Uma coisa é certa – a nomeação do ministro Sachsida vai tirar muitos votos de Bolsonaro

Sachsida precisou ser retirado da Câmara pelos seguranças

Roberto Nascimento

O novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, foi indicação direta de Paulo Guedes. Seu primeiro discurso raivoso a favor da privatização da Petrobrás e da Eletrobras, com toda certeza, é apenas uma manobra para desviar a atenção do verdadeiro foco de sua atuação para favorecer o Centrão e o megaempresário Carlos Suarez, que precisa destravar o impasse da liberação de R$ 100 bilhões do governo, para a negociata do gasoduto que cortará oito Estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O gasoduto é uma espécie de Petrolão do governo Bolsonaro, disfarçado de obra desenvolvimentista. Ao invés de beneficiar vários empreiteiros, como no governo Lula, agora é para atender apenas um deles, que era sócio da notória OAS.

FARRA DO BOI – O almirante Bento Albuquerque foi demitido do Ministério de Minas e Energia pelo presidente Bolsonaro, porque era contra essa réplica empresarial da Farra do Boi, comandada por Carlos Suarez, chamado de “Rei do Gás”, um elemento sinistro que não quer ser reconhecido e jamais se deixa fotografar.

No capitalismo, qualquer negócio privado deve ser bancado pelos empresários com recursos próprios ou de investidores.  Na versão capitalista do Brasil, é o Estado que tem de deslocar recursos públicos para esse tipo de empreendimento particular.

O responsável por conduzir a negociata agora é o novo ministro Adolfo Sachsida, apadrinhado por Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. O nomeado é de significância menor. Foi alçado ao posto somente para prestar serviço. O Brasil está caindo pelas tabelas e o governo decide ratear os recursos públicos em ano eleitoral.

JOGO DE CENA – A privatização da Petrobras é apenas jogo de cena, para desviar atenção do gasoduto bilionário. A nomeação de Sachsida foi um tiro no pé, porque ele é um boquirroto trapalhão que vai tirar muitos votos de Bolsonaro.

Em uma série de vídeos que circulam nas redes sociais, o pupilo de Guedes aparece falando as maiores barbaridades. Demonstra ser uma machista exacerbado e adota uma postura ideológica de extrema direita totalmente esquizofrênica, capaz de considerar até Adolf Hitler como “comunista”.

A Folha publicou fotos dele em 2014, ao ser expulso da galeria da Câmara pela Polícia Legislativa, por estar fazendo tumulto para impedir uma votação. Apesar desse passado pouco republicano, foi escolhido para ser ministro do atual governo:

LICENÇA-MATERNIDADE – Disse Sachsida no vídeo: “Eu, por exemplo, sou contra licença-maternidade de seis meses. Isso, para mim, é criminoso contra a mulher. Você dar uma licença-maternidade de seis meses para a mulher é mais ou menos como você chegar para o empresário e falar assim: ‘Não promovam essa mulher. Porque, se ela engravidar, ela vai ficar seis meses fora da empresa’. Você consegue imaginar uma empresa ficar seis meses sem seu gerente?”, afirmou, acrescentando:

“ Quando fui contra essa lei [licença-maternidade de seis meses], as pessoas me xingaram. Não é nada disso, é que eu me preocupo com as mulheres. Toda vez que você cria leis que favorecem a mulher, vai aumentar a penalidade salarial dela. Menos patrões vão promover as mulheres. Não é que eu quero, basta você olhar”.

HITLER COMUNISTA – Outra declaração nos vídeos que circulam na internet: “Será que Hitler dava mais valor ao Estado ou ao indivíduo? Será que Hitler dava mais valor à função social da propriedade ou à função privada? (…) Antes de responder, vou dar uma dica para você: o que é PT? PT é a sigla do Partido dos Trabalhadores. Da mesma maneira, o Partido Nazista era uma sigla. Você sabe qual era a sigla do Partido Nazista? Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães. Você realmente acredita que um partido socialista dos trabalhadores é um partido de direita?”, disse Sachsida.

Como se vê, trata-se de um elemento totalmente despreparado e lunático, incapaz de saber a diferença entre a denominação de um partido e a sua sigla. E se Hitler era comunista, porque a União Soviética perdeu 8,6 milhões de soldados para evitar que ele vencesse a guerra?

Lula e Bolsonaro agradecem a desunião dos pré-candidatos à ansiada terceira via

Terceira via para 2022

Charge do Duke (domtotal.com)

Roberto Nascimento

O ex-comunista Roberto Freire, presidente do Partido Cidadania, só agora está protestando, ao perceber a bola que Luciano Bivar passou por debaixo da perna do ex-juiz Sérgio Moro. É muita ingenuidade. Bivar tirou Moro do Podemos, fez promessas mil, acenando com a candidatura pelo União Brasil com toda a estrutura e o dinheiro para campanha. Mas esqueceu de combinar com os russos, representados por ACM Neto e a tropa do antigo DEM.

Resultado: Moro foi colocado para escanteio e, como prêmio de consolação, somente lhe deram a possibilidade de concorrer a deputado federal por São Paulo.

DINHEIRO DOS FUNDOS – A preocupação de Bivar é com as milionárias verbas do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral. A legenda original dele era o PSL, que alugou em 2018 para Jair Bolsonaro concorrer a presidente e estava composta de um saco de gatos. Piorou quando se tornou União Brasil, ao se fundir ao DEM, o antigo PFL fisiológico, e hoje duelam entre si.

Lembram da briga do ACM Neto contra Rodrigo Maia? Pois é, Maia migrou para o ninho dos tucanos. Agora, a rinha dos galos continua entre Bivar e ACM. Onde há dinheiro das verbas partidárias e eleitorais tem sempre confusão, não pode existir solidariedade.

Bivar passou a perna no ex-juiz Sérgio Moro, que caiu num conto do vigário. O que o presidente do União Brasil na verdade queria com Moro? Ora, apenas usar a popularidade do juiz da Lava-jato e eleger o maior número de deputados pela legenda em São Paulo. Quer Moro como puxador de votos.

MORO ATRAPALHA – Não interessa a Bivar nem a ACM Neto a candidatura de Moro à Presidência, porque não acrescenta nada aos objetivo dos dois caciques. Moro atrapalha os negócios da dupla, que morria de medo da volta da Lava Jato, caso Moro vencesse a eleição.

Os políticos podem fazer de tudo, menos dar tiro no pé. Afinal, nenhum deles gostaria de ver colegas atrás das grades, com medo de serem os próximos, por isso estão preferindo mais quatro anos com Bolsonaro ou Lula, dois antilavajistas.

Só não entendo por que Moro não percebeu o objetivo dessa gente corrupta e interesseira? Ou ele sabe de tudo e jogou xadrez com Bivar, ou é apenas um inocente útil, incapaz de analisar o quadro à sua volta. Fico com a segunda hipótese. Moro não está preparado para o jogo político.

E A TERCEIRA VIA? – Assisti ao Ciro Gomes, na CNN, anunciar que está conversando com o União Brasil, dizendo que Luciano Bivar é seu amigo. Fiquei surpreso, porque Ciro cansa de falar que não conversa com corrupto. Como mentem, todos os candidatos!

Sobre a terceira via, ninguém se entende. Parece que perdeu o trem das onze e vai caminhando para a etapa de cada um por si e todos relegados aos últimos lugares da tabela, sem choro nem vela.

A vida já é tão dura e Dória, Tebet, Moro e Ciro teimam em complicá-la ainda mais. Os polarizados Lula e Bolsonaro, é claro, agradecem essa desunião do pelotão de trás.

Voto do novo ministro André Mendonça foi perfeito, sob os critérios jurídico e político

Deputados bolsonaristas criticam André Mendonça: 'terrivelmente  decepcionante' | O TEMPO

André Mendonça mostrou que será um ministro equilibrado

Roberto Nascimento

Considerei técnico o voto do ministro André Mendonça. Os evangélicos queriam o que? Vassalagem aos desejos do presidente? Um ministro que se preze, é claro, vota sempre de acordo com a Constituição e as leis do país. Os governos não podem exigir fidelidade aos indicados para ocupar cadeiras no Supremo.

As críticas que André Mendonça vem sofrendo são uma perversidade, totalmente fora de propósito. Com toda certeza, o relator Alexandre de Moraes subiu o tom, em relação aos delitos cometidos pelo deputado Daniel Silveira (PTB-RJ). A chamada dosimetria da pena foi exagerado e acabou sendo seguida por oito dos ministros.

VOTO ACERTADO – Não há dúvida de que, nesse caso, o voto do ministro André Mendonça foi o mais acertado, de acordo com as circunstâncias. A pena aplicada por ele era mais leve e livraria o deputado da prisão em regime fechado, mas ele perderia o direito de se candidatar por oito anos.

Quanto à cassação do mandato atual, trata-se de medida constitucional que tem de ser ratificada pelo plenário da Câmara. E afinal, faltam pouco menos de oito meses para completar o mandato de Daniel Silveira, que foi de baixa representação, pois ele se mostrou inócuo na tarefa de legislar.

O fato concreto é que o deputado ameaçou as instituições. E agora, fica tudo por isso mesmo? Se a moda pega, nenhuma pessoa ligada ao presidente da República poderá ser condenada neste país, pois estaria sacramentada a jurisprudência do liberou geral.

DESDE MONTESQUIEU – O regime de freios e contrapesos foi elaborado por Montesquieu no livro clássico “O Espírito das Leis” (1748). Mas os regimes autoritários não convivem com decisões judiciais que não lhes sejam favoráveis.

Aqui no Brasil, no regime militar, o presidente Castelo Branco queria demitir três ministros do STF, entre eles, um excepcional, o advogado Evandro Lins e Silva, membro da Academia Brasileira de Letras, a quem tive o prazer de conhecer. Todos os demais ministros do STF ameaçaram sair junto com os três. Seria uma vergonha para o regime, no cenário das nações. Então foi feito um acordo, os três ministros foram aposentados e Castelo nomeou três ministros favoráveis ao governo.

Quanto a André Mendonça, felizmente o mais novo ministro cumpriu seu papel constitucional. Está de parabéns pelo voto e pela resposta àqueles inconformados bolsonaristas, que sonham com uma nova ditadura.

Bolsonaro diz ter vencido a corrupção, mas a afirmação é desmentida pela realidade dos fatos

Cade deve intervir o mínimo possível no mercado, diz novo chefe da autarquia | CNN Brasil

Nogueira chama o presidente do CADE de “meu menino”

Roberto Nascimento

Estamos diante de um governo atolado em esquemas pesadíssimos. No entanto, o presidente da República insiste em alardear que venceu a corrupção. Como se vê, Jair Bolsonaro é igual a Lula e também não lê jornais nem assiste programas de televisão. Mas a verdade é implacável e os fatos diários sinalizam o contrário do que o chefe do governo apregoa.

É um nunca-acabar de “toma lá dá cá”, iguaizinho a governos anteriores, à exceção de Itamar Franco, faça-se a ressalva. Mas todos os governos mais recentes desta República, incluindo o de Itamar, privatizaram importantes ativos do Estado. Todos. Inclusive os ditos da “esquerda que a direita gosta”, como Darcy Ribeiro costumava ironizar, enquanto Leonel Brizola dizia que “Lula cacareja na esquerda, mas bota ovo na direita”.

LULA DE ESQUERDA? –  Interessante notar que muitos analistas políticos consideram Lula de esquerda, mas é apenas uma fachada, ele nem sabe o que significa ser de esquerda. Os banqueiros nunca faturaram tanto como no governo de Lula, que sempre se orgulhou disso.

Na verdade, trata-se de um líder metalúrgico, que por ironia do destino virou presidente, após ter entrado na política pelas mãos do general Golbery do Coutto e Silva, mentor intelectual do regime militar, que foi buscá-lo em São Bernardo para criar o PT e se contrapor aos exilados que estavam voltando em 1979, beneficiados pela anistia aprovada no governo de João Figueiredo.

Na época, voltaram Luiz Carlos Prestes, Leonel Brizola e Miguel Arraes, que eram os líderes políticos mais temidos pelo chamado Sistema que dominava o país.

CORRUPÇÃO ATUAL – Olhem agora o caso do atual presidente do importantíssimo CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Matéria de capa do Estadão desta quinta-feira, dia 14, revela que Alexandre Cordeiro, atual presidente do CADE é um apadrinhado do chefe da Casa Civil de Bolsonaro, o senador Ciro Nogueira, de quem foi chefe de gabinete.

A reportagem informa que Joesley Batista, da J&F, gravou conversa com Ciro Nogueira, que fala sobre o seu indicado: ”Botei ele lá”.

O CADE é uma autarquia que investiga carteis e avalia fusões bilionárias de empresas. Esse Alexandre Cordeiro já fazia parte da instituição como conselheiro, nomeado por Dilma Rousseff, e depois passou a superintendente-geral na gestão de Michel Temer. Em 2021 foi promovido por Bolsonaro ao posto de presidente do CADE, por sugestão de Ciro Nogueira.

UM HOMEM-CHAVE – Então, conclui-se que o CADE – tanto no governo Dilma, passando por Temer e por fim Bolsonaro – tinha esse elemento como uma raposa para defender os interesses de empresas bilionárias, esses polvos que eliminam a concorrência, criando monopólios privados.

Quando se trata de empresas estatais monopolistas, como Petrobras, Eletrobrás, Infraero etc., os empresários e parlamentares defendem a privatização, a pretexto de possibilitar a concorrência.

Há lógica nisso? Claro que não. O Estado deve investir em setores estratégicos e que envolvam responsabilidade social, porque nesses casos o interesse nacional é mais importante do que lucro. Mas isso não existe na iniciativa privada, cujo objetivo maior é sempre o lucro. Ou seja, dar a presidência do CADE a um serviçal de Ciro Nogueira, que é um corrupto mais do que conhecido, torna-se uma vergonha sem tamanho.

Do jeito que a política está caminhando, não dá vontade de votar em nenhum candidato

30 ideias de Charge politica | humor político, rir pra não chorar, politicaRoberto Nascimento

Estamos vivendo uma hiperbólica “Divina Comédia”, muito mais terrível do que a saga de Dante rumo ao chamado último girão do Inferno, o tenebroso Nono Círculo. Essa insanidade existencial e política aqui no Brasil e no mundo está se tornando uma coisa rotineira, porque é uma continuidade diária – o novo normal.

Na política, não há diálogos civilizados, a suposta guerra do bem contra o mal virou regra, sem distinção entre um e outro, em meio à insistência nesse horror das fake news que semeiam o ódio entre as visões contrárias.

CADA VEZ PIOR – O Brasil está ficando cada vez pior, sem políticos de visão, sem estadistas, sem lideranças verdadeiras, sem nada, repetindo o famoso pensamento de Oswaldo Aranha – um deserto de homens e ideias.

Com as raras exceções, a gente topa somente com políticos querendo enriquecer a qualquer custo. Mesmo que saibam que da vida não levamos nada, insistem em entrar na ciranda do enriquecimento, mas sempre desprezando os interesses nacionais e colocando milhares, milhões e até mesmo bilhões de dólares nos paraísos fiscais, como fazem, sem o menor constrangimento, os economistas Paulo Guedes, ministro da Economia, e o Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central.

Alegam que colocar dinheiro lá fora é legal, embora saibam que é uma iniciativa torpe e antinacional, por demonstrar que os próprios gestores da economia não acreditam no futuro desta nação.

PAÍS À DERIVA – Assim o Brasil se tornou um país à deriva, apesar de dispor de quadros de qualidade e confiança para dirigir a nação rumo ao desenvolvimento. Mas os eleitores parecem preferir aqueles que apenas focam no desenvolvimento das suas famílias e dos seus amigos. O resto é cada um por si.

A grande maioria dos políticos está distante do povo. Quando falam em sandálias da humildade, trata-se de um engodo para enganar o eleitor. Preferem o salto alto, à moda de Luiz XV, o rei da França que se imaginava maior do que seus 1,60 m.

Na época de campanha, desfilam prometendo mundos e fundos. Fechadas as urnas e consagrados como vencedores, começam o festival de arrogância, mandonismo e descumprimento total das promessas. No último ano de governo, em busca da reeleição, iniciam a fase dos pacotes do bem, destinados a enganar de novo o eleitor, que no Brasil tem memória verdadeiramente curta.

SEM SAÍDA? – Aproximam-se as eleições e o quadro parece não se alterar, levando o país a uma nefasta polarização entre dois candidatos moralmente desclassificados, porque os pretendentes da terceira via demonstram uma dificuldade enorme de somar esforços pelo bem do país.

Não livro a cara de ninguém, porque não tenho político de estimação e meu partido é o Brasil.

Precisamos fazer alguma coisa, mas como? Pergunta difícil, parece que estamos num beco sem saída. Não há estímulo para votar em ninguém. No entanto, se enveredarmos pela depressão, a vida vai piorar. Não podemos perder a esperança na humanidade. Assim, penso no lema “paz e amor” da peça/filme “Hair”, para então seguir em frente, de cabeça erguida.

De Lula até Bolsonaro, passando por Dilma e Temer, nada mudou em termos de corrupção

Nova charge no ar: Contra corrupção!

Charge do Neo Correia (Arquivo Google)

Roberto Nascimento

É preciso lembrar que a mudança da política de preços dos combustíveis foi feita em 2016 pelo então presidente da Petrobras, Pedro Parente, na gestão de Michel Temer. De uma hora para outra, sem que houvesse lei, regulamentou ou norma estatutária obrigando a fazê-lo, o executivo tucano, ex-chefe da Casa Civil de FHC, resolveu criou a nefasta PPI (Política de Paridade de Importação), para aumentar artificialmente os lucros, favorecer as multinacionais do petróleo instaladas no país e enriquecer os acionistas da Petrobras.

Quando se fala em acionistas, ninguém menciona que a grande maioria é de estrangeiros, com 45,18% das ações preferenciais, que recebem os lucros (dividendos) prioritariamente. Os investidores brasileiros (pasmem!) têm apenas 18,21%, menos da metade. As demais ações são do poder público (União, BNDES e Caixa Econômica).

AUTOSSUFICIÊNCIA? – Ora, o Brasil produz 94% do petróleo para consumo interno e tem refinarias em condições de produzir diesel, gasolina e outros derivados. Então, qual a razão de atrelar os preços dos combustíveis com base na subida do dólar e da cotação do petróleo, incluindo custos de fretes sobre uma suposta importação do petróleo, com pagamento de seguro, imposto de importação e tarifas portuárias?

A comparação é ridícula, porém procedente, Vejam bem, é como se bananada produzida no Brasil tivesse seu preço estabelecido como se fosse fabricada com banana importada, incluindo custos de frete internacional, imposto, seguro e tarifas portuárias.

O tucano Pedro Parente e os presidentes da Petrobras que o sucederam, como o economista Roberto Castelo Branco e o general Joaquim Luna e Silva, com toda certeza não estavam nem estão preocupados com os interesses nacionais.

VEM O LOBISTA – Depois da demissão do general, agora o governo deixa vazar a notícia de que o substituto será o consultor de empresas Adriano Pires, que é mais conhecido como lobista e presta serviços justamente às multinacionais do petróleo, além de publicar artigos na mídia que o tornaram conhecido como ferrenho defensor da privatização da Petrobras, seguindo a linha adotada mais claramente por Pedro Parente e Castelo Branco, e mais discretamente por Luna e Silva.

E tudo isso acontece num governo paramilitar, repleto de oficiais superiores em postos-chave do governo, mostrando que no Brasil já não se fazem generais como antigamente.

RECUO DE LANDIM – Nos últimos dias, os jornais noticiaram que o operador financeiro Ricardo Landim, indicado por Bolsonaro para presidir o Conselho de Administração da Petrobrás, resolveu desistir. Motivo – está sendo processado pela própria Petrobras por gestão temerária dos recursos do fundo de pensão.

Bem, espera-se agora que também o lobista Adriano Pires tenha o bom senso de recusar o convite para presidir a Petrobras, devido ao flagrante conflito de interesses, já que trabalha para empresas concorrentes.

De tudo isso, resta uma certeza – o presidente Jair Bolsonaro tem o dedo podre para indicação de executivos, agindo exatamente como fez Lula, ao nomear elementos tipo Antonio Palocci e José Dirceu, que enriqueceram ilicitamente no exercício do poder e depois o fizeram na condição de consultores de empresas, exatamente a mesma atividade de Adriano Pires. Ou seja, nada mudou.

Brasil está mesmo descendo a ladeira e muitos eleitores já não acreditam em mais ninguém

TRIBUNA DA INTERNET | Aliança recorre a parcerias com igrejas evangélicas e  cartórios para tentar sair do papel

Charge de Myrria (A Crítica)

Roberto Nascimento

As igrejas estão aos poucos tomando conta do Estado, aliadas ao Centrão. Em vez de Ditadura da Toga ou Militar, os fatos descritos nas reportagens do Estadão, depois seguidas por toda a mídia, mostram que estamos vivendo a Ditadura dos Pastores. E Bolsonaro incentiva essa situação, por causa dos eleitores evangélicos, que costumam votar sob orientação dos pastores.

No entanto, com esses graves fatos vindo à tona, de forma impressionante, muitos evangélicos já perceberam que esses pastores políticos não são melhores do que os políticos profissionais e também entraram no esquema do toma lá dá cá.

INFLUI NA ELEIÇÃO – Esse caso escabroso, com dois pastores intermediando verbas públicas do Ministério da Educação (MEC), que é dirigido por um ministro também pastor, será cobrado na campanha eleitoral.

A surpresa é aterrorizante e demonstra que a corrupção continua, embora esse governo tenha sido eleito com a promessa de mudar. E os novos fatos vêm numa sequência assustadora, inclusive envolvendo membros do movimento de jovens do MBL, com o deputado Arthur do Val e o coordenador Renan dos Santos apanhados em sonegação de impostos.

Dá para acreditar nesses novos políticos, que se dizem diferentes? Na verdade, eles parecem querer tirar quem está lá, para roubar mais ainda. E assim o Brasil vai aos poucos descendo a ladeira e muitos eleitores não estão acreditando em mais ninguém.

LULA E ALCKMIN – Entendo que o objetivo maior agora seja derrotar o governo mais obscurantista da História do Brasil. Nesses três anos, nós retrocedemos muito em termos políticos, sociais e criminais, com claro apoio dos três Poderes.

Apesar disso, uma chapa pura, com Lula e um candidato do PT na vice, causaria nova vitória de Bolsonaro no segundo turno, de lavada.

Alckmin, por óbvio, foi escolhido porque agrega votos do campo conservador, principalmente no interior de São Paulo, votos que foram determinantes para a vitória de Bolsonaro em 2018, então apoiado pelo candidato a governador do PSDB, João Doria, também vencedor com o slogan “Bolsodoria”.

CRIADOR E CRIATURA – Foi um caso da criatura trair o criador, e Doria enfraqueceu Geraldo Alckmin no PSDB, para se tornar o cacique único do tucanato.

Mas não deu certo a manobra de Doria, pois o PSDB está dividido nos principais redutos, principalmente no Rio Grande do Sul e em Minas. Tanto que Doria não cresce nas pesquisas, amargando 2%, quase na lanterna, apesar de ser governador de São Paulo, algo jamais visto.

Então, diante dos fatos expostos, não vislumbro nenhuma coerência, pois política é convergência, conversa e alianças. Por que digo isso? Porque o povo, sabiamente, não dá maioria para ninguém governar.

DIZIA BRIZOLA – Essa lição sobre convergência política ouvi presencialmente do governador Leonel Brizola, no Aeroporto do Galeão, quando chegava de viagem ao Uruguai, e lhe perguntei sobre as razões de ter convidado membros do PMDB para seu secretariado.

O grande líder trabalhista, que mais construiu escolas no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro, um feito que deveria constar do Guinness Book, então me explicou: “Sem apoio no Legislativo, não se governa e fui eleito para melhorar a vida do povo, dos mais pobres”. Foi o que Brizola fez, indiscutivelmente, ao construir 500 CIEPs com o educador Darcy Ribeiro.

Assim, com as escusas e desculpas, não concordo com a tese de que Lula errou nessa escolha de Alckmin para vice na sua chapa para Presidência. Na minha opinião, Lula tem errado muito, mas desta vez acertou em cheio.

MOURÃO E CIRO – Por que digo isso? Porque os adversários de Lula estão contra, conforme as declarações do general Mourão, vice de Bolsonaro, e do próprio Ciro, ambos criticando a aliança de Lula e Alckmin.

Por falar em Mourão, o presidente Bolsonaro não quer nem ouvir a voz do general, que o mito considera um traidor. No entanto, Mourão nem liga, faz cara de paisagem e vida que segue em meio à ebulição mundial.

É preciso haver alianças. Não custa lembrar que Ciro Gomes foi apoiado pelo cacique baiano Antônio Carlos Magalhães na sua candidatura presidencial em 2002. E agora tem conversado com ACM Neto, do União Brasil, para encabeçar a terceira via, expressão que Ciro odeia pronunciar.

Bolsonaro humilha os ministros vontade, e nenhum deles tem coragem de se demitir

Exclusivo: Petrobras: Bolsonaro confrontou Guedes e minou imagem liberal do  governo | VEJA

Bolsonaro usa Guedes, que aceita humilhaes e no se demite

Roberto Nascimento

Aps o presidente Jair Bolsonaro ter feito fortes crticas ao novo aumento de preo da gasolina, do diesel e do gs de cozinha, chegou a ser cogitad0 que os ministros Paulo Guedes, da Economia, e Bento Albuquerque, de Minas e Energia, e o general Silva e Luna, presidente da Petrobras, deveriam ter apresentado seus pedidos de demisso, por terem sido desautorizados pelo prprio presidente da Repblica.

delrio. Nenhum dos trs ministros citados abandonaro seus cargos de livre e espontnea vontade. Bolsonaro vai criticar, atacar, fritar em banho Maria, e ficar bem com a galera de apoiadores caminhoneiros, dizendo ser contra o aumento do diesel, mas tudo isso para ingls ver, claro.

MEDO DA GREVE O fato concreto que o presidente morre de medo dos caminhoneiros, pois sabe a fora da categoria, que ele usou junto com o ento amigo Gustavo Bebiano, insuflando a classe para afundar o governo Temer e se cadastrar para vencer as eleies de 2018.

Bolsonaro j mostrou que no tem disposio para mudar a despropositada poltica de preos da Petrobrs, adotada pelo tucano Pedro Parente no governo Temer. Diante dos sucessivos aumentos dos combustveis, agora ele teme uma nova paralisao dos caminhoneiros, o que parece ser inevitvel. Por isso, est lutando desesperadamente para subsidiar os transportadores usando recursos do Tesouro, via reduo de impostos.

O general Silva e Luna, presidente da Petrobrs, est sob fogo cruzado de Bolsonaro, mas tem o maior salrio da Repblica, est prestes a receber um bnus extra de R$ 1,45 milho e demonstra que no se demite em hiptese alguma.

H PRECEDENTE O mais curioso que, exatamente pelo mesmo motivo da poltica de preos, Bolsonaro acabou demitindo Roberto Castelo Branco da presidncia da Petrobras. Com o general Silva e Luna, porm, o chefe do governo se mostra relutante, talvez porque tenha tirado o militar da confortvel posio de presidente da Itaipu Binacional, mas ningum sabe ao certo que passa pela cabea de Bolsonaro.

O ex-banqueiro Paulo Guedes, tantas vezes humilhado pelo presidente, faz cara de paisagem para continuar ministro. Est agarrado ao cargo pblico, como nunca se viu antes. Quase todos os seus amigos e comandados, que ele trouxe para o governo, j foram demitidos diretamente por Bolsonaro, mas o Guedes no deu uma palavra em defesa de seu time de supostos craques. Um biquinho aqui, outro ali, e vamos em frente.

Nunca vi um ministrio com tantas nulidades. No sobra um, meu irmo, como at hoje cantam Os Originais do Samba, grupo de pagode que tinha o inesquecvel Mussum como um de seus membros.

Essa guerra estpida mostra que Putin e Zelenski so iguais em matria de desumanidade

www.brasil247.com -

Putin E Zelenski so dois governantes cruis e sanguinrios

Roberto Nascimento

No incio do ano, quando ainda no se cogitava de uma Invaso da Ucrnia por tropas russas, foi publicada a seguinte notcia: Na Ucrnia o governo de Kiev ataca com armamento pesado a autoproclamada Repblica separatista rebelde de Donetsk, regio de maioria russa. As tropas ucranianas se aproximam do centro da regio e j h milhares de mortos, desabrigados e feridos, decorrentes dos ataques genocidas que atingem sempre a populao desprotegida, dizia a reportagem, acrescentando:

O Exrcito ucraniano pretende tomar a cidade de Donestk e depois se concentrar na retomada da Crimia em poder dos insurgentes russos. Mais um drama humanitrio em meio aos que ocorrem no Norte da frica e no Oriente Mdio.

Foi quando as tropas de Vladimir Putin entraram na guerra civil e invadiram a Crimia, que fazia parte da Rssia desde 1783, uma regio onde se fala russo e j houve at um plebiscito decidindo pela reanexao Rssia.

DIREITA IMPLACVEL H um documentrio de Oliver Stone, o qual recomendo: Ukraine On Fire. Disponvel no YouTube, relata a brutalidade da direita ucraniana contra seus compatriotas. As imagens exibem os guerrilheiros da extrema direita, na Praa Maiden, abrindo fogo contra a populao desarmada que fazia um protesto pacfico. Esses assassinos encapuzados neonazistas participaram da conspirao para derrubar o presidente pr-Rssia.

E no h novidade. No sculo passado, os ucranianos do lado ocidental tiveram uma participao ativa pr Hitler, no episdio macabro de extermnio da maior parte dos 1,5 milho de judeus ucranianos.

Quando o exrcito nazista invadiu o pas, em 1941, uma parte da populao optou por colaborar com os alemes, enquanto boa parte do pas foi varrida por sofrimento e destruio. Mais de 5 milhes de ucranianos morreram combatendo os nazistas, enquanto os que se engajaram na cooperao com os alemes atuaram na administrao local, se tornaram parte da polcia nazista ou viraram guardas em campos de concentrao.

PUTIN E ZELENSKI – Logicamente, tudo isso no justifica a invaso determinada por Putin. Mas o presidente ucraniano Zelenski no fica atrs em matria de crueldade. Decretou Lei Marcial e proibiu de deixar o pas seus compatriotas de 18 aos 60 anos. Esto obrigados a lutar at a morte no mano a mano com o aparato de guerra russo para manter o governo Zelenski, acima de tudo.

Eu queria ver esse falso lder sair do seu bunker e lutar tambm no front da guerra. Assim fcil. Dar declaraes dirias conclamando as pessoas a lutar, enquanto ele, o comediante sinistro, fica muito bem protegido. tambm um assassino, igual a Putin. Ambos esto pouco ligando se houver a Terceira Guerra Mundial.

Esse caso do assassinato de um negociador nomeado pelo presidente,praticado pelos militares ucranianos simplesmente pela acusao de ser brando demais na mesa de negociaes, isso indica que os ucranianos no ficam atrs dos russos, pois so vinhos da mesma pipa.

Mouro, um vice-presidente intrometido, teve a ousadia de dar pitacos sobre poltica externa

Brasil no concorda com a invaso do territrio ucraniano', diz Mouro | Brasil | O Dia

Mouro se acha o mximo e no pode ver um microfone…

Roberto Nascimento

Na tarde desta quinta-feira, o vice- presidente Hamilton Mouro deu declaraes imprensa, condenando a invaso da Ucrnia ordenada pelo presidente Vladimir Putin. Chamou o governante russo de um novo Hitler. Entendi essa entrevista como uma desconsiderao do vice em relao ao presidente Bolsonaro.

Quem d declaraes oficiais pelo governo, em questes delicadas como a atual, nesse conflito no Leste Europeu, o presidente da Repblica, Jair Bolsonaro, que ordena ao seu Chanceler qual o caminho deve seguir nos organismos internacionais (ONU) e na atuao das Embaixadas brasileiras na Rssia e na Ucrnia.

MOURO EXTRAPOLOU – Ningum pode falar em nome do governo sem o aval e a permisso do presidente da Repblica. Qualquer iniciativa nesse sentido uma contrafao, um embuste, uma falsa qualidade.

O momento sensvel e a direo da poltica externa deve ter um nico comandante. Essa tarefa no pode ser dividida e haver uma contradio entre o chefe da nao e o vice-presidente.

O pas pertence ao grupo BRICS (Brasil, Rssia, ndia, China e frica do Sul). Ento, certas declaraes podem prejudicar os interesses brasileiros no mbito do bloco econmico.

POSIO CORRETA – Bolsonaro agiu acertadamente ao visitar a Rssia, visando s relaes diplomticas e comerciais, com estreitamento dos laos econmicos, que unem os dois povos.

O Brasil tm que manter a neutralidade, como vem fazendo neste confronto, seguindo o pragmatismo democrtico responsvel, que sempre foi o norte da poltica externa brasileira.

A esse respeito, o pronunciamento do embaixador brasileiro na ONU a favor da soberania dos povos, como lema do povo brasileiro, deveria ser seguido por todos os integrantes do governo Bolsonaro, especialmente o vice-presidente Hamilton Mouro, que perdeu uma boa oportunidade de ficar calado.

Com a privatizao, quem administrar os preos da energia? Subiro na mesma escala dos combustveis?

TRIBUNA DA INTERNET | Conta de luz continuar em agosto com taxa extra mais  elevada, informa a Aneel

Charge do Tacho (Arquivo Google)

Roberto Nascimento

A privatizao da Eletrobrs ser um crime contra o Brasil, se for concretizada. Ser que repetiro o absurdo feito pelo ento presidente Fernando Henrique Cardoso, que privatizou uma das maiores mineradoras do mundo, a Vale do Rio Doce, por R$ 3 bilhes, quando valia R$ 1 trilho, no mnimo?

Estimar a Eletrobrs, num valor de 67 bilhes j seria motivo para convocao de uma CPI, mas no Brasil de hoje no podemos contar com isso.

ESTADO MNIMO O pior que tambm no podemos contar com a Procuradoria-Geral da Repblica nem com o Tribunal de Contas da Unio. Essas duas instituies do Estado, alis, que deveriam ser tambm privatizadas. Se para ter o Estado Mnimo como querem, privatizando nossos maiores patrimnios pblicos como a Eletrobrs e Petrobras, muitas outras instituies perdem a razo de existir.

Olha, seria uma economia significativa para o pas. No isso que os neoliberais querem? Ento, que a privatizao seja como a anistia poltica ampla, total e irrestrita.

Como registrou Nlio Jacob aqui na Tribuna da Internet, as concessionrias privadas s tem compromisso com o lucro. A responsabilidade social e a integrao nacional no tm a menor importncia para essas empresas privadas.

POR EXEMPLO As concessionrias privadas de energia tero lucro no eixo Minas, Rio e So Paulo, alm dos Estados do Sul, mas e o Norte do Brasil, to carente de energia eltrica, por causa dos entraves geogrficos. Tem hidroeltricas, mas, poucas linhas de transmisso.

Por que preciso ter preocupao com a energia? Ora, o Brasil vivia no feudalismo na dcada de 40. O poder civil, com Getlio Vargas e o apoio de militares nacionalistas, criou a Companhia Siderrgica Nacional, a Petrobras e depois a Eletrobrs, o trio do progresso da industrializao brasileira. A iniciativa privada nada fez para tirar o pas do atraso. Foi o Estado, com seu poder financeiro, que investiu na industrializao, que ora vive uma fase dificlima.

E OS PREOS? – Agora, vo entregar tudo para os empresrios, tirando do Estado mais um trip do progresso, talvez o ltimo. Quem controlar a poltica de preos? A Bolsa de Nova York, claro. Nenhum presidente ter poderes de conter a poltica de preos da energia, como Bolsonaro no tem hoje com o aumento dos combustveis.

O Brasil experimentar aumentos casados de combustveis e energia eltrica. Sabemos que esses dois setores so vetores de inflao e carestia, principalmente para os mais pobres. A iremos reviver a inflao no padro de Sarney e FHC.

E ainda tem outro detalhe, que piora ainda mais esse desastre. Se o concessionrio experimentar prejuzo no negcio, por m administrao, por exemplo, e desistir da concesso, ser indenizado por investimentos no amortizados, conforme o ministro Tarcsio de Freitas, da Infraestrutura, defendeu para os concessionrios que desistiram dos Aeroportos do Galeo (Rio) e de Viracopos (Campinas). O empresrio desiste e por isso indenizado.

FIM DO CAPITALISMO – E se essa moda pega? O sujeito vai a uma agncia, compra um automvel financiado, usa vontade por dois ou mais anos, ento desiste do carro, alegando um motivo qualquer, pode ser at a pandemia, e pede indenizao. Que farra, hein! Seria o fim do capitalismo. E da? O que o ministro Tarcsio de Freitas est fazendo com o Galeo, indenizando a empresa Changi de Singapura, o chamado socialismo reverso. Tira do Estado para dar para o Privado.

Assim, o Brasil pode estar caminhando, a passos largos, no rumo do separatismo. assim que comea, de insatisfao em insatisfao. Depois iro chorar e espernear, conforme faz hoje, o presidente Vladimir Putin. Quem fez a lambana j morreu faz tempo, me refiro a Mickail Gorbachev e a Bris Yeltsin.

Quem ser o Yeltsin brasileiro? A Eletrobrs ter o mesmo destino dos aeroportos? E a Petrobras, seguir o mesmo roteiro macabro? O povo brasileiro no merecia gestores desse naipe.

As perguntas que Tarcsio de Freitas no quis responder sobre as concesses do aeroportos

Mal das pernas', Aeroporto do Galeo ter apenas 20% da capacidade domstica em maro - Dirio do Rio de Janeiro

Concessionria de Singapura devolveu o Galeo ao governo

Roberto Nascimento

Com a desistncia da concessionria do aeroporto do Galeo, a empresa Changi, que opera o superterminal aerovirio de Singapura, que tem at parque temtico, o ministro da Infraestrutura, Tarcisio de Freitas, em entrevista virtual pela internet, revelou que o Galeo foi retomado pelo governo e ser leiloado junto com o Santos Dumont no segundo semestre de 2023. Mas ficou mantido o chamado Bloco da Stima Rodada, para concesso de outros quinze aeroportos de vrios Estados em maro deste ano.

A iniciativa inicial de oferecer o Santos Dumont iniciativa privada em bloco com o aeroporto de Jacarepagu, conforme o governo federal pretendia, no resolveria a principal preocupao do governo do Estado e da Prefeitura, que impedir a concorrncia do Santos Dumont com o Galeo, que enfrenta grave esvaziamento, devido reduo dos voos.

GALEO DECADENTE – Mesmo que o governador e o prefeito pretendam novamente transformar o Santos Dumont num aeroporto secundrio como o terminal de Pampulha, em Belo Horizonte, ainda assim no conseguiro erguer o Galeo ao patamar dos seus tempos ureos, quando estava sob a administrao da Infraero.

Um conselho aos gestores polticos: enquanto exercerem seus mandatos populares, lutem para impedir o caos que advir de uma concorrncia entre os blocos que controlem os simultaneamente os aeroportos de Santos Dumont e Congonhas, com seus opostos Galeo e Guarulhos, pois quem vencer os leiles em bloco ou individual, no admitir ser tolhido no seu direito de crescer e multiplicar, a bandeira capitalista mais sagrada desde Adam Smith.

A concorrncia no pode ser predatria, preciso adotar uma poltica que possibilite o funcionamentos dos dois tradicionais aeroportos do Rio de Janeiro.

SEM RESPOSTAS – Assisti entrevista de Tarcsio de Freitas, no site do Ministrio da Infraestrutura, e dirigi seis perguntas ao ministro, sem resposta a nenhuma delas, embora todas sejam da maior importncia.

1 – A sociedade ter que pagar a indenizao pretendida pela empresa Changi, que desistiu da concesso? Se a Changi abandonou o negcio, que arque com as consequncias.

2 – O Bloco Galeo/Santos Dumont ser ento diferente do Bloco Guarulhos/Congonhas? Isso no fere a Isonomia entre Rio de Janeiro e So Paulo.

3 – Trs aeroportos privatizados desistiram da concesso. Isso significa que a privatizao dos aeroportos no um bom negcio, como vossa excelncia e outros ministros de governos anteriores consideravam?

4 – Essa engenharia poltica de conceder o Galeo e o Santos Dumont juntos guarda semelhana ao movimento Confins/Pampulha?

5 – Como ficaro os trs aeroportos deficitrios de Minas, que estariam agregados em bloco ao Santos Dumont, conforme o objetivo da modelagem em Bloco?

6 – Minhas escusas, mas, no justo culpar a pandemia pelo fracasso da gesto do Galeo. Antes do incio da pandemia, em maro de 2020, j existiam srios problemas de dvidas, prestao de servio, falta de pagamento da outorga dentre outros.

Paulo Guedes reclama do oramento secreto do Congresso, mas no para valer, s conversa fiada

Oramento secreto

Charge do Duke (domtotal.com)

Roberto Nascimento

louvvel a iniciativa do ministro da Economia, Paulo Guedes, ao solicitar transparncia do Congresso na identificao de parlamentares que indicaram as emendas do bilionrio oramento secreto. Reconheo esse mrito dele. Pelo menos, acertou uma. Merece at parabns. No entanto, em relao economia propriamente dita, o fracasso continua.

Na verdade, Paulo Guedes est irritado com o Centro, porque o grupo patrimonialista e interesseiro, que cobra caro para dar apoio a qualquer governo, realmente passou a mandar na gesto de Jair Bolsonaro, que hoje est refm desse bloco parlamentar informal.

SUBALTERNO DE LUXO No h mais Posto Ipiranga. No momento, quem manda na economia do Brasil o ministro-chefe da Casa Civil, senador licenciado Ciro Nogueira, que coordena o Centro e est sendo substitudo no Congresso pela suplente, que vem a ser sua prpria me, dona Eliane Nogueira, que jamais foi poltica mas sabe como garantir o abastecimento do jatinho do filho com verbas pblicas do Senado.

Assim, de repente Guedes virou um subalterno de luxo. No manda mais nada e seus principais auxiliares econmicos pediram demisso, por causa do esvaziamento do Ministrio da Economia.

Guedes se irrita sem razo, perder faz parte da vida. E a realidade mostra que os ratos so os primeiros a abandonar o navio. Se no est satisfeito, por que Guedes no pede demisso tambm? No tem coragem ou no pode perder a blindagem do foro privilegiado? Isso bobagem, porque as denncias contra ele por gesto temerria de recursos de fundos de penso j esto perto de prescrever, como praxe na Justia brasileira.

SEM TRANSPARNCIA – Ulysses Guimares dizia que no adianta reclamar do atual Congresso, porque o prximo ser ainda pior. No uma frase de efeito. Realmente trata-se de uma realidade. Assim, quanto ao atual Congresso, que ainda deve ser considerado o pior da Histria do Brasil, os parlamentares vo continuar escondendo do povo quem se beneficiou do chamado oramento secreto. So os vendilhes da ptria.

Nesse sentido, o Estado publica impressionante matria de Breno Pires e Andr Shalders, denunciando que o Congresso continua a desrespeitar a determinao da ministra Rosa Weber, do Supremo, sem dar transparncia ao oramento secreto.

Do total de R$ 6,6 bilhes em emendas liberadas entre 13 e 31 de dezembro, o relator Mrcio Bittar (PSL-AC) tornou pblicos apenas R$ 4,3 bilhes, revelando os nomes dos parlamentares s em 48% dos casos. Ou seja, o ministro Paulo Guedes finge que est reclamando, porque sabe que ningum ir ouvi-lo.

Guedes ser lembrado como maior inimigo da Previdncia, que ainda ampara os brasileiros

Veja a charge do Dorinho (edio 2866)

Charge do Dorinho (Arquivo Google)

Roberto Nascimento

O corte de quase R$ 1 bilho do Oramento da Previdncia Social, para este ano, indica que tanto o presidente Jair Bolsonaro quanto o ministro Paulo Guedes no tm o menor apreo pelos aposentados e pensionistas. Vai faltar dinheiro para atender as demandas dos brasileiros, especialmente os que precisam do auxlio-doena e de percias mdicas.

Essa dupla sinistra est apostando no caos e no sofrimento dos que precisam do INSS, justamente o povo mais pobre. Que falta de humanidade…

DEUS E FAMLIA? – Como pode um governante, aps fazer esse corte absurdo, ainda ter audcia para falar em Deus, Famlia e Ptria? Pura falcia e palavras ao vento. Tentam enganar o povo evanglico, que tambm sofre na pele os efeitos dessa poltica antissocial. No adianta os pastores defenderem o governo nos cultos, pois ningum muda a realidade com discurso.

O ministro Paulo Guedes sempre sonhou com o fim da Previdncia Social. Tentou implantar o modelo de capitalizao da Previdncia, que seria gerido pelos grandes bancos e fracassou no Chile, onde est sendo reformulada.

Atender aos banqueiros a especialidade de Guedes, que sempre viveu e enriquecer no mercado financeiro. a rea dele, nada a ver com o social. E o presidente no pode o demite, porque teme perder o apoio do Sistema Financeiro. Guedes o brao dos Bancos.

VOLTAR A TENTAR -No Chile, a equipe dos chicagoboys que Guedes integrava conseguiu destruir a aposentadoria pblica, na era do ditador Augusto Pinochet. Aqui no Brasil, na reforma da Previdncia, os militares ficaram de fora e o Congresso no embarcou nessa empreitada de Guedes. O ministro ficou possesso, no suporta ser contrariado.

Bem, neste ano Guedes ainda no conseguir a capitalizao da Previdncia, pois em poca de eleio os parlamentares no fazem maldades. Mas esperem 2023, se Bolsonaro vencer…

At l, est sendo preparado o terreno, com esse do corte de quase 1 bilho no Oramento do INSS. Vai faltar dinheiro para atender as demandas dos brasileiros.

SUCATEAR O SISTEMA – O objetivo sucatear o sistema, impedir a contratao de novos funcionrios, para substituir os que vo se aposentando, e, com isso, jogar a opinio pblica contra o INSS.

Estar assim armado o circo para um novo sistema de aposentadoria, que Guedes vai apregoar como o melhor dos mundos de Voltaire. E mais para a frente, quando os jovens de hoje se tornarem idosos e forem receber os proventos da aposentadoria capitalizada, ficaro frustrados e desesperados, conforme os chilenos esto agora.

No adiantar poder culpar nem Guedes nem Bolsonaro, porque daqui a 40 anos esses dois insensveis estaro na lata do lixo da Histria.

ABANDONO DA EDUCAO –Outra coisa, os cortes na Educao demonstram que esses governantes tambm no tem compromisso com os brasileiros que frequentam as escolas pblicas. Com isso, condenam a classe trabalhadora a ficar excluda da nova matriz tecnolgica baseada na informtica, na robtica e na automao.

No temos computadores individuais para os alunos das escolas pblicas. Em outros pases, alm de tablets, oferecido o 5 G para todos se conectarem.

E o Brasil vai ficando para trs, de retrocesso em retrocesso. Ser que ainda h por aqui brasileiros que concordem com isso? Veremos na eleio.

Somente 4,69% dos brasileiros confiam nas pessoas e este clima de desconfiana altamente prejudicial

Tem charges e memes zoando o anacrnico 'voto impresso', o 'Brasil por  Dentro' (com Socorro Lira), os 11 anos da TV ArtMultCultural e tem Arnaldo  Afonso (com Rosa Freitas) no 'Msica no

Charge do Nando Motta (Arquivo Google)

Roberto Nascimento

Saiu uma interessante pesquisa no Estado atestando que s 4,69% dos brasileiros confiam nas pessoas, um no outro, o restante no confia. O levantamento foi feito pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), e os analistas chegaram concluso de que esse comportamento pode prejudicar avanos sociais e reformas polticas, mas no se interessaram em informar e debater as razes prticas para essa falta de confiana que hoje caracteriza os brasileiros.

Na verdade, tal desconfiana tem fundamentos, que vm de cima para baixo, a partir das classes governantes e dominantes, que demonstram abertamente no acreditar na viabilidade do prprio pas onde vivem e enriquecem

DINHEIRO NO EXTERIOR Sabe-se que uma das prticas mais usuais das elites depositar no exterior suas riquezas. Com as raras e honrosas excees de empreendedores que ainda insistem em apostar no Brasil, isso vale tanto para a grande maioria dos empresrios e investidores quanto para a totalidade dos beneficirios da corrupo e da impunidade reinantes.

A coisa chega a tal ponto que os recursos pblicos do Fundo Partidrio so usados para comprar aeronaves e iates, anuncia tambm o Estado, sem que no acontea rigorosamente nada. Os partidos so apenas obrigados a devolver o dinheiro usando outros recursos do mesmo Fundo Partidrio, sem que seus dirigentes sejam sequer processados.

Assim, no causa a menor reao o fato de o ministro Paulo Guedes e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, tenham investido suas fortunas em parasos fiscais, no caso, as Ilhas Virgens Britnicas, faturando milhes com a subida do dlar, sem o menor esforo.

COMO CONFIAR? – Depois da revelao do Pandorra Papers, os brasileiros no tm como confiar no que Guedes e Campos Neto dizem. Em qualquer pas minimamente civilizado, esse fato concreto se tornaria um tremendo escndalo, o presidente teria afastado os dois, inclusive o presidente do Banco Central, que tem autonomia e mandato, mas pode ser demitido em caso de falta de tica.

Surge, assim, uma pequena crtica: Como confiar em reformas, se elas s pioram ainda mais, a vida dos brasileiros, se essas iniciativas so feitas para agradar as classes produtoras e ceifar direitos dos trabalhadores?

Ser que algum ainda acredita nesse Congresso, conduzido por Arthur Lira e Rodrigo Pacheco? Nesse governo, tocado por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes? E nesse Supremo, liderado por Gilmar Mendes e Dias Toffoli?

Ainda longe da democracia, a China inicia a reabilitao de Confcio, seu maior guia espiritual

Top 10 - frases - confcioRoberto Nascimento

O jornalista Marcelo Ninio, direto de Qufu, na China, publicou em O Globo uma interessante reportagem sobre uma cerimnia na cidade onde nasceu o filsofo Confcio, pai e guia espiritual da cultura chinesa, para celebrar o seu nascimento h 2752 anos.

O atual presidente da China, Xi Jinping, vem intensificando o processo de reabilitao de Confcio, indo na direo contrria do timoneiro Mao Tse Tung, que na Revoluo Cultural (1966-1976) mandou queimar todos os livros de Confcio e dinamitar seu tmulo na cidade de Qufu.

TIDO COMO CONSERVADOR – Os maostas consideravam Confcio um obstculo ao progresso e um propagador e smbolo do reacionarismo burgus.

A reabilitao de Confcio serve aos propsitos de o atual lder Xi Jinping se perpetuar no Poder, para se tornar um novo Imperador do Sol Nascente. Para isso, pouco se importa com a contradio entre um Estado laico como a China, inspirado nas ideias de Marx, Engels e Mao Ts-Tung, e o tom religioso da reabilitao de Confcio. uma f sem Deus, conforme retrata o jornalista Marcelo Ninio.

O Partido Comunista Chins sabe que o povo precisa de f, de uma filosofia que ajude a seguir unido em torno de seu lder, que completa dez anos de mandato e se pretende vitalcio.

SEM RENOVAO – Nesse particular, Xi Jinping quer romper a linha seguida por Deng Xiaoping, sucessor de Mao, que elaborou o modelo de renovao das lideranas mximas, atravs de mandatos fixos para os presidentes, para evitar a personificao do presidente, o que chamam de Culto Personalidade, inaugurado por Mao Tse Tung, o lder da Revoluo Chinesa, que tomou o Poder em 1949 at sua morte em 1976.

Essa nova mudana de rumos da China visa impedir que o maior pas asitico possa repetir o fenmeno ocorrido na Unio Sovitica (URSS). Os lderes chineses temem a diviso do pas, a semelhana do que ocorreu com os soviticos, aps a abertura democrtica idealizada pelo presidente Mikhail Gorbachev, que provocou movimentos separatistas e enfraqueceu a potncia econmica e militar do antigo regime.

A China no mais um pas comunista puro, tornou-se uma nao capitalista na economia e centralista no regime de governo (ditadura de esquerda). Quem manda na China o lder respaldado pelo Partido Comunista.

SE JINPING MORRER? Uma grande questo a estabilidade do pas aps a morte de Xi Jinping? Lembrem-se que a China enfrentou forte turbulncia quando o grande timoneiro Mao Tse Tung morreu e foi sucedido pela mulher e trs auxiliares, apelidados de a Gangue dos Quatro. Foram logo derrubados, e assumiu ento as rdeas do pas o lder Deng Xiaoping, responsvel pela abertura da economia para o mundo ocidental, tornando o pas num novo eldorado capitalista, devido aos baixos impostos, salrios irrisrios e inexistncia de leis ambientais

A preocupao da elite do poder na China com a perda do controle das massas. Qualquer movimento libertador logo sufocado, a censura caracteriza a imprensa e a internet controlada. Assim, embora tenha se aproximado do capitalismo, a China continua distante da democracia, com ou sem a volta de Confcio.