Um forte sentimento de renovação irrompeu das urnas em 7 de outubro

Imagem relacionada

Charge do Adão (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Foi exatamente isso que ocorreu nas eleições de domingo, bastando dizer que a taxa de renovação na Câmara Federal alcançou 52%, um recorde na política brasileira. Tradicionalmente, esse índice oscilava em torno de 35%. Mas agora subiu, apesar dos recursos do Fundo Partidário terem sido distribuídos por aqueles que comandam as legendas. Isso significa a força do vento renovador. Sobretudo porque, não podendo competir com os caciques, os estreantes não tinham como aplicar muito dinheiro nas suas campanhas.

A propósito, foi a campanha de menor custo de todos os tempos, pois os candidatos trocaram as ruas e os redutos de votos pelas redes sociais.

RECORDE – O número de mensagens divulgadas pelas redes sociais por parte dos principais candidatos superou um total de 50 milhões de postagens. Bolsonaro bateu o recorde com 28 milhões de mensagens. Fernando Haddad, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles e Marina Silva produziram, cada um, postagens em torno de 5 milhões de textos e imagens.

Enquanto se aguarda o segundo turno, destacam-se os problemas que surgiram das pesquisas eleitorais, realizadas tanto pelo Ibope quanto pelo Datafolha e outros institutos. O que terá acontecido? As arrancadas nos dois últimos dias das eleições traduzem bem o sentido que escapou aos institutos.

Exemplos não faltam. O mais significativo refere-se a disputa no Rio de Janeiro. Pois os levantamentos apontavam um destaque para Eduardo Paes e Romário, enquanto Wilson Witzel (PSC) aparecia distante dos dois que dividiam o favoritismo. Mas o fato é que o ex-juíz passou de passagem para o primeiro posto, ultrapassando Eduardo Paes por larga margem. Romário conseguiu obter uma parcela mínima de votos.

RENOVAÇÃO – A matéria sobre a renovação da Câmara Federal, Valor de ontem, é de autoria de Raphael di Cunto. A que trata da impressionante chegada de Witzel, na Folha de São Paulo, é de Ítalo Nogueira.

O Ibope, o Datafolha e os outros institutos devem explicações à opinião pública. Principalmente quanto às modificações que se verificaram 48 horas antes das urnas.

10 thoughts on “Um forte sentimento de renovação irrompeu das urnas em 7 de outubro

  1. Pesquisas forjadas e urnas fraudadas.

    Com a delação e as provas de Palocci que a campanha dos vermelhos foram pagas com dinheiro de ditaduras do exterior tem que cassar imediatamente o registro do Partido dos Trambiques !!!

    Justiça JÁ !

  2. A explicação é muito simples. Pesquisas forjadas com intuito de influenciar o eleitor. A anos o eleitor se comporta como gado. Vai em direção do que acham que vai vencer. Destaco a eleição para majoritária. Acham que assim evitam o segundo turno. Com as redes sociais mais a vontade da população de mudanças . Nesta eleição está malandragem não teve efeito. Sou contra estas pesquisas eleitorais!

  3. Se a região nordeste tivesse ajudado, a renovação teria sido muito maior.
    É uma pena que esta região do pais, não procure a se modernizar, e acompanhar a onda renovadora que vive o restante do Brasil.
    Velhos políticos “carcomidos” ainda encontram abrigo entre os eleitores da região.

  4. Antes das eleições já se sabia que as pesquisas eram manipuladas.

    Depois das eleições a credibilidade das pesquisa foram enterradas.

    Portanto, vai ser difícil a sobrevivência de muitos institutos e mesmo que continuem existindo deverão ter um grande trabalho para recuperar sua credibilidade junto ao público.

  5. A única explicação que esses institutos de pesquisa devem é para quem paga a pesquisa. Como já pagaram e obtiveram o que pediram, então está tudo certo.

  6. Na minha opinião, a atuação dos institutos de pesquisa na corrida eleitoral deveria ser objeto de investigação do MP, pelo seu notório grau de influência no resultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *