

    Lutar por esta “democracia” é um tanto quanto insensato;
    Querer que nada mude em nome de um regime que, na verdade, oprime, esmaga, segrega e discrimina o povo, pois necessitamos de “democracia no país” mesmo que seja apenas frequentando as urnas a cada dois anos, colaboramos para essa farsa e, mais ainda, aumentamos as diferenças sociais!

    Evidente que as etapas funcionando de acordo, a democracia é um bom regime.
    No entanto, um sistema como esse nosso, me diz aonde estaria a diferença para a ditadura de 64?
    Vou até mais longe, é PIOR!

    O Brasil é violento;
    A educação/ensino deixam a desejar, chegam a ser deprimentes;
    Saúde pública, que não atende a demanda (e não falo da pandemia);
    Somos governados por duas castas de maneira implacável (Judiciário e Legislativo);
    Pobreza, miséria, a cada ano as estatísticas demonstram que estão maiores;
    Desemprego e analfabetismo, que têm sido os problemas maiores da impossibilidade de desenvolvimento, em patamares catastróficos;
    Somos governados por corruptos e incompetentes;
    A liberdade pode ser contestada atualmente no país;
    A impunidade abunda no Brasil!

    Pergunto prá ti, meu amigo Roberto Nascimento, um dos pilares da TI:
    Queremos mesmo “derrubar a democracia” ou ela definitivamente é um devaneio para o povo e, o mais grave e indiscutível, eliminando o povo?!

    Essa, a brasileira, convenhamos, é um arremedo de democracia, uma colcha de retalhos, onde o remendo maior está nas eleições, o resto é composto como a cara de nossos governantes e pérfidas instituições!

    Enfim, se quiseres me responder, muito te agradeço:
    O Brasil é democrático ou vivemos um faz de conta político econômico e social?!

    Abração, meu caro.
    Te cuida!

    • Meu caro amigo. É um prazer responder a sua pergunta.
      A maioria do povo, não quer a ruptura da Democracia. Apenas, uns poucos fanáticos, que se aglomerem aos domingos, com faixas clamando pelo golpe nas Instituições e pedindo fechamento do STF e Congresso, os dois poderes da República.
      A minoria não pode prevalecer aos anseios da maioria.
      Vivemos um período de regime militar, durante 21 anos, que não conseguiu reduzir as desigualdades nacionais. A inflação galopante levou milhões a miséria. Os militares então, iniciaram o processo de distensão, lenta, gradual e segura, ainda no governo do general Geisel. O general João Figueiredo devolveu o país, a normalidade democrática.
      Acabou enfim, os senadores biônicos, os governadores indicados por generais e o fim da censura a imprensa e aos cidadãos. O general João foi muito combatido pela linha dura, mas, cumpriu seu papel de estadista.
      A Democracia, Bendl, como bem gosta de dizer, o nosso decano do jornalismo, Hélio Fernandes, é o pior Regime, excetuando todos os outros. Ou seja, gira do regime Democrático de Direito, não tem salvação.
      Temos problemas, sim e muitos, porém, a cada eleição, o povo tem a oportunidade de mudar, ele é soberano, pois tem o poder de mudar pelo voto secreto.
      Já tivemos melhorias a olhos vistos, os quais, não percebemos, por exemplo, hoje acabaram-se os coronéis, o voto de cabresto. A Internet, o Google, o YouTube, etc.. democratizaram as informações e as oligarquias foram dando lugar a novos atores.
      Nesta eleição de 2018, as fakenews elegeram uma maioria conservadora, chamada de bancada da bala, da Bíblia e do boi.
      Como entraram, o povo terá a oportunidade de tirar, como os coronéis são parte da historia.
      O processo democrático, no qual o povo elege representantes, é um constante aprendizado da cidadania. Errou hoje, terão quatro anos para corrigir o erro. Na Ditadura, Civil ou Militar, o governante de plantão erra ou acerta por nós.
      Quem gosta de canga, de ser lombo para cavaleiro montar, de não ser ator da sua própria história, então deve preferir um tirano de farda ou sem farda, decidir a seu gel prazer, o que é certo ou errado.
      Espero ter respondido a sua pergunta.

  12. Poderemos ir longe nesse debate sobre democracia, mas iríamos monopolizar a TI.

    Enfatizo que não discordo de ti quanto ao significado de democracia, e a importância desse regime para um povo e país de acordo a fazerem as mudanças ou alternativas de nomes quando necessário.

    Pacífico.

    A minha proposta de discussão é questionarmos a democracia conforme está a situação do povo, e não através de uma visão adequada e indiscutível sobre a liberdade individual, e de cada um de nós viver mediante o que obteve para si mesmo, conceito pessoal de democracia.

    Não, meu amigo.

    Refiro-me à democracia nacional, ampla, onde não constato, mesmo resgatando a nossa história nos últimos 35 anos, que tenha melhorado o país e dado atenção à pobreza, à miséria, ao desemprego e analfabetismo.

    A meu ver, se os fatores que citei ficam fora do conceito de democracia, ou seja, existem eleições, podemos mudar os componentes do legislativo, porém, nossas falhas gritantes, problemas permanentes, crises periódicas, continuam sem a menor chance de amenizá-las, pelo contrário, entendo como inócuo o debate sobre … democracia.

    Penso que restringimos em demasia a democracia no Brasil:
    ficou restrita às eleições, e mais nada!
    Legislativo se concede o que quer;
    Judiciário faz o mesmo;
    Executivo se preocupa somente com a política e ter aliados consigo.

    E, o povão?
    Salário mínimo aviltante;
    sai de casa para trabalhar, mas não sabe se voltará;
    se doente, tem consciência que poderá morrer às portas de um hospital;
    os filhos irão para uma escola pública retrógrada, sem qualidade, prédios caindo aos pedaços, professores pessimamente remunerados …
    inexistem planos de saneamento básico;
    projetos de desenvolvimento são devaneios …

    Isso é democracia, Nascimento?

    Observa:
    esse regime para mim não aborda somente o aspecto filosófico de liberdade e poder de escolha, até porque definidos:
    se a pessoa tem dinheiro, sequer presa irá pelos crimes cometidos;
    a escolha eleitoral está restrita aos candidatos que seus partidos nos oferecem;
    somos obrigados a votar!

    Che, se desde o início a nossa democracia é discutível, questionada, é colocada em dúvidas, consequentemente no seu resultado final será aquela colcha de retalhos que te falei que, ou tapa os pés ou tapa o peito, menos cobrir a pessoa por inteira.

    E, se esta democracia passa muito longe daquela que seria razoável, onde o povo participasse efetivamente do governo, e não apenas obedecesse e outorgasse poderes, eu sequer estaria mantendo contigo esse diálogo, pois terias razão plena e absoluta sobre as tuas colocações.

    No entanto, abordamos um regime capenga, com erros no seu conteúdo, péssimas interpretações filosóficas, de mal entendidos quanto aos direitos civis, falhas clamorosas em excluir o povo das decisões mais importantes do governo para … conosco!

    Dessa forma, a minha pergunta ainda está em pé, meu amigo:
    Vivemos uma democracia ou somos iludidos ou enganados quanto a esse regime?!

    Outro abraço.
    Ah, e muito obrigado pela resposta, acima.
    Alegro-me e me sinto honrado com a tua deferência para comigo.
    Te cuida, meu!

    • Bendl. O fim das desigualdades sociais, da miséria, dos baixos salários, só tem dois caminhos.

      1 – investimentos em Educação e Tecnologia, para os cidadãos de baixa renda e para as famílias que não podem custear boas escolas, como os filhos da elite,

      2 – Transferência de recursos do Estado para Saneamento Básico, Habitação dignos do povo brasileiro, com prestações subsidiadas.
      3- Acao efetiva do Estado na Economia para geração de emprego e renda, como o realizado por Getulio Vargas e no governo Geisel.
      OBS: Os neoliberais e o sistema empresarial serão contra. Tudo que é feito para melhorar as condições do povo, é tachado de socialismo ou de ajuda para vagabundo.
      Para melhorarmos como nação será preciso, melhorar a cabeça da elite, mais humanidade, mais solidariedade, menos egoísmo. Vai demorar para conseguirmos este estágio, mas, um dia chegaremos lá.
      Sem essas condições, nem na Democracia, nem na Oligarquia, nem na Tirania, no regime Monárquico, nada vai mudar.

  13. Sr Bendl, me desculpe, vocês apanharam 10 anos, comemoram o que? O orgulho sulista? Quer dizer que levantar armas contra os irmãos brasileiros se justifica, porque uma classe privilegiada da época começou a perder poder. Esses sulistas é que iniciaram o movimento separatista do sul do país , que persiste até hoje em alguns grupos. Felizmente aos poucos isso está perdendo força no sul. Obrigado pela sua excelente aula de história.

    • Luiz,

      Obrigado pelo teu retorno, agora em forma de gente.

      Mas, enquanto tu tiveres preponderando o que “tu achas” que foi a Revolução Farroupilha, onde “apanhamos” por dez anos, desconsiderando a História;

      enquanto interpretas que foram os sulistas que se indispuseram contra seus “irmãos brasileiros”;

      enquanto não entendes que se deu o contrário, que o Império para se manter aliado do Uruguai e Argentina, comprava desses dois países o produto que era vital para a economia gaúcha;

      se continuas levando em conta que existe um “movimento separatista” perdendo força no sul(sic);

      se te negas a aceitar que a única revolução nitidamente separatista e com esse objetivo único, de se separar do Brasil, a Confederação do Equador;

      se desconsideras o movimento gaúcho, que foi um marco na reação de um povo quando maltratado, violentado, desprezado pelo Império, mesmo tendo um contingente de combatentes infinitamente inferior ao do Imperador, que, apenas logrou algumas vitórias em combates onde a Marinha se fez presente, pois em terra PERDEU TODOS

      A minha “aula de história”, que me agradeces, de nada adiantou!

      Errei na didática ou na exposição ou não fui convincente ou, então, serves de exemplo do quanto a teimosia incide sobre uma pessoa quando se deixa dominar pela ideologia!

      Nesse caso, LUIZ, meus esforços e nada foram a mesma coisa.
      Mas, em contrapartida, posso estabelecer um diálogo com alguém que sabe ou desconhece aquela que foi a mais longa e uma das mais importantes revoluções da nossa História, enquanto outros tiveram essa chance, porém lhes viraram as costas!

      Te cuida, Luiz.
      Saúde e paz,

  14. Como dou por seguro que o General deve ler esta matéria e comentários, espero que tire da leitura dos comentários de cidadãos esclarecidos e comprometidos com o bem comum, que aqui se manifestaram, reflexões e propostas para uma atitude positiva e democrática.

  15. Caríssimo Roberto Nascimento,

    Lamento que eu tenha esquecido o parágrafo final da minha réplica sobre democracia.
    Mas, ei-la:

    Um país que serve café, almoço, dois lanches e jantar para os presos;
    serve vinho importado e lagostas para os ministros do STF;

    todavia, serve apenas uma bolacha com “Ki-suco” para uma criança na escola, não pode ser levado a sério ou, definitivamente, não é uma democracia!

    Outro abraço.

  16. Pó s e Bendl, também nãoconcordo com esses exemplos de privilégios inaceitáveis para a cúpula do Judiciário, do Executivo e Legislativo.
    Em relação aos presos, pelo que tenho conhecimento das prisões cariocas, não é lá essa Brastemp, pelo contrário. E muito ruim.
    Acho, que não devemos perder o sonho, a utopia de alcançar um mundo mais justo, com oportunidades iguais para todos.
    Temos que erguer um tijolo a cada dia.
    Nessa PANDEMIA, quem tem ajudado mais os necessitados, os que estão sem emprego e renda éa classe média. Chega a ser emocionante a coleta de cestas básicas, da compra de remédios para crianças e idosos. Se fossem esperar pelo governo morreriam de fome.
    É nisso que acredito, na força da união, da solidariedade humana.
    Alguns coisa de bom surgirá disso tudo, das ruínas desse capitalismo selvagem, abjeto, seletivo, que está gerando estas pestes e não é de hoje com esse devastador coronavirus. A luz do sol, um dia será para todos.
    Bia noite

  17. Prezado CN … Me desculpe a reprimenda…em consideração a sua idade …Mas comparar a pessoa deste General com Mussolini já beira um desrespeito infantil e desnecessário ao tema elencado . Sejas respeitoso CN… sua idade e exp. em jornalismo não combina com comparações absurdas e desrespeitosas com quem quer que seja.

    E com relação ao que disse o ” Ministro Celso”…
    Devia primar pela elegância e decencia do cargo…tendo dominio próprio e refreio na lingua…não lhe faria mal. Comparar nosso Brasil com outra nação …nada a ver …infelizes palavras de quem com a idade devia demostrar respeito ao seu País.

    YAH SEJA LOUVADO ..

  18. Nao se discute com Marxistas.

    São amaldiçoados pela própria intolerância.

    Em nenhum lugar em que Marxistas estejam, haverá debate.

    Pois a única forma da mentira imperar é destruindo a verdade.

    Morte ao comunismo.

    Liberdade e propriedade, uma não existe sem a outra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *