Secretário de Comunicação colocou irmão de seu adjunto para administrar a empresa

Resultado de imagem para Fabio Liberman

Wajngarten conseguiu convencer Bolsonaro de que é tudo legal

Julia Lindner e Daniel Weterman
Estadão

O chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), Fabio Wajngarten, colocou o irmão do seu adjunto, Samy Liberman, como administrador de sua empresa, a FW Comunicação e Marketing, uma firma que tem como cliente emissoras de TV e agências de publicidade que recebem recursos do governo. Fabio Liberman entrou nas empresas apenas em abril, quando Wajngarten se afastou para assumir a Secom. Seu irmão atua na área responsável pela liberação da verba de publicidade do governo.

Foi Wajngarten quem levou Samy para a Secom. Ele trocou Miami por Brasília para atuar como número dois da comunicação do governo. No Palácio do Planalto é visto como o “braço esquerdo e direito” de Wajngarten.

MUITOS NEGÓCIOS – Escolhido para ser o administrador da empresa, a FW Comunicação Ltda, o irmão Fabio Liberman aparece nos cadastros da Receita Federal como dono ou sócio de mais de uma dezena de outros negócios.  Essas empresas atuam em setores variados, que vão do ramo das clínicas de reprodução humana ao negócio imobiliário. Liberman conta com mais de 11 sócios em seus negócios declarados à Receita. Um deles, o do ramo imobiliário, tem capital social declarado de R$2.269.906,00.

O jornal Folha de S.Paulo informou nesta quarta-feira que a FW tem contratos com ao menos cinco empresas que recebem recursos direcionados pela Secom, entre elas Band e Record. Em nota, Wajngarten informou que são todos “anteriores ao seu ingresso na Secom”, o da Band tem 16 anos, e “não sofreram qualquer reajuste ou ampliação”.

A reportagem não informa se o secretário conseguiu algum contrato ou reajuste depois de assumir o cargo, tampouco se usou sua posição no governo para beneficiar a empresa privada.

CONFIRMAÇÃO – A Band confirmou para a Folha que se relaciona com a empresa desde 2004. Segundo o jornal, em 2019, a emissora pagou R$ 9.046 por mês (R$ 109 mil no ano) à empresa. Disse também ter pago a ela R$ 10.089 mensais em 2017 e R$ 8.689 mensais em 2018.

Wajngarten e sua mãe, Clara, são sócios da FW há 17 anos. Documentos da Junta Comercial de São Paulo informam que ele deixou a função de administrador no dia 15 de abril, três dias depois de a sua nomeação ser publicada no Diário Oficial da União.

O chefe da Secom  não teria comunicado à Comissão de Ética Pública sobre os negócios da FW Comunicação e Marketing. O colegiado deve discutir em reunião no próximo dia 28 se há elementos para abrir um processo por conflito de interesses.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O Planalto e a Secretaria de Comunicação defendem a tese de que Wajngarten não cometeu nenhum ato ilegal, porque os contratos são antigos. Questionado sobre a falta de comunicação sobre os negócios da empresa à Comissão de Ética Pública, Wajngarten não se manifestou.  Bem, a situação pode não ser ilegal, mas com toda certeza é imoral, no mínimo. (C.N)

7 thoughts on “Secretário de Comunicação colocou irmão de seu adjunto para administrar a empresa

  1. E as negociatas, secretários corruptos, parentes tais como : “O chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), Fabio Wajngarten, colocou o irmão do seu adjunto, Samy Liberman, como administrador de sua empresa, a FW Comunicação e Marketing, uma firma que tem como cliente emissoras de TV e agências de publicidade que recebem recursos do governo. Fabio Liberman entrou nas empresas apenas em abril, quando Wajngarten se afastou para assumir a Secom. Seu irmão atua na área responsável pela liberação da verba de publicidade do governo”, não param !

    Saem Lula e Dilma, com suas negociatas contra o erário público e entra Jair Bolsonaro para fazer a mesma coisa de que fizeram Lula e Dilma, seguidos por Temer,

    E a roubalheira partindo da Presidência da República não pára !

  2. CN explique onde está a imoralidade. Escuto muito de jornalistas falando sobre nepotismo, entretanto, o que tem de jornalista com filhos e parentes nas mais diversas redações do pais não está no gibi. Para isso vcs jornalista não dizem que é imoral, afinal, todos os parentes dessa gente, são inteligentes e capazes, entrando nas redações pelas suas competências. Ninguém em tempo algum foi apadrinhado. São todos discípulos de Dias Tofolli.

  3. KKK sai governo entra governo e as patifarias se repetem, iguaizinhas como antes. E este boçal se elegeu prometendo mudar tudo, acabar com as más práticas, mas não consegue ser diferente, está repetindo tudo aquilo que ele tanto condenou nos outros. Agora só está faltando legalizar as rachadinhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *