Se Bolsonaro recuar no caso do preço diesel, sofrerá um terrível desgaste político

Resultado de imagem para preço do diesel charges

Foto reproduzida do Arquivo Google

Pedro do Coutto

O assunto é delicadíssimo. Não há dúvida de que, se o Presidente Jair Bolsonaro recuar de sua decisão que suspendeu o aumento de preço do óleo diesel, sofrerá sem dúvida um terrível desgaste político, sobretudo porque o ministro Paulo Guedes, que se encontrava em Washington afirmou aos jornalistas que era possível consertar a decisão do Presidente da República, uma vez que ele já disse publicamente na campanha eleitoral que não entendia de Economia.

Acentuando a imagem contida ao se referir a “consertar a decisão”, implicitamente Paulo Guedes sustentou que a medida presidencial afetou um dos pilares do liberalismo econômico.

ACIMA DE BOLSONARO – Só se conserta o que está errado. Portanto, o titular da Economia colocou-se acima do Palácio do Planalto. Fica claro, o clima de tensão dentro do próprio governo, sobretudo porque Bolsonaro deve ter se baseado em opiniões de assessores que lhe são próximos.

O Globo, a Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, nas edições de ontem, deram grande destaque ao fato que gerou praticamente uma crise que deverá ser solucionada a partir de hoje. Em O Estado de São Paulo, a matéria é assinada por Beatriz Bulla e Ricardo Leopoldo; na Folha de São Paulo, por Marina Dias; e em O Globo por Paola de Orte, Sérgio Lamucci, Marcello Corrêa e Bruno Góes.

CONSERTAR O ERRO – Um dos aspectos destacados por Paulo Guedes é quando ele diz que uma conversa conserta tudo. E, no caso, seria o conserto manter o aumento do óleo Diesel? Se isso acontecer ficará ainda mais nítido o distanciamento de Bolsonaro em relação ao processo econômico global. Mas o que surpreende principalmente está na forma com que Guedes se referiu ao presidente da República que, afinal de contas, foi quem o nomeou para o cargo de ministro da Economia.

Um outro detalhe que vale a pena lembrar está no fato de a iniciativa visando a apagar a chama derramada pelo diesel ter sido levantada por Paulo Guedes e não pelo ministro de Minas e Energia, a quem a Petrobrás encontra-se subordinada. Mas esta é uma outra questão.

QUEDA DAS AÇÕES – O que a imprensa destaca em tudo isso é a queda do valor das ações da Petrobrás na Bolsa de Valores. Uma queda de 8,5% reduzindo em 32 bilhões de reais o valor da estatal no mercado. Hoje, segunda-feira, se for confirmado o recuo do Presidente da República as ações subirão de preço.

A polêmica se torna um ótimo negócio para os bancos e profissionais da área vinculada ao universo financeiro. Mas um péssimo negócio para o Brasil, que não pode aumentar o preço do diesel.

6 thoughts on “Se Bolsonaro recuar no caso do preço diesel, sofrerá um terrível desgaste político

  1. PARA OS QUE AINDA ACREDITAM EM MILAGRES. Ao que parece, não existe a palavra rendição no dicionário do sistema político apodrecido, forjado e imposto pelo golpismo ditatorial, pelo partidarismo eleitoral e por seus tentáculos, velhaco$, porque sempre tem 171 a mais na manga do paletó dos me$mo$, à paisana ou fardado, no qual a população sempre acaba entrando de gaiata, pela direita, pela esquerda, ou pelo centro. E com as forças armadas tb capturadas por elle$, a serviço delle$, na condição de braço armado delle$, afeiçoam-se impossíveis as mudanças de verdade: sérias, estruturais e profundas que o país e o conjunto da população tanto necessitam há trocentos anos. Enfim, para os que ainda acreditam em milagres, se precisarem de MiM para peitá-los, digo, para bater de frente contra tudo isso que ai está há 129 anos, exaurido, vocês têm o meu nome, o meu endereço e sabem onde me encontrar. RPL-PNBC-DD-ME, Saudações. https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/04/15/pais-aprova-lava-jato-mas-ve-pus-no-fim-do-tunel/?fbclid=IwAR0WtH2GiApUD5VWIcSUdPXyPPIp09lntZoJawsVc

  2. ALTERNATIVA DE PREVIDÊNCIA – Contrário à Reforma da Previdência proposta pelo Governo, o PDT apresenta um novo modelo assentado em três pilares: 1. O primeiro de natureza social e de acesso incondicional, com despesa despendida pelo Tesouro Nacional, com o valor de um salário mínimo, em direção ao Programa de Renda Mínima de Cidadania que atingiu o parâmetro de idade mínima, discutida por região, gênero e especificidades profissionais; 2. O segundo pilar é o de repartição, submetido a um teto negociado de R$ 4.000,00 a R$ 5.000,00, garantido pelo Governo; 3. Em terceiro, um sistema novo de capitalização público, do qual a contribuição patronal faz parte e cuja gestão será pelos coletivos de trabalhadores e o dinheiro regrado, vinculado o investimento produtivo com uma transição de 10 anos obrigando a risco mínimo. http://www.vermelho.org.br/noticia/319775-1

    AVALIAÇÃO TRIMESTRAL – O presidente nacional do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Carlos Lupi, afirmou na tarde desta sexta-feira (12), em visita a Manaus, que a legenda tem estudado fielmente cada passo dado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), com o intuito de emplacar uma bancada de oposição propositiva que almeja sempre apresentar uma solução no Congresso Nacional. “Na última quinta-feira, apresentamos nossa opinião sobre os 100 dias de atuação do governo Bolsonaro. Da mesma forma, a cada três meses iremos apresentar uma nova análise, acoplando os números, dizendo como faríamos em cada ocasião”, pontuou Lupi. https://www.acritica.com/channels/manaus/news/em-manaus-presidente-do-pdt-chama-bolsonaro-de-falastrao-e-indica-hissa-para-prefeito

    GOVERNO DOS RICOS – Ao encaminhar o projeto de Reforma da Previdência ao Congresso, o deputado estadual José Queiroz (PDT-PE), diz que o presidente Bolsonaro gerou a infelicidade da classe pobre e traz alegria aos ricos. Atentando inclusive contra os bons princípios dentro e fora do país, em seu ponto de vista, com declarações absurdas em suas viagens internacionais como, em Israel, onde disse que o nazismo é de esquerda, com repercussão inclusive na Alemanha. A título de relações internacionais, sem analisar as consequências na mídia, o seu anuncio da transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém é preocupante. https://jornaldecaruaru.com.br/2019/04/bolsonaro-tem-o-pior-indice-de-aprovacao-de-um-presidente-recem-eleito-desde-fernando-collor-diz-ze-queiroz/

  3. Vamos lá. Ela é uma empresa estatal? É uma estatal, portanto, ela não pode se comportar como uma empresa privada. Quem paga seus salários e decide quem a comanda é a União e não ela mesma. O mesmo para todos seus gastos. Se privatizarem, o controle sobre seus preços seria ainda mais acirrado. Como já não é mais surpresa a ninguém, até descobrir uma forma, talvez a única conhecida até hoje de parar verdadeiramente o país, apesar de Temer não ter sido cria direta do PT, descobriu-se que era só atiçar os caminhoneiros e pronto, considerando que Temer saiu da mesma campanha de Dilma. Evidentemente que contra-medidas já foram ou devem estar sendo implementadas para amenizar o poder dos caminhoneiros, mas é sempre uma briga que não se compra. Os combustíveis no Brasil são caríssimos e um dos maiores entraves a seu desenvolvimento, aliado a sua burocracia, associada a certidões, taxas, mais outra infinidade de cobranças. O sistema foi feito, não para ajudar a desenvolver o país, mas para ajudar a alimentar mordomias e corrupção. Encarecer facilidades.

  4. Senhores; por favor vejam se conseguem responder a quem interessa levar todas as obras naval/offshore para o exterior, deixando milhares de soldadores, montadores, encanadores, marceneiros, técnicos em ensaios não destrutivos e muito mais, como motoristas de aplicativos ou vendedores de “quentinhas” entre outras ocupações de sobrevivência.
    A Construção Naval/Offshore, enriquece tecnologicamente e mantém esta tecnologia na sociedade em que se encontra fora o giro comercial/financeiro que propicia.
    O FMM (Fundo da Marinha Mercante) tem pelo menos eletronicamente muito, mas muito $ que deveria ser usado para financiamento e nada.
    O que mais me perturba é que a decisão de mandar os empreendimentos para fora, foram no governo do PT (da presidenta), continuaram no período do vampiro e até agora nada se fala em produzir equipamento para área do pré sal aqui no Brasil. Senhores; estou com 70(setenta) anos não falo isto por meus interesses, mas sim, pelo empobrecimento tecnológico em que insistentemente deixamos nosso país.
    Tive várias oportunidades de ingressar no serviço público inclusive a Petrobrás(por concurso), mas, o Amor pela construção naval sempre falou mais alto e sinceramente não me arrependo pois é magnifico construir navios.

  5. Considero dois pontos.
    O presidente da Petrobras viu uma guimba de cigarro acesa no chão e jogou um litro de gasolina para apagar a guimba, uma fagulha gerou um incêndio. Era hora de anunciar o aumento do diesel?
    O outro ponto é a desfaçatez dos discursos, se o barril flutua de preço no mercado internacional, flutua pra cima e para baixo, quando flutua para baixo o preço não acompanha até o consumidor final. Será que o presidente da petroleira acha que todo mundo é besta e só ele é sabido?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *