Sem verba da União, questão da segurança dificilmente será resolvida, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) (Foto: Bernardo Caram/G1)

Rodrigo Maia agora faz oposição ao governo Temer

Fernanda Calgaro e Danilo Martins
G1 e TV Globo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avaliou nesta segunda-feira (12) que, se não houver orçamento federal, o problema da segurança dificilmente será resolvido. O ministro da recém-criada pasta da Segurança Pública, Raul Jungmann, tem pleiteado à área econômica do governo dotação orçamentária para o ministério.

Reportagem do jornal “O Globo” mostra que Jungmann também planeja pedir dinheiro a empresários do setor privado para financiar projetos de segurança. Maia, porém, disse ver com reservas essa ideia.

DIFERENÇAS – “Eu acho que num ponto da cidade ou de qualquer cidade eu acho que é cabível [ter financiamento privado]. Agora, num estado do tamanho do Rio de Janeiro, eu acho que, sem orçamento federal, me parece um pouco difícil que se consiga resolver o problema da segurança sem custeio, pelo menos para reorganizar as despesas mínimas de segurança”, afirmou.

Questionado se via algum tipo de conflito de ações da pasta serem financiadas com dinheiro privado, disse não ver problema.

“Colaborar com compra de doação de viaturas, de equipamentos, não tem problema nenhum”, afirmou.

O presidente da Câmara ponderou que não se pode achar que a solução para a questão da segurança “passa pela doação de viaturas”. “Para que se tenha uma estrutura concreta no combate ao crime organizado, o orçamento tem que ser público”, defendeu.

NO ORÇAMENTO – Para ele, a sociedade já paga impostos, que deveriam ser usados, em parte, para financiar a área. “A sociedade já paga os seus impostos e, dentro dos impostos, já deveria ter uma parte importante para financiar a segurança pública. Eu acho que é dentro do Orçamento da União que tem que se encontrar as soluções”, disse.

No início do mês, o presidente Michel Temer anunciou, em reunião com governadores, uma linha de financiamento aos estados e municípios para investimentos em segurança pública.

O programa, batizado de Programa Nacional de Segurança Pública, terá crédito de R$ 42 bilhões em cinco anos, a maior parte para recursos a serem oferecidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Desse valor, R$ 10 bilhões serão oferecidos às prefeituras.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Maia está certo. Até agora, o governo Temer ofereceu apenas financiamentos aos Estados com recursos de BNDES, que terão de ser pagos, aumentando a crise financeira dos governos estaduais. Ou seja, a solução de Temer é apenas um palpite infeliz, como diria Noel Rosa. (C.N.)

16 thoughts on “Sem verba da União, questão da segurança dificilmente será resolvida, diz Maia

  1. Tem deputado aí que, pra ele, particularmente, a questão de segurança já está resolvida! 10 guarda-costas bem armados! E o melhor! Di-grátis !

  2. Joesley agora está solto, graças a decisão de um juiz que considerou “absurdo” o tempo de pouco mais de oito seis meses que ele passou na prisão. Esta foi mais ma afronta do judiciário contra a população, pois mostrou que quem tem dinheiro pode cometer crimes à vontade.

    Escracho em Wesley na churrascaria é o preço pago por alguém que ajudou a destruir a economia

    https://www.ceticismopolitico.org/escracho-em-wesley-na-churrascaria-e-o-preco-pago-por-alguem-que-ajudou-a-destruir-a-economia/

  3. O caso de Lula já passou por duas instâncias, já foi julgado pelo STJ e ainda será julgado pelo STF antes mesmo de sua prisão. Quantos julgamentos são necessários para valer a condenação?

    Ao contrário do que diz o petista Alex Solnik, a Constituição diz que todos cidadãos são iguais perante a lei

    https://www.ceticismopolitico.org/ao-contrario-do-que-diz-o-petista-alex-solnik-a-constituicao-diz-que-todos-cidadaos-sao-iguais-perante-a-lei/

  4. Essa turma de cupins só fala em aumentar o volume de recursos, aproveitam qualquer ação pra pedir mais dinheiro. Só que o dinheiro é sempre direcionado pra gastos com pessoal. Metem a mão em toda grana e a crise continua sempre precisando de mais dinheiro. A história é velha e conhecida.

  5. Educação, educação, educação, educação,
    Povo que tem Maia representando não têm,

    Educação, educação, educação, educação,
    Povo que tem Temer representando não têm.

    SEGURANÇA: Povo que não tem educação, não têm.

    Pode ter 25 seguranças, se tiver que morrer, morre…
    Pode ter todo o dinheiro do Mundo, e ainda assim, morre.
    Sem educação não há nem haverá segurança.

    • Educação…

      Achas o Dória educado?
      NÃO É EDUCAÇÃO! É SAFADEZA!

      Educação é pegar um Maia, um Dória, um Aécio, um Temer, um Maggi, e tantos outros mais, e cobrir de porrada!
      Na cara safada de cada um!

  6. STF prepara “remendo” do auxílio-moradia

    Na coluna Painel, da Folha, fala-se num espetáculo de hipocrisia que estaria sendo preparado pelo STF.

    No julgamento da legalidade do auxílio=moradia pago a todos os juízes e promotores do país, criar-se-ia uma fórmula “salvadora”.

    Cai o penduricalho, mas seu valor será compensado nos holerites de suas excelências através de um projeto de lei aumentando seus vencimentos.

    Como os vencimentos já estão no teto, vai-se ter de aumentar o teto, que é justamente o subsídio pago aos próprios ministros do STF.

    E como o vencimento dos ministros do STF definem a remuneração de deputados federais e de senadores – e, em efeito cascata – a dos deputados estaduais e dos judiciários dos estados, a solução agrada muito mais gente.

    Com um detalhe sórdido: o “auxílio-moradia” seria mantido enquanto tramitar o reajuste amplo, geral e irrestrito.

    Nestes tempos de criatividade judicial teremos criado o “ilegal, mas temporariamente legal”.

    Quem sabe até troquemos a balança da Justiça por uma picareta, para simbolizar melhor o que temos aqui?

    https://goo.gl/ZKGkTe

  7. Já fui tachado de “censor” por ter cobrado de um colega comentarista o fato de se desviar do tema do post. Basta reler os comentários pra ver a mixordia que fica quando isso acontece.

    A questão é muito simples: se os recursos do BNDES foram úteis para financiar, a juros subsidiados, uma cambada de pseudo capitalistas, arrivistas, incompetentes e alpinistas sociais, por que não podem financiar a segurança, que junto com a saúde e a educacao são as prioridades hoje, a juros que os estados possam retribuir?

  8. Ou seja: é preciso criar no BNDES uma “força tarefa”, já que a expressão tá em voga, para reaver, junto ao MPF, PF, Lava Jato, Cade, TCU, PGU, etc., todos os recursos desviados, e destina-los para estes fins.

    Parece simplista, mas é viável.

  9. O Impostometro aponta que o Brasil arrecadou mais de 2 trilhões em 2017. E até dia 13/02 quase 490 bilhões de reais.

    Dinheiro tem, a questão é pra onde ele vai. A nossa história, nos últimos quinze anos, escancarou isso, mais do que nunca.

  10. Tem que fazer essa canalha de ladrões vomitar aonde eles “mocosaram” a grana, buscar tudo de volta e monitora-los permanentemente, em cada movimentação financeira. Buscar centavo por centavo, e aí vai dar pra investir muito em prol da combalida sociedade brasileira.

    É um trabalho de Hércules, mas seria o mais racional a ser feito. E então se veria que essa chorumela em torno de auxílio moradia pago aos juízes não passa de uma discussão por merreca.

Deixe uma resposta para Anônimo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *