Será que valeu a pena esse absurdo esforço do Supremo para reeleger um criminoso como Lula?

TRIBUNA DA INTERNET

Charge do Duke (O Tempo)

Carlos Newton

Nos últimos anos, o Brasil se tornou um país surreal e paradoxal em matéria de Justiça, inteiramente único em algumas de suas regras. Embora possa se orgulhar de manter em vigor a mais avançada legislação ambiental do mundo, ao mesmo tempo sofreu brutal retrocesso nas leis penais e se tornou o único dos 193 países-membros da ONU a deixar em liberdade criminosos condenados em segunda instância.

Este absurdo – criado pelo Supremo em 2019 para libertar Lula da Silva – garante a impunidade dos criminosos até esgotado recurso à quarta instância, que sequer existe nos demais países.

LEMBREM PELUSO – “Os recursos ao Superior Tribunal de Justiça e ao Supremo Tribunal Federal serviriam apenas para tentar anular a decisão, mas, enquanto não fossem julgados, a pena seria cumprida. O Brasil é o único país do mundo que tem na verdade quatro instâncias recursais”, protestou em 2019 o ministro aposentado Cezar Peluso, em entrevista ao jornal “O Estado”.

Realmente, trata-se de uma vergonha nacional e internacional, que mantém o Brasil na condição de república das bananas. Nenhum país que garanta tamanha impunidade aos criminosos pode ter um mínimo de respeito, convenhamos.

Mesmo assim, ainda costumam aparecer pseudos “juristas” que se arriscam a defender essas condições teratológicas, termo usado para identificar aberrações jurídicas. A esses “juristas”, é claro, falta caráter e até vergonha na cara, digamos assim.

PARA SOLTAR LULA – Esse brutal retrocesso jurídico não ocorreu por Direito Consuetudinário, em imposição dos costumes. Pelo contrário, a sociedade anseia por mais rigor contra os criminosos de todos os tipos, inclusive os de toga, como dizia a ministra Eliana Calmon, que fez história no Superior Tribunal de Justiça. Na verdade, o retrocesso foi proposital, para atender originalmente ao condenado Luiz Inácio Lula da Silva.

Aliás, a esse respeito é sempre conveniente citar o desabafo do ministro Luís Roberto Barroso, há alguns anos, quando afirmou que no Supremo havia “gabinetes distribuindo senhas para libertar criminosos”.

A partir daí, passou a reinar a esculhambação, orquestrada por um presidente da República despreparado, destrambelhado, que não gosta de cumprir leis, regulamentos nem normas de conduta funcional, que despacha com os ministros em linguajar chulo, parece estar no boteco tomando um trago com os amigos.

NÃO ERA BASTANTE – No entanto, apenas libertar Lula ainda não era suficiente. Para os ministros do Supremo, ainda faltava devolver os direitos políticos a esse criminoso vulgar, que comandara o maior esquema de corrupção do mundo.

E mais uma vez o Brasil teve se retroceder juridicamente, passando a ser o único país do mundo onde um incidente de “incompetência territorial” pode causar a anulação de condenações transitadas em três instâncias – ou seja, mais do que transitadas em julgado no resto do mundo.

Realmente, é uma situação surrealista, porque não há reação da sociedade contra essas teratologias praticadas pelo Judiciário com o único e exclusivo objetivo de restituir o poder a um criminoso vulgar como Lula.

###
P.S.
E uma pergunta não quer calar: Será que valeu a pena esse contorcionismo jurídico de ministros que deveriam estar defendendo no STF exclusivamente interesses públicos, jamais interesses meramente partidários? Particularmente, eu acredito que não tenha valido a pena, seja um vexame, mas posso estar enganado. (C.N.)

45 thoughts on “Será que valeu a pena esse absurdo esforço do Supremo para reeleger um criminoso como Lula?

  1. O STSF errou em 2016 quando ao legislar, coisa que não é de sua competência, permitiu a possibilidade da antecipação da prisão em regime fechado a partir da condenação da segunda instância, sem aguardar o trânsito em julgado. Esse drible ao artigo da CF foi revisto em 2019.

    Quem tem de fazer isso, modificando a CF ou redefinindo o CP é o legislativo.
    Aliás, porque não foi aprovada a proposta ainda? Será porque mexe em todas as áreas (Penal, cível, tributária e trabalhista)? Iria agilizar e simplificar bastante o sistema jurídico brasileiro.’

    Muitos falam em mudanças, mas duvido do apoio, quando a proposta atinge todas as áreas do sistema como deveria ser..

    • Só os corruptos, ladrões, bandidos, traficantes e assassinos e seus seguidores imbecilizados ou parte das quadrilhas são contra a prisão em segunda instância. Quem é honesto não sofre deste mal.

      • Caro Boi,
        estou entre aqueles a favor de que todas as áreas sejam contempladas com a mudança no sistema judiciário.
        Não só a pare área penal. Acho que sempre deixo isso muito claro, mesmo para uma mente bovina.

        Mas quem tem a prerrogativa legal para a mudança é o legislativo.

        Se a honestidade é teu mote, deverias ser favorável também que todas as áreas do sistema jurídico sejam atingidas.

  2. Caro CN, lembro com (*)acréscimos, daquela poesia da minha mana Haydèe:
    Do Brasil, as Cartas (*)”marcadas”, sobre a Mesa,
    Nó-de-pó(redemoinhos), de gentis sutilezas….

  3. São todos “missionários”, cumprindo o já vaticinado, com anzóis presos aos queixos!
    Escolhidos e pinçados, não podem voltar atrás, é a sina!

  4. Caríssimo Carlos Newton: Você pode até estar certo. Mas a razão do retorno da liberdade e dos direitos políticos ao Lula reside na IMENSA ANTIPATIA QUE O BOLSONARO DESPERTA NA MAIORIA DO POVO !!! Até o momento, pelo menos, ninguém acredita nessa tal de terceira via. Meu candidato é um político altamente honesto e eficiente: o CIRO GOMES. Mas, como as coisas estão, não vou desperdiçar meu voto. Votarei, não a favor do Lula mas CONTRA O BOLSONARO !!!

  5. Lula livre? Como ficaram os 20 processos e inquéritos contra o ex-presidente
    Por
    Renan Ramalho
    Brasília
    02/10/2021 22:19

    As ações da Lava Jato que ainda restavam contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Justiça foram praticamente enterradas com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em junho, que considerou o ex-juiz Sergio Moro suspeito no caso do triplex de Guarujá – primeiro processo no qual o petista havia sido condenado. Nas últimas semanas, acolhendo pedidos da defesa, outros magistrados e tribunais se valeram da decisão para encerrar processos que também teriam sido “contaminados” pela alegada parcialidade de Moro.

    Em agosto, por exemplo, o Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF-3), em São Paulo, trancou uma ação penal em que Lula era acusado de lavagem de dinheiro de doações recebidas da construtora ARG, que teria sido favorecida por ele na Guiné Equatorial (África). O acórdão do julgamento registrou que a decisão era uma “decorrência da doutrina dos frutos da árvore envenenada”, referência à suspeição de Moro, que teria também prejudicado a validade das provas desse caso.

    Ainda no mês passado, em Brasília, a juíza Pollyanna Martins Alves rejeitou a denúncia por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia, pelo qual Lula também havia sido condenado na Lava Jato do Paraná. Por determinação do STF, após a declaração da suspeição de Moro, alguns processos foram redistribuídos a outros estados. A juíza apontou “falta de elementos comprobatórios”, em razão de outra decisão, de junho, na qual o ministro do STF Gilmar Mendes estendeu ao processo a suspeição de Moro, anulando assim todas as provas que haviam sido colhidas por ordem do ex-juiz.

    Em 6 de setembro, o juiz Frederico Botelho de Barros Viana encerrou outra ação penal, na qual Lula era acusado de lavagem de dinheiro recebido da Odebrecht por suposta influência na ampliação uma linha de crédito do Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES) para Angola, que beneficiaria a construtora. O magistrado apontou falta de justa causa, em razão da absolvição do ex-presidente em outro processo, em que era acusado de organização criminosa – o chamado “quadrilhão do PT” –, bem como a suspeição de Moro no caso do triplex.

    Também em setembro, veio do STF mais uma decisão favorável a Lula: o ministro Ricardo Lewandowski suspendeu duas ações, iniciadas no Paraná, relativas ao Instituto Lula: uma que apontava corrupção e lavagem na doação, pela Odebrecht, de um terreno de R$ 12 milhões para sediar a entidade; e outro relativo a doações da construtora ao instituto, que seriam retribuições por favores prestados pelo ex-presidente.

    Apesar de ainda caberem recursos contra essas decisões, a chance de retomada dos casos é remota. O trancamento de uma ação só pode ser revertido se surgirem novas provas. O Ministério Público no Distrito Federal, por exemplo, já informou que não pretende recorrer da decisão que encerrou a ação relativa ao suposto favorecimento da Odebrecht em Angola com crédito do BNDES. No caso das ações do triplex, do sítio e do Instituto Lula, as provas teriam de ser novamente colhidas e há chance considerável de o caso prescrever até a formulação de uma nova denúncia.

    Veja, abaixo, a situação atual de 20 investigações ou ações contra Lula, a imensa maioria deles decorrentes da Lava Jato:

    1. Suposta corrupção de Lula em favor de montadoras
    Acusação: Seis pessoas, incluindo Lula e o ex-ministro Gilberto Carvalho, responderam por suposta corrupção na aprovação da Medida Provisória 471, que havia sido assinada em 2009 e prorrogava por cinco anos os incentivos fiscais para montadoras de automóveis com atuação nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Carvalho teria recebido R$ 6 milhões em troca da MP.

    Resultado: Absolvição em junho de 2021.

    2. Pressão para Nestor Cerveró não fechar delação premiada
    Acusação: O ex-presidente Lula, o ex-senador Delcídio Amaral e o banqueiro André Esteves teriam pressionado Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, para que ele não fechasse um acordo de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato.

    Resultado: Absolvição em julho de 2018

    3. Quadrilhão do PT 1
    Acusação: Lula, Dilma Rousseff, os ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto foram acusados pelo crime de organização criminosa, motivado pela suspeita de que teriam atuado em conjunto para desviar dinheiro público de empresas estatais, em especial a Petrobras. Eles formariam o chamado “Quadrilhão do PT”. O Ministério Público Federal (MPF) solicitou a absolvição por falta de provas.

    Resultado: Absolvido sumariamente em dezembro de 2019.

    4. Quadrilhão do PT 2
    Acusação: Outra denúncia contra o “Quadrilhão do PT”, envolvendo Lula, também foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em setembro de 2017. A PGR também denunciaria esquemas organizados do PP e do MDB, num total de quatro acusações.

    Resultado: A acusação acabou rejeitada, em setembro de 2018.

    5. Mesadas para Lula e seu irmão Frei Chico
    Acusação: Lula e seu irmão, Frei Chico, teriam recebido mesadas da Odebrecht, em valores que, somados, ultrapassariam R$ 1 milhão.

    Resultado: Em maio de 2020, o Tribunal Regional da 3.ª Região (TRF-3) rejeitou a denúncia por unanimidade, confirmando decisão anterior da 7.ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

    6. Ocupação do triplex
    Acusação: O ex-presidente Lula teria instigado a ocupação do triplex do Guarujá. Dois meses antes de ser preso, ele declarou: “Eu até pedi para o Guilherme Boulos mandar o pessoal dele [o MTST, Movimento de Trabalhadores Sem Teto] ocupar aquele apartamento. Já que é meu, ocupem”. O imóvel acabaria sendo ocupado em 16 de abril de 2018, nove dias após a prisão de Lula.

    Resultado: Em fevereiro de 2020, a 6.ª Vara Federal de Santos (SP), rejeitou a denúncia do Ministério Público Federal.

    7. Favorecimento à Odebrecht em Angola
    Acusação: Lula teria recebido pagamento da Odebrecht por palestras que realizou para a empresa. Mas seria na verdade uma troca pela atuação do ex-presidente junto a órgãos federais, incluindo o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para liberar verbas para a realização de obras em Angola.

    Resultado: Em setembro de 2020, a acusação foi arquivada pelo Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF-1).

    8. Doações ao Instituto Lula
    Acusação: Doações ao Instituto Lula feitas pela Odebrecht configurariam uma retribuição aos favorecimentos proporcionados pelo ex-presidente para a construtota.

    Resultado: O caso não chegou a receber uma sentença. Com a suspeição do ex-juiz Sergio Moro confirmada pelo STF, a denúncia seguiu para a 10.ª Vara Federal do Distrito Federal. O MPF preparava uma nova denúncia, mas em setembro deste ano, o ministro Ricardo Lewandowski (STF) suspendeu o andamento, em liminar, por considerar imprestáveis as provas entregues pela Odebrecht em acordo de leniência.

    9. Terreno para o Instituto Lula
    Acusação: A compra de um terreno em São Paulo, no valor de R$ 12 milhões, seria uma forma encontrada pela Odebrecht para pagar propina ao ex-presidente. O imóvel seria utilizado para construir uma nova sede para o Instituto Lula.

    Resultado: O caso não chegou a receber uma sentença. Com a suspeição de Moro confirmada pelo STF, a denúncia seguiu para a 10.ª Vara Federal do Distrito Federal. O MP preparava uma nova denúncia, mas em setembro deste ano, o ministro Ricardo Lewandowski (STF) suspendeu o andamento, em liminar, por considerar imprestáveis as provas entregues pela Odebrecht em acordo de leniência.

    10. Sítio de Atibaia
    Acusação: Obras em um sítio de Atibaia (SP) configuraria crime de corrupção e lavagem de dinheiro, segundo a denúncia da acusação. O sítio não pertencia formalmente ao ex-presidente, mas ele usava o local com tanta frequência que chegou a levar para lá parte de seu acervo pessoal. A empreiteiras Odebrecht e OAS teriam custeado as reformas do local, em troca de favorecimentos em contratos com a Petrobras.

    Resultado: Lula havia sido condenado a 12 anos e 11 meses de prisão. Na segunda instância, o TRF-4 havia aumentado a pena para 17 anos, 1 mês e 10 dias. Com a suspeição de Moro declarada pelo STF, as denúncias foram anuladas. O caso recomeçou do zero na 12.ª Vara Federal do Distrito Federal. Mas, em agosto, a juíza Pollyanna Martins Alves alegou “falta de elementos comprobatórios” e rejeitou a denúncia.

    11. Triplex de Guarujá
    Acusação: O triplex teria sido reformado pela empreiteira OAS em troca de benefícios indevidos para a empreiteira em contratos.

    Resultado: Lula foi condenado por Moro na primeira instância. No TRF-4, a pena havia sido estabelecida em 17 anos, 1 mês e 10 dias. Em abril de 2019, ao confirmar a condenação, o STJ havia reduzido o prazo para 12 anos e 11 meses de prisão. Mas, assim como no caso do sítio, com a suspeição de Moro declarada pelo STF, as denúncias foram anuladas.

    12. Caças Gripen
    Acusação: Segundo o Ministério Público Federal, as supostas negociações irregulares envolvendo a aquisição de caças Gripen caracterizariam tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

    Situação atual: Depois que a defesa de Lula solicitou a suspeição dos procuradores da República envolvidos no caso, o depoimento do ex-presidente foi suspenso.

    13. Crédito do BNDES para Odebrecht em Angola
    Acusação: Com base na delação premiada de executivos da Odebrecht, Lula foi acusado de lavagem de dinheiro recebido da construtora por influenciar a ampliação de uma linha de crédito do Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES) em Angola.

    Resultado: Em 6 de setembro de 2021, juiz Frederico Botelho de Barros Viana, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, encerrou ação penal por falta de justa causa, após absolvição no quadrilhão do PT e suspeição de Sergio Moro no caso do triplex.

    14. Lavagem de dinheiro da ARG
    Acusação: Em 2011, o Instituto Lula teria lavado dinheiro ao receber uma doação em troca de o ex-presidente petista ter intercedido junto ao presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, para que a construtora ARG fosse selecionada para construir uma estrada no país.

    Resultado: em junho, o desembargador do TRF-3 Paulo Fontes determinou a suspensão do processo com base na decisão que acatou a suspeição de Sergio Moro. Em agosto, o tribunal trancou a ação penal, acolhendo tese da defesa de que a investigação foi contaminada pela parcialidade de Sergio Moro.

    15. Suposto favorecimento à Odebrecht em Angola
    Acusação: O Ministério Público Federal acusava o ex-presidente Lula de atuar junto ao BNDES a fim de favorecer a Odebrecht em empréstimos para obras em Angola. Os pagamentos aos envolvidos somariam R$ 30 milhões.

    Resultado: O processo foi trancado pelo TRF-1 em setembro de 2020.

    16. Ajuda da Odebrecht para o filho caçula de Lula
    Acusação: Lula teria solicitado ajuda a Emílio Odebrecht para lançar a carreira empresarial de Luís Cláudio, seu filho caçula. A ação era baseada na colaboração premiada do próprio Emílio Odebrecht e de Alexandrino Alencar, ex-executivo do grupo.

    Resultado: Acusação arquivada em dezembro de 2020.

    17. Patrocínio da Odebrecht para a revista Carta Capital
    Acusação: Os contratos de patrocínio da Odebrecht com a revista Carta Capital seriam ilegais.

    Resultado: Arquivamento solicitado pela Polícia Federal e acatado pela 10.ª Vara Criminal Federal de São Paulo em setembro de 2020.

    18. Suposto favorecimento à OAS na Costa Rica
    Acusação: Lula era acusado de tráfico internacional de influência e corrupção ao tentar influenciar políticos da Costa Rica a contratarem a OAS. O então presidente da construtora, Léo Pinheiro, havia dito inicialmente que pagou por palestras de Lula como forma de pagar pela suposta ajuda do petista; e depois disse que não se tratou de vantagem indevida.

    Resultado: Investigação trancada por prescrição.

    19. Palestras de Lula
    Acusação: suspeita da prática de crimes envolvendo as palestras ministradas pelo ex-presidente Lula a diversas empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato.

    Resultado: arquivamento a pedido do MP por falta de provas, em setembro de 2018.

    20. Ofensa de Lula contra Bolsonaro
    Acusação: é uma das poucas investigações contra Lula que não teve relação com a Lava Jato. O petista teria se enquadrado desrespeitado a Lei de Segurança Nacional ao declarar que o presidente Jair Bolsonaro é “um miliciano” responsável “pela morte da Marielle [Franco, vereadora assassinada no Rio de Janeiro]”.

    Resultado: O inquérito foi arquivado em maio de 2020.

  6. O Moro cometeu intencionalmente a injustiça de condenar Lula, não pelo detalhe de que não era competente e sim pq após anos de investigação e não encontrando prova inventou o Triplex sem documentação sem ocupação, sem testemunhas!
    Logicamente foi declarado PARCIAL.
    Resta saber se um erro intencional desta magnitude vai ficar por isso mesmo.

    • Ocorre que a intencionalidade do erro não teria se consumado sem cooperação do STF, que levou cinco anos para decidir sobre o habeas corpus. A prisão fake de Lula foi arquitetada de cima pra baixo, não o contrário, com a necessária cooperação do sapo barbudo que o tempo todo passou criticando o juiz parcial sem atacar a parcialidade da Corte Suprema.

  7. Senhor Antonio concordo plenamente com o sr e acrescento: No governo do Presidente Lula, ele acreditou na capacidade do trabalhador brasileiro e trouxe/incentivou a construção naval/offshore no Brasil e fizemos um grande número de obras.
    Só para clarear: A P52 que foi feita em estaleiro em Angra dos Reis está extraindo mais de 150000 barris de óleo por dia, fora o gás.
    Continha simples: 150000xUS$100,00=US$1.150.000,00/dia.
    em 1(hum) ano, são US$ 547.500.000,00 isso mesmo Quinhentos e quarenta e sete milhões e quinhentos mil dólares americanos.
    Já está em funcionamento desde 2008 (quatorze anos) e depois, construimos a P-51, P-56, P-55 e muitas outras obras de transformação e todo o investimento nestas obras, diminuíram o lucro dos acionista na época mas, enchem os bolsos deles agora.

  8. Agora, todo o potencial de trabalho foi desviado para entrega fast food em bicicletas, motos e a pé.
    Muitos são motoristas de aplicativos com automóveis que compraram no tempo do Lula quando ainda tínhamos trabalho de alto valor de mão de obra.

  9. Se for o necessário pra derrotar o imbecil da presidência então terá valido a pena. Ontem Guedes e sua turma voltaram as cargas contra a Petrobrás novamente, com a retomada da privataria de mais 3 refinarias.

  10. Ninguém consegue dissuadir um fundamentalista muçulmano que se morrer em nome de Alá terá direito a setenta e duas virgens no paraíso. Ele se explode acreditando nisso.

  11. Votei no twitter agora.

    Malach
    @Malach87046734
    ·
    18 h
    General Braga Neto como vice na chapa com Bolsonaro:
    EXCELENTE
    95,4%
    NÃO BOM
    1,3%
    PREFERIA OUTRO
    2,6%
    SEM OPINIÃO
    0,7%
    303 votos
    ·
    5 horas restantes

  12. Votarei no Ciro em qualquer circunstância .É o mais preparado dos que estão disputando à presidência.

    Fico pasmo quando leio aqui na TI alguns comentaristas a elogiar o Lula e criticar o Moro.

    É o tal caso de separar o joio do trigo. Moro tem caráter, Lula é mafioso perigoso, vagabundo e mentiroso.

    E quanto a “supremo” para mim não tem mais credibilidade. Seus integrantes são, tirante as exceções de praxe, amigos de corruptos, defensores de criminosos, inimigos da decência e da moralidade. Contribuem para perpetuar a miséria material e moral,

    • Também votarei no Ciro, mas isso não impede de criticar o que considero coisas fora da lei. Até Ciro já tinha previsto as anulações de processos. Aliás

  13. Infelizmente, ainda que me sinta constrangido em afirmar, para sacar do poder um ser despreparado, desequilibrado e inconsequente como Bolsonaro TUDO VALE A PENA.

  14. Prezado CN,

    A sua ojeriza ou preconceito contra o PT faz com que vc nao raciocine, como muitos dos seus leitores, infelizmente.

    Por falta de informação, ma’-fe’ ou por interesses político-eleitorais inconfessáveis, a mentira de que Lula não foi inocentado deve ser rechaçada com a retidão dos fatos.

    Para além de jargões e tecnicismos, a situação jurídica é muito simples: Lula foi vítima de uma perseguição política liderada por Sergio Moro, o que levou à anulação dos seus processos na “lava jato” e, quando os mesmos fatos foram reapreciados pela Justiça, todas as acusações foram rejeitadas.

    Existem três momentos relevantes para compreender o histórico dessa perseguição:
    1. Primeiro, Lula foi condenado ilegalmente por Moro nos processos do triplex do Guarujá e do sítio de Atibaia;
    2. Na sequência, Moro foi condenado pelo STF por ter violado a lei e agido por motivação política nos processos contra Lula;
    3. Por fim, as mesmas acusações foram reapreciadas por outra juíza, que no primeiro caso arquivou os autos e no segundo caso rejeitou a denúncia por falta de provas.

    Assim, não há espaço para elucubrações maliciosas ou devaneios infaustos. É preciso que se diga com todas as letras que Lula é inocente. Não “apenas” presumidamente inocente, como assegura nossa Constituição a todos que não sofreram condenação transitada em julgado, mas reconhecida e declaradamente inocente pela Justiça brasileira e pela ONU (Organização das Nações Unidas).

    • Desculpe, Cleber, respeito sua opinião sobre a inocência de Lula, mas a minha opinião é diferente da sua. E lembro a você que não foi Moro quem condenou Lula no processo do sítio de Atibaia – foi a juíza Gabriela Hardt, que jamais foi acusada de parcialidade.

      Abs.

      CN

        • Errou de novo, amigo José Vidal. O TRF-4 confirmou a sentença da juíza Gabriela Hardt e o processo jamais chegou ao Supremo. Parou quando estava no STJ.

          Procure se informar melhor, para não dar vexame.

          CN

          • Caro CN e amigos da Tribuna

            Como sempre acho que estou do lado errado.

            Obvio que toda a tchurma do STF julgou Lula inimputável ( no sentido literal) e por isso usou todos os contorcionismos possíveis para liberta-lo.

            Mas as sessões hilárias do STF, com aquela postura grave, converse mais enrolada que suruba de cobras e caras de pau impagáveis, terminaram.

            Agora vamos votar para eleger um novo presidente e temos que trabalhar com a percepção espacial de todos os fatos.

            Esta tarefa não é do STF, da justiça, do congresso.

            É do povo, de cada eleitor, que pode pelo menos, acreditar que domina sua vontade.

            Que tal começar respondendo algumas perguntinhas inocentes, que todo eleitor pode fazer a si mesmo antes de decidir o voto:

            Houve corrupção nos governos do PT??

            Os depoimentos, os vídeos, as confissões, as provas de dinheiro trocado existiram??

            Os valores eram ou não astronômicos???

            O dinheiro devolvido foi dinheiro virtual , inexistente ou realmente entrou nos cofres da justiça e da união??

            Se existiu e foi devolvido, por que isto aconteceu???
            Foi um ato de bondade extrema que causalmente atingiu só pessoas ligadas de alguma forma a Petrobrás e aos governos do PT?

            Se Moro foi parcial e todas suas sentenças foram mantidas, confirmadas e ampliadas, até chegar ao supremo que primeiro concordou e depois desconcordou depois concordou de novo, depois disse que não disse e lula foi solto.
            Isto quer dizer que devemos eliminar (por parcial e claramente querer prejudicar só Lula) toda a justiça.?
            Delegados , investigadores, peritos, receita, promotores, procuradores, desembargadores, por serem todos suspeitos???

            Devemos acreditar que milhares de funcionários de carreira, conseguiram encenar uma peça , ensaiada até nos detalhes só para prejudicar o semi-deus??

            Se o povo comum sabe que existe, sempre existiu corrupção da grossa, não deveria pensar:

            Bom, mas se conseguimos apanhar um grupo , que mesmo novo , desviou bilhões, por que não fazer uma vingança boa e única na vida, mandando pastar toda esta corja e todos os “juristas” kkkkkkkkk que se contorceram todos para safar os meliantes??

            La nas falas enroladas e ares condicionados eles libertam mas no voto podemos nós, nos libertarmos pelo menos daqueles que além de ladrões ainda foram burros para se deixar apanhar.

            Ladroes ate estamos acostumados, mas ladroes burros e amadores isto não suportaremos

          • Realmente, embora o TRF4 tenha admitido o “copia e cola” nos outros processos, inexplicavelmente validou o do sítio de Atibaia, mas o STF anulou o processo. Quanto a dar vexame, acho que não sou eu que devo me cuidar, por falta de informações. Veja o caso das Centrais sindicais em que disseste que ela recebiam dinheiro do FAT, https://www.brasildefato.com.br/2021/06/24/moro-e-declarado-suspeito-em-acoes-do-sitio-de-atibaia-e-instituto-atos-sao-anulados

          • O que é isso, Vidal? Não sou eu quem diz que as centrais recebem dinheiro do FAT. Esta é a realidade dos fatos. Pesquise no Google, em um minuto acharás.

            Quanto ao sítio de Atibaia, o processo não chegou ao Supremo. Estava no STJ, quando houve a manobra de Fachin anulando as condenações.

            Se você não pesquisar, vai dar mico a todo momento, movido pelo ódio.

            CN

          • Prezado duarte, ninguém está dizendo que não houve desvios no governo do PT. Claro que houve e o beneficiado não foi só o PT.
            Mas e daí? Esse dinheiro reverteu em melhoria do cidadão? É claro que não. Veja o caso da Petrobras. O lucro foi todo aos acionistas, com zero investimentos, os empregos perdidos para outros países.

            E as “doações” das empresas que se tornaram ilegais por lei, foram legalizadas através dos fundos partidários e emendas do relator, com o dinheiro saindo diretamente dos impostos arrecadados e sem a contrapartida de obras que alavancavam a economia. .

            O povo não é burro, pois vê que sua situação piorou,

      • Prezado CN,

        Obrigado pela gentileza de responder ‘as minhas citac,oes.

        A atuac,ao da jui’za e’ ridi’cula, para dizer o mi’nimo – como ja’ mencionado a jui’za to copy/paste.

        Aqui vai uma descric,ao do depoimento do Lula para a jui’za e a atuac,ao dela e a cumplicidade dela com o ministe’rio pu’blico:

        O Ministério Público partiu da ideia de que o Lula era dono, de fato, do sítio de Atibaia, e ficou muito claro que ele não era o proprietário. Então, ficou numa situação complicada. E o que ele fez? Disse que o Lula não era o proprietário, mas sim o beneficiário. Então, mudou a própria definição fática, o próprio conteúdo da denúncia,
        A confusão gerada por essa mudança ficou clara no depoimento em 14 de novembro, quando Lula compareceu à sede da Justiça Federal em Curitiba (PR) para prestar depoimento sobre o caso e manifestou dúvidas em relação à natureza da acusação.

        Antes de iniciar o depoimento, ao ser questionada pelo réu, a juíza Gabriela Hardt, substituta da 13ª Vara da Justiça Federal do Paraná, admitiu que o processo não diz respeito à propriedade do imóvel.

        Juíza Gabriela Hardt:
        Senhor Luiz Inácio Lula da Silva, o senhor sabe do que está sendo acusado nesse processo?
        Lula:
        Não. Gostaria de pedir que a senhora me explique qual a acusação.
        Juíza Gabriela Hardt:
        São dois conjuntos de acusação. A primeira é de corrupção. O senhor teria recebido vantagens indevidas da Odebrecht e da OAS, relacionadas aos contratos que eles têm com a Petrobras, e um segundo conjunto de atos de lavagem de dinheiro, relacionadas ao sítio.
        Lula:
        Eu pensava que a acusação que pesava sobre mim era que eu era dono de um sítio em Atibaia.
        Juíza Gabriela Hardt:
        Não é isso.
        Lula: Mas eu sou dono do sítio ou não?
        Juíza Gabriela Hardt: Isso não sou eu quem tem que responder.

        Valeu CN!

        Abrac,os!

  15. Carlos Newton, teu artigo – muito bom – agregado ao juntado pelo Jose Roberto, representam a triste constatação que o Brasil está podre,

    Apodreceu com a capital em Brasília, longe do povo que trabalha para sutentar o Estado.

  16. Caros Celso e Cesar

    Sempre disse que, apesar da beleza inusitada, de ter trazido o desenvolvimento ao centro oeste, a construcão de Brasila foi um erro.

    Uma obra monumental, grandiosa, construida em pouco tempo motivo de orgulho para o Brasil, mas criou uma ilha da fantasia,completamente desligada do povo e da realidade nacionais.

    Já propus , voltar a capital proxima aos grandes centros, em edificios comuns, acessiveis ao povo.

    A justica como na Alemanha, isolada, esta sim para decidir cfe as leis, sem pressoes.

    O que fazer com Brasilia?

    Simples:

    temos uma imensa carencia de presidios no Brasil.

    Toda area oficial pode ser transformada em presidios com grande facilidade.
    Amplos confortaveis, semi-isolados, faceis de cuidar e de vigiar.

    O resto de Brasilia???

    Tudo o que for oficial vendido a precos de mercado ou demolido. As mansoes??? que encontrem outros trouxas para sustenta-los

    Ah e os presidios encheriam rapidinho. Grande parte dos futuros moradores ja está por ali mesmo.
    É so cercar de improviso, reter todos e depois ir libertando os poucos que nao tem contas a pagar.

    Facil, pratico e eficiente. Já imaginaram???

    Já que o Brasil está doido mesmo, tambme posso divagar. Abs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.