Uma propaganda eleitoral em forma de poema garantiu a eleição de Belmiro Braga

Olhando O Rio | Poema de Belmiro Ferreira Braga com narração de Mundo Dos  Poemas - YouTubePaulo Peres
Poemas&Canções

O poeta Belmiro Ferreira Braga (1872-1937), nascido em Vargem Grande (MG), fez através deste soneto a sua “Propaganda Eleitoral” e, por incrível que pareça, foi eleito, mas não assumiu, embora, em sua homenagem, seu local de nascimento recebeu seu nome após ser elevado à categoria de município, passando a ser chamado Belmiro Braga.

PROPAGANDA ELEITORAL
Belmiro Braga

Meu caro Coronel Martins Ferreira,
candidato extrachapa a deputado
ao congresso da Câmara Mineira,
desejo ser aí o mais votado.

A minha fé de ofício é de primeira.
Vale por um programa o meu passado,
e no congresso não direi asneira
todas as vezes…que ficar calado.

Fui caixeiro, depois fui negociante,
e do torrão natal, representante,
agora aspiro a ser como escrivão;

e, eleito, espero, mas que maravilha!
ser pai da Pátria e receber da filha
todo o subsídio, quer trabalhe ou não…

2 thoughts on “Uma propaganda eleitoral em forma de poema garantiu a eleição de Belmiro Braga

  1. Nestes últimos versos, o autor fez uma embolada, própria de quem tem domínio da língua portuguesa e sua origem “….pai da Pátria e receber da filha
    todo o subsídio, quer trabalhe ou não….
    Quer dizer, de um cidadão comum, o Brasil é apenas a Pátria. Mas quando qualquer cidadão (filho) se reveste de autoridade, a Pátria passa a ser dele filha. Filha pela ascenção do filho: agora exercendo poder sobre a filha, para dela extrair o que bem lhe aprouver.
    No português, Pátria, como sinônimo de Nação, ganhou uma forma anômala: Pai (pater, patri…., do latim) feminizado. Mais coerente seria a etimologia proceder de Mater, Matri (mãe, em latim), assim ficaria, Mátria ao invés de Pátria.
    Amanhã vai aparecer um sociólogo para vincular o avanço do “Portugays”, no Brasil, com a denominação Pátria, ou pai feminino.

  2. Num momento de decepção ocasionada por algum amigo BELMIRO dirigiu-se ao seu Terra·Nova Príncipe estas duas famosas quadras:
    Pela estrada da vida subi morros,
    desci ladeiras e, afinal, te digo:

    se entre os amigos encontrei cachorros,
    entre os cachorros encontrei-te, amigo!
    Para insultar alguém, hoje recorro
    a novos nomes feios, porque vi

    que elogio a quem chame de cachorro,
    depois que êste cachorro conheci,

    Belmiro Braga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *