Efeito coronavírus: Gestão da pandemia de Covid-19 leva evangélicos a criticarem Bolsonaro

Pastores que votaram em Bolsonaro já falam em terceira via para 2022

Gustavo Schmitt e Sérgio Roxo
O Globo

A gestão da pandemia do novo coronavírus tem provocado fissuras na base formada por líderes religiosos que apoiam o presidente Jair Bolsonaro. Alguns pastores evangélicos que votaram nele há dois anos já falam em terceira via para as eleições de 2022, enquanto outros admitem que o apoio ao presidente persiste apenas para evitar a volta do PT ao poder. Nem o empenho do governo federal para manter templos abertos durante a crise sanitária melhorou o humor de parte de sua base.

A redução do entusiasmo com o mandatário começou a ficar clara em 29 de março, quando Bolsonaro fez uma convocação para um “dia do jejum”. No ano passado, 36 líderes evangélicos gravaram um vídeo em que atendiam “à proclamação santa feita pelo chefe supremo da nação”. Este ano não houve vídeo. A cerimônia, realizada no mesmo dia em que foi anunciada a troca de seis ministros, teve a presença de três lideranças.

RESTRIÇÕES – O pastor Samuel Câmara, da Assembleia de Deus Belém, aparecia no vídeo do ano passado, mas hoje tem restrições ao presidente. “O exercício do poder tende a desgastar, e a pandemia tem participação nisso. Gostaríamos que o presidente fosse mais protagonista. Acho que em alguns momentos ele é extremamente inflexível”, disse.

A Câmara defende o uso de máscara e a vacinação e acredita que essas medidas devem se sobrepor às convicções pessoais de Bolsonaro.”Se houver uma terceira via, creio que o apoio (a Bolsonaro) será menor”, disse.

Líder da Igreja Plenitude do Trono de Deus, emergente entre as neopentecostais, o apóstolo Agenor Duque condenou a troca de André Mendonça por Anderson Torres no Ministério da Justiça e a entrada da deputada Flávia Arruda (PL-DF) na Secretaria de Governo. “O jejum não era para o meu Deus”, escreveu o pastor, que, no ano passado, também aparecia no vídeo pró-Bolsonaro. Procurado, o apóstolo não retornou.

VOLTA DO PT – Líderes evangélicos ainda apoiam Bolsonaro com o objetivo de evitar a volta do PT à Presidência, na opinião do pastor batista Carlito Paes, líder da Igreja da Cidade de São José dos Campos. “Penso ser um erro, porque este ato pode ser lido pelo governo como apoio incondicional e (levar o governo a que) cometa novos erros”, escreveu no Twitter, no começo de março. Apesar da crítica, Paes já rezou com Bolsonaro depois que ele foi eleito presidente e chegou a tentar indicar nomes ao Ministério da Educação.

Desde que assumiu o poder, Bolsonaro sempre obteve seus melhores índices de aprovação entre os evangélicos. Em abril de 2019, pesquisa do Datafolha mostrava que 42% dos eleitores desse grupo consideravam o governo como ótimo ou bom. Em março deste ano, esse número era de 37%. Apesar da redução, os evangélicos ainda avaliam Bolsonaro melhor do que a média da população. Segundo o Datafolha, o percentual geral dos que consideram o governo ótimo ou bom é de 30%.

Entre os católicos, persiste a polarização entre opositores e apoiadores de Bolsonaro. Mesmo no grupo mais alinhado ao presidente, como os integrantes da renovação carismática, há críticas à atuação do governo no combate à pandemia.

GESTÃO DA PANDEMIA – “Compomos a base de apoio ao presidente, mas tem muitos aspectos que nos distanciam, como a gestão da pandemia”, afirma o deputado Francisco Jr. (PSD-GO), presidente da Frente Parlamentar Católica. A CNBB e mais de mil párocos que assinaram o manifesto Padres Anti-fascistas se opõem ao mandatário.

A presença do presidente da Confederação Israelita do Brasil (Conib), Cláudio Lottenberg, num jantar em apoio a Bolsonaro, no dia 8, causou indignação em parte da comunidade judaica. Ao GLOBO, o rabino da Congregação Israelita Paulista, Michel Schlesinger, mostrou-se contra as medidas sanitárias do governo e a abertura dos templos em meio à pandemia.

3 thoughts on “Efeito coronavírus: Gestão da pandemia de Covid-19 leva evangélicos a criticarem Bolsonaro

  1. Os donos de igrejas evangélicos já começaram a subir em cima do muro. Esta de quererem uma “terceira via” é mais do que oportunista. Esta gente sabe que uma terceira vai não passa necessariamente pela adoção de uma pauta de costumes, coisa que soa como música nos ouvidos de muitos donos de igreja. A hipocrisia vai aumentar mais e mais até a eleição, lá saberemos então quem traiu quem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *