Supremo gastará até R$ 3,2 milhões com carros blindados para ministros

STF gasta R$ 24 milhões por ano com empresas de segurança privada

Lorenna Rodrigues
Breno Pires
Estadão

O Supremo Tribunal Federal (STF) se prepara para licitar a compra de carros blindados para o transporte dos ministros da Corte. Depois de o tema da violência ganhar destaque na campanha eleitoral, o órgão, sob orientação da área de segurança, decidiu adquirir 14 veículos blindados para uso dos 11 ministros. O contrato deverá ter teto de R$ 3,206 milhões – vence a proposta de menor valor na concorrência, que será feita por pregão eletrônico.

O edital, que deve ser lançado na próxima semana, prevê a compra de carros sedã de grande porte, sem especificar marca – os R$ 3,2 milhões são uma estimativa baseada em preços do mercado. Os ministros não costumam utilizar carros blindados para se locomover no Distrito Federal, mas apenas no Rio de Janeiro e São Paulo, onde têm à disposição veículos alugados à prova de balas. Brasília tem índices de violência menores na comparação com as duas cidades.

SEGURANÇA – Segundo uma fonte ouvida sob reserva, o STF já dispõe de alguns blindados, mas em baixa quantidade, e não necessariamente para ministros. Ao assumir a presidência do STF, o ministro Dias Toffoli nomeou como assessor de seu gabinete o agora indicado pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, para o ministério da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva. Na época da nomeação, uma das responsabilidades atribuídas ao militar era a área de segurança.

Ao longo do ano, foram registradas ameaças a alguns dos magistrados. Em abril, o Supremo ampliou de cinco para sete o efetivo à disposição no Paraná para a segurança do ministro relator da Lava Jato, Edson Fachin, após ele relatar ameaças a familiares. Em outubro, a ministra da Corte e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, também foi alvo de ameaças, que motivaram a abertura de investigação.

Segundo dados de maio, o Supremo gasta R$ 24 milhões por ano com empresas de segurança privada – R$ 12 milhões com guarda-costas armados dos 11 ministros e o restante com um contrato de vigilantes da sede em Brasília.

9 thoughts on “Supremo gastará até R$ 3,2 milhões com carros blindados para ministros

  1. -PILANTRAS!
    -Não sao eles que defendem o Estatuto do Desarmamento?
    -Não são eles que aprovam o desencarceramento geral dos bandidos?
    -Nao são eles que acham que o Estado tem condições de cuidar da segurança dos cidadãos e por isso estes não precisam ter uma arma em casa?
    -Nao são eles que acreditam que bandido nas ruas se recuperam melhor do que na cadeia?
    -Nao são eles que dizem que armas não trazem segurança?
    -Nao são eles que alimentam a impunidade ampla, geral e irrestrita em todas as quadrilhas nacionais?
    -Não foram eles que consideraram a progressão de regime para homicidas, traficantes e latrocidas constitucional?
    Não foram eles que aliviaram a pena para quem comete crime hediondo?

    -PILANTRAS. Para eles o povo é que se dane e que morra!

    • Que tal A Dilma, Anta que fala, permanecer com motorista, assessores e seguranças. Não é um acinte? O mesmo vale para o Inácio Cabrita, condenado e preso por roubar os cofres públicos. Pense um pouco: um ladrão com escolta, assessores e chauffeur! Só na nossa pátria amada.
      Se eu pudesse, meu caro, deixaria meu Realengo e partiria para Paris sem pestanejar. Mas nasci pobre e não me tornei petista na hora certa, como o Cabrita.

  2. Nada, nada a extranhar: O inefável presidente Bolsonaro comprou trinta carros para sua segrança antes de assumir. Sabe quando vai ter um atentado nessa gente: nunca. Quando eles querem matar contratam profissionais assim como fizeram com Teori.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *