Denúncia anônima ao Ministério Público do DF é repudiada pela direção do Sindilegis de Brasília

Ex-jogadora de vôlei, Leila, é eleita senadora pelo DF

Senadora Leila Barros se reuniu com direção do Sindilegis

Vicente Limongi Netto

A diretoria do Sindilegis repudia, com veemência, publicação de “denúncia anônima” no Ministério Público do Distrito Federal, contra a entidade, publicada no Blog do Servidor, no último dia 13.  É patético e estranho que a repórter que deu a “notícia” tenha esquecido normas básicas do jornalismo, não checando a veracidade da suposta denúncia, que virou fake news descarada e covarde. 

É lamentável a falta de escrúpulos e bom senso, porque enfraquece o Sindicato e desgasta a imagem do servidor, em plena batalha contra a reforma administrativa. Além de tirar do sindicalizado o direito de escolher livremente seus representantes.

DENÚNCIAS FALSAS – A  farsa foi urdida pela ex-colaboradora do Sindilegis,  Loisse Galina, demitida em 2018 pela atual diretoria da entidade. Loisse é funcionária da Central do Servidor Público, entidade da qual o Sindilegis foi filiado até 2018, e coordenadora da campanha da chapa 2, que disputa as eleições no Sindilegis, marcadas para o próximo dia 30.

Loisse tentou convencer Marina Noleto, também ex-colaboradora do Sindilegis a participar da trama. Marina teria que forjar e apresentar uma série de denúncias mentirosas relacionadas com o Sindilegis, na tentativa de enfraquecer a atual diretoria.

Em troca, Marina teria o emprego de volta, no Sindilegis. Mas a leviana Loisse Galina errou o alvo. Marina recusou a deslavada e imoral proposta, mostrando ser pessoa íntegra.

ALGUMAS PERGUNTAS – O rosário de sujeiras e sórdida munição da “galera da oposição”, como Loisse tentou convencer Marina, não terminou. Algumas perguntas exigem resposta para a operosa classe dos servidores.

Por que o presidente da Auditar (União dos auditores federais de Controle Externo),  Wederson Moreira,  e o vice-presidente da Alesf (Associação dos consultores do Senado Federal), Fábio Gondin,  participaram da sórdida conspiração contra o Sindilegis, concordando  com o arsenal de baixarias da coordenadora da chapa da oposição, encabeçada por Wederson Moreira?  

Por que Wederson e Gondin insistem em denegrir a imagem do Sindilegis? 

DIZ A SENADORA – Paralelamente, diretores do Sindilegis foram recebidos pela senadora Leila Barros (PSB-DF) para tratar de assuntos relacionados com a reforma administrativa, programas de valorização e reconhecimento do servidor, projetos sociais nas áreas de educação, esporte e cultura e ações sociais de combate ao machismo e feminicidio.

“Estamos aqui para construir pontes. Prometo que, com responsabilidade e equilíbrio, vocês serão sempre ouvidos”, garantiu a senadora Leila Barros ao grupo.

“A mulher é a chama infinita do amor clareando o dia”, diz o poeta Vicente Limongi Netto, que completa 76 anos hoje.

Blog do Saïd Dïb: Aniversário do nosso querido Vicente Limongi Netto. Parabéns!

Maria e Limongi estão casados há 48 anos

Paulo Peres
Poemas e Canções

Nascido em Manaus, Vicente Limongi Netto foi morar em Brasília há mais de 40 anos e se tornou um dos jornalistas e poetas mais queridos da cidade, famoso peladeiro e autor de “Brasília, parceira amorosa do vento”. Nesta sexta-feira, dia 20, Limongi completou 48 anos de casado com a cearense Maria Wrilene, e hoje, dia 21, comemora seus 76 anos, junto com a família e os amigos. Sobre esses aniversários seguidos, o jornalista diz que são momentos em que recorda Adélia Prado: “Não tenho tempo para mais nada/ ser feliz me consome”. Em homenagem ao amigo, publicamos o mais recente poema que fez para sua doce Maria.

MULHER, A RAZÃO DE VIVER
Vicente Limongi Netto

A mulher é o céu,
a nuvem, o vento,
o sol que não se apaga.
É o fogo brilhando,
o encantamento,
o sublime nos olhos.

É a luz eterna,
o fôlego que ensina,
o perfume da alma.
É a flor valorosa,
o estalo da vida,
o prazer do convívio.

É o sonho acalentado,
a pureza da vida,
o sentimento do amor.
É o culto da ternura,
o bálsamo que alivia,
o sorriso que comove.

É a paz que nos vence,
o sopro que fascina,
o castelo da fé.
É o berço da ternura,
o porto divino do amor,
é conviver no paraíso.

É a chama infinita do amor
clareando o dia.

A surpreendente eleição municipal deixou um rastro de perguntas que não têm respostas…

Eleições municipais 2020

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Vicente Limongi Netto

Deixo para analistas e cientistas políticos responderem emocionantes perguntas que permanecerão borbulhando e ocupando espaços no segundo turno das eleições municipais. Muitas delas servirão de avaliações e estudos para o pleito nacional de 2022 Por exemplo: Bolsonaro terá bala na agulha, ou pólvora, para alavancar Marcelo Crivella contra Paes? Lula mostrará a cara para ajudar Boulos?

O PSOL realmente tornou-se herdeiro político do PT? Por que dois senadores, ainda com mandato de 7 seis anos, disputaram eleições para prefeitos? Um deles, do PT, teve votação medíocre. Por que o candidato de Bolsonaro, em Manaus, teve votação bisonha?

SEM “MEA CULPA?” – O presidente escolheu errado,  inclusive quem não é do ramo , e subestimou políticos tradicionais que acabaram indo para o segundo turno? Bolsonaro não vai fazer “mea culpa” por largar na chuva o partido pelo qual se elegeu, e que saiu chamuscado do pleito municipal?

Carluxo, filho de Bolsonaro, reeleito para vereador, no Rio de Janeiro, com menos 36 mil votos do que na eleição passada, vai entrar com vontade na campanha de Crivella? Bolsonaro vai mudar de estratégia política, para se recompor, emocional e politicamente, e encarar o duro pleito de 2022?  As urnas  responderam as destrambelhadas afirmações de Bolsonaro, sobretudo aquela contra a vacina, que estarreceram os brasileiros? É tanta coisa para perguntar…

###
NOVO PUXÃO DE ORELHA DA NETA DESAPONTADA

Olá, vovô Jair. É a Geórgia, novamente.  Perto dos 5 meses, zangada com você. Pronta para dar-lhe bons puxões de orelhas. Nos banhos de sol, na pracinha, faceira e bela, dentro do carrinho, com a babá,  ouço  um monte a seu respeito. Palavras duras. Recheadas de cabeludos palavrões.  Quando cheguei, vovô, embrulhada como anjo, de um lugar encantado, estrelado e  florido, anunciei que vinha para botar ordem no seu cotidiano. Adoçar seu coração. 

Pedi, ponderei, implorei para você frear a língua. Parar de insultar as pessoas. Amaciar seu gênio explosivo e autoritário. Até generais estão desapontados com suas atitudes toscas. Deixe de ofender quem discordar de você.

Em vão. Minha beleza está cansando, vovô. Seu desprezo e palavras amargas contra a vacina foram deploráveis. Não satisfeito em praguejar abissal estupidez, afrontou os brasileiros, chamando-os de maricas. As urnas repudiaram suas afrontas. Santo Deus, vovô. Estou corada de vergonha.  Seus atos descontrolados e desatinados apequenam o importante e poderoso cargo que você ocupa. 

Bote na cachola que quem não respeita os outros não merece ser respeitado. Mais amor, vovô, menos rancor.  Mais diálogo, menos insultos. Reitero o que pedi a você assim que cheguei: dê bons exemplos. Menos grosseria, vovô. Mais generosidade. Caso contrário, sua longa caminhada até 2022 permanecerá espinhosa. Pesquisas costumam errar. Fique com Deus. Saúde e luz. Te amo, vovô Jair.

A emoção de viver e votar indica que, após a pandemia, haverá mais fraternidade no mundo

Pin em positivoVicente Limongi Netto

Sinto-me honrado e estimulado. Enfrentando  a dolorosa   pandemia com exortações e pensamentos semelhantes aos do  Nobel de literatura, Mário Vargas LLosa. Considerado o maior escritor vivo da América Latina, LLosa afirmou para a revista Veja na semana que passou: “O mundo sairá melhor”. Frisou que “a pandemia vai nos tornar menos arrogantes.”. Nessa linha, peço licença para recordar o que escrevi, 6 de junho, portanto, há seis meses, aqui na nossa autêntica Tribuna da Internet, com o título ” Depois da pandemia, o mundo certamente vai mudar, para haver mais fraternidade”.

Afirmei, antevendo, sem subterfúgios: A arrogância, o egoísmo e a intolerância perderão o sentido. Hábitos serão filtrados; espíritos, serenos e pacificados. Haverá mais respeito as pessoas. O  ser humano, na hora de se reinventar, terá que lutar para expulsar de dentro de si os sintomas do medo, da vaidade, da exploração, do pânico e do pessimismo.

Precisará encher os pulmões de esperanças. Corações afoitos seguramente ficarão mais próximos da paz e do amor ao próximo. Salientei, concluindo: “A solidariedade, tão presente e marcante na atual quadra do vírus, permanecerá com lugar cativo nos corações”.

VOTAR É VIDA. Rejuvenesce o sorriso. Atrai bons fluidos. Dignifica o cidadão. Enriquece a democracia. O voto é a luz na escuridão. Oxigeniza o coração. O voto é espetáculo sublime. Nesse sentido, é oportuno frisar o trecho do editorial “Hoje é dia de mudança” (CB-15/11): “Devemos votar em pessoas sérias e comprometidas com os anseios da sociedade”.

Ana Dubeux, por sua vez, na mesma edição do Correio Braziiense, no artigo “O valor do voto”, enfatiza, alertando: “Daqui a pouco, tem eleições para governadores, congressistas e presidente. A escolha de agora reflete-se no amanhã”. Perfeito.

Nessa linha, em 2022, se Deus permitir, com 78 anos, dormirei com o título de eleitor debaixo do travesseiro. Irei votar barbeado. De roupa e sapatos novos. Convencido de que não errarei novamente.

JOGO SUJO – O destrambelhado Bolsonaro está se esmerando no jogo político sujo e torpe. Mandou serviçais desprezíveis como o deputado Marco Feliciano, jogar as patas imundas no vice-presidente Hamilton Mourão.

Praticante de hipismo, o sereno e patriota Mourão sabe que o castigo vem sempre a cavalo. 

Com notícias boas e ruins, a politização da vacina e a certeza de que este país vai mudar

Governo do AM prevê chegada de vacinas contra Covid-19 a partir de janeiro | Amazonas | G1

As vacinas são uma dádiva, não podem ser politizadas

Vicente Limongi Netto

As letrinhas do Correio Braziliense( 10/11) refletem a vida. Fatos indicam esperanças. Nada é escamoteado. Desatinos esmagam o bom senso: Idosos vencem o vírus. Olhos amorosos e sorrisos abertos.  Renasceram para a vida. Maria na frente, sempre. Rouxinóis do cerrado brasiliense  encantando no The Voice. Torcida vibrante para Leyilane Carla e Larissa Vitorino.

O técnico Rogério Ceni troca o Fortaleza pelo Flamengo na hora certa. Plantou e colheu bons resultados no futebol cearense. Bons ventos  rondam os céus da Gávea.

DISSE RÊGO BARROS – Vacina politizada é pantomima dos fracos e decaídos. Nessa linha, vale a oportuna advertência do general Rêgo Barros: “Que os políticos entendam: se você não governa para todos, não governa para ninguém”. E leio palavras firme, emocionadas e verdadeiras do Juiz do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, Fábio Esteves, ao CB Poder, repelindo o racismo. Cancro que corrói a humanidade.

Flerte de Luciano Hulk e Sérgio Moro pode dar namoro, noivado e casamento. União saudável para o jogo democrático. Se vai dar certo, são outros quinhentos. A politica não é para amadores.

“Daqui jamais vou me ausentar. Verde e amarelo é meu olhar. De quem não deixa de acreditar. Que esse país vai mudar.” (Versos do livro “Inspirações poéticas”, do poeta, compositor e consagrado advogado, Estenio Campelo).

BOLSONARO E MARADONA – Bolsonaro foi eleito com urnas eletrônicas. Sistema adotado com sucesso no Brasil, em outras eleições e sem comprovação de fraudes. Agora, Bolsonaro resolveu avacalhar as eleições e a democracia, afirmando, em tom ameaçador, que vai propor o retorno do atraso – as urnas impressas. Quer atrasar o Brasil em segmento que deu certo. Francamente. Alguém precisa domar a cabecinha do chefe da nação.

Diego Maradona encantou estádios. Fascinou multidões.  Tornou-se Deus inviolável. Viveu ternuras. Iluminou corações. Dividiu opiniões. Tropeçou em desenganos. Desperdiçou o sublime dom herdado dos deuses. Caiu em ilusões diabólicas. Violentou a alma. Fraquejou nas tentações. Dói dizer que falta pouco para o amado e eterno gênio tombe, finalmente, nos escombros da amargura e da solidão. Sob choros candentes da bola. Que amou como poucos.

Reflexões sobre a hipocrisia que caracteriza determinados setores da mídia nacional

Um homem que luta pelo interesse do Brasil', diz Bolsonaro sobre Collor -  Sputnik Brasil

Bolsonaro e Collor, reunidos esta semana em Alagoas

Vicente Limongi Netto

“Collor é um homem que luta pelos interesses do Brasil e também, em especial do seu Estado”. Palavras carinhosas,  verdadeiras e justas do presidente Bolsonaro, inaugurando obra em Alagoas (Correio Brasiliense- 6/11), dirigidas ao ex-chefe da nação e senador. Ninguém, em sã consciência, pode negar iniciativas e leis de Collor, no curto tempo como presidente, que tiraram o Brasil das amarras do atraso. Medidas  que permanecem úteis e servindo ao povo brasileiro. 

O texto informa, que  Bolsonaro, como deputado federal, votou pelo impeachment de Collor. A atividade política é dinâmica. Não é estática, como poste. Não se faz política com defuntos.  Somente parvos não mudam de atitudes. Tantos outros parlamentares fizeram o mesmo. Hoje,  tornaram-se  aliados políticos do senador. Têm  respeito e apreço por ele. Convencidos que naquela época participaram de uma torpe orquestração política.

ATOS E ATITUDES – Por fim, a notícia recorda que, ainda como deputado, Bolsonaro chamou Collor de “mentiroso”. A política é feita de atos e atitudes semelhantes a nuvens. Vão e volta, diria Magalhães Pinto. Para melhor servir a coletividade, o adversário de ontem pode tornar-se o aliado de hoje. E, quem sabe, de toda a vida.

Ainda a propósito dos elogios de Bolsonaro a Collor, registre-se que a matéria nasceu no estadão. Apenas o rapazola do O Globo, Daniel Gullino, resolveu botar intriga no tema, dizendo que Collor é réu na lava jato. Vou desenhar para Gullino: réu não significa que o acusado seja culpado ou venha a ser, de algum delito. Primeiro é preciso julgar, para depois condenar, diriam os versos de Ataulfo Alves.

Mania sórdida da imprensa, que o repórter do Globo vai questão de endossar e colocar na testa como troféu. Coitadinho.

Quatro  notícias do Correio Braziliense de 5/11, extraídas de diversas colunas:  1) vida bela e natal feliz para o ex-deputado distrital Raimundo Ribeiro, com emprego garantido, por 5 anos, mostrando que quem tem padrinho não morre pagão, na  Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF( Adasa); 2) O inefável médium João de Deus teve alta depois de 12 dias internado, provando que vaso ruim não quebra; 3) Um singelo, doce e amoroso  retrato  colorido da  deputada Bia Kicis (PSL-DF) com Bolsonaro, deixou agitados, informa a parlamentar, outros membros do governo também interessados em posar para o artista Marco Angeli, ao lado do fotogênico chefe da nação; 4) por fim, aqui na capital cachorros grandes e assustadores continuam flanando sem a necessária focinheira, como manda a lei. Assim fica difícil evitar a conhecida tragédia anunciada.

No Dia de Finados, há a comprovação de que jamais esqueceremos aqueles que foram amados

14 Dia de Finados Imagens e Gifs com Frases para Whatsapp - Recados OnlineVicente Limongi Netto

Quem amamos jamais será esquecido. Lembranças boas e ruins pertencem ao coração. Damos aos momentos vividos feições belas e cativantes. Afagos e conversas eternizam existências. Quem surge nas nossas vidas fica para sempre. Nunca faltará um cantinho para eles. A ternura e a alegria dos bons momentos navegam pela alma como jardins floridos. Emocionam o espírito. Nessa linha, a matéria “Vivos na memória” (Revista do Correio Braziliense- 01/11) é comovente. Ilustra e relata com perfeição os sentimentos que nutrimos pelos amados que partiram.

Fotos e porta-retratos trazem todos eles de volta ao nosso convívio diário. Integram a galeria dos eternos apaixonados por aqueles que Deus levou para perto de si.

PERSEGUIÇÃO A GANSO –  O canal Sportv, ao invés de oferecer boas e isentas informações ao assinante, resolveu pegar no pé do jogador Paulo Henrique Ganso. Todo jogo do tricolor carioca, alguns medonhos e medíocres analistas e narradores de meia pataca do Sportv, que nunca jogaram nem pedra em vidraça, quanto mais futebol, escoiceiam Ganso. Desrespeitam o atleta.

Em artigo anterior, aqui mesmo na Tribuna da Internet, repudiei grosserias de três outros renomados sacripantas do Sportv. Também contra Ganso. Desta vez, sábado, no jogo Fluminense e Fortaleza, outros três patetas decidiram achincalhar Ganso, anunciando a #Ganso erra passes.

Resultado da bobagem: nenhum telespectador participou da sandice proposta pelos asnos. O estúpido, inacreditável, covarde e torpe patrulhamento contra Ganso prosseguiu durante a transmissão. “Ganso volta no segundo tempo”, anunciou o desapontado narrador. Adiante, nova parlapatice do narrador: “Ganso segue em campo”.

Quebraram a cara, porque Ganso atuou o jogo inteiro e foi elogiado  pelo treinador. É a opinião que vale e acrescenta para todo atleta.  Final do jogo, o falastrão, desesperado  e azedo analista de quinta categoria, voltou a apelar: “A atuação de Ganso foi apagada”. Sugiro, por fim, que o patético trio no próximo jogo do Fluminense e do Ganso crie uma merecida homenagem para eles. A #não sabemos nada. Será a glória.

E O TRUMP, HEIN? – Caso Donald Trump seja reeleito presidente dos Estados Unidos, o que não é impossível,  além de agradecer a confiança dos norte-americanos, para exercer mais um mandato, o topetudo candidato também precisará  agradecer, por justiça, a monumental  cobertura  jornalística e torcida que recebeu do O Globo e da Globonews.

Emocionante a isenção dos dois veículos.

Paulo Guedes se tornou um doentio exterminador de direitos dos servidores

Ministro Paulo Guedes. Charge: Charge Online, Aziz

Guedes é um fracasso como condutor da equipe econômica

 

Vicente Limongi Netto

Firme, esclarecedor e pertinente, o artigo do presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União( Sindilegis), Petrus Elesbão, “A hora do servidor: reforma administrativa silenciosa” (Correio Braziliense- 29/10), retrucando e repudiando as costumeiras pantomimas do ministro da Economia, Paulo Guedes, contra os servidores, sem lembrar que são os funcionários públicos que estão enfrentando a pandemia. 

Petrus Elesbão salienta com rigorosa clareza: “A estratégia batizada por Paulo Guedes de “reforma administrativa silenciosa” é bastante simplória para um economista com ego de dimensões astronômicas como o do ministro: não repor servidores aposentados e deixar a inflação corroer o salário dos ativos. A cada 100 baixas, o governo repõe 26″.

NA CONTRAMÃO – O sindicalista acredita que as propostas de Guedes vão na contramão da legalidade e do bom senso. A seu ver, “é,  no mínimo, bastante ingênuo supor que a tecnologia é capaz de substituir o trabalho de 74 pessoas em todas as áreas em que o Estado brasileiro atua, mesmo as de natureza burocrática”.

O autor do enfático artigo vai além: “Ontem, 28 de outubro, foi Dia do Servidor. Tento manter o otimismo e acreditar que esta pandemia que está causando tanto sofrimento a todos nós, mais especialmente aos mais desprotegidos, derrubou os últimos pilares que  ainda sustentavam o delírio liberal que movia o governo pelas mãos do ministro Paulo Guedes”.

DIZIA LACERDA – Recordo palavras do ex-governador, ex-deputado federal e memorável tribuno, Carlos Lacerda: “O servidor público não ganha eleição. Mas atrapalha bastante”. 

Petrus Elesbão e dirigentes do Sindilegis contam com o apoio do respeitado senador Reguffe( Podemos-DF) para colocar freios nas sandices delirantes de Guedes. O senador quer que o Sindilegis participe dos debates sobre o tema. A exemplo do Sindilegis,

Reguffe é contra o fim da estabilidade. Propõe, nesse linha, a adoção de uma avaliação de desempenho com critérios claros como parâmetro para a eficiência dos servidores públicos.

UM ERRO FEIO – Alexandre Garcia aproveitou a patética, tenebrosa, risível, inacreditável e indigna sandice do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros(PR-PR) propondo plebiscito para elaboração de uma nova Constituição, e saiu também criticando a Carta Magna.

O veterano jornalista deu uma explícita gauchada e errou feio (Correio Braziliense-28/10), chamando Nelson Jobim de “dínamo” da Constituinte. Dínamo de quê e por quê, Alexandre? Deus castiga. 

Entre todos os parlamentares daquela saudável época da política brasileira, que resultou na Constituição, pode-se afirmar, por dever de justiça, e sem medo de cometer excessos, que os legítimos dínamos dos estafantes trabalhos, foram o relator-geral, deputado Bernardo Cabral e seus relatores adjuntos, Antônio Carlos Konder Reis,  Adolfo de Oliveira e José Fogaça. Todos incansáveis. Trabalharam feito mouros. Jobim foi apenas um dos adjuntos e cometeu gravíssimo crime, ao introduzir dispositivo do agrado dos banqueiros, sem que tivesse sido aprovado pelos constituintes.

APENAS PALPITEIROS – Muitos políticos, alguns renomados, entrarão na história daquela quadra, apenas como inesquecíveis palpiteiros.  Nesse sentido, em defesa e valorização da Constituição, transcrevo declaração do procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União(TCU), Júlio Marcelo de Oliveira, em expressiva entrevista ao programa CB.Poder, publicada também na edição do Correio Braziliense de 28/10:

“A Constituição é muito boa. Os problemas de governabilidade, grande parte decorre de má gestão econômica. Quando o país estava crescendo, com a situação fiscal bem, ninguém falava da Constituição”.

A sonhada vacina contra o corona alegrou o mundo. Com exceção do Brasil. é claro…

Charge O Tempo 04/06/2019 | O TEMPO

Charge do Duke (dukechargista.com.br)

Vicente  Limongi Netto

A esperada vacina contra o corona alegrou o mundo. Com exceção do Brasil. Aqui a descoberta indica desunião, insultos, chacotas, deboches e agressões. Com inacreditável doses de irresponsabilidade, falta de grandeza, de espírito público e, sobretudo, desamor ao ser humano. Arranca-rabos e intrigalhadas entraram forte nos corações dos políticos. A temperatura subiu. Ameaça subir mais.

BRIGAS ELEIITORAIS – As inacreditáveis desavenças visam as urnas eleitorais. Sem o endosso do povo.  A impaciência e o destrambelho marcam as declarações. Vaidades pessoais vencem o diálogo.  A alta temperatura política atrasa e envergonha o Brasil.

O diálogo precisa, urgente, voltar a entrar em campo. As coisas pioram porque o governo não tem sintonia. Todos falam. Ameaçam. Querem ganhar no grito. O clima piora e aumenta ainda mais o abismo entre o Executivo  e Legislativo, quando os notáveis e singelos  pimpolhos de Bolsonaro metem a colher onde não devem.

VOLTAR À TERRA – Embora deputado por 7 mandatos, Bolsonaro precisa voltar ao planeta Terra. Sabe que no  Congresso não tem santos. A maioria é composta de homens de bem. Mas é inegável que todos gostam de sentir e ter um pouco do gosto do poder.  Bolsonaro precisa botar na cachola que ceder e recuar, pelo bem da maioria, também engrandece o homem público.

A atual quadra do Brasil é lamentável e preocupante. Repleta de desencontros e destemperos. Dois motivos estão levando políticos, ministros   e magistrados a perderem a  compostura: a reforma administrativa, cada vez mais emperrada e o clima azedo entre ministros do STF, políticos obscuros, demagogos e fanfarrões,  Ministério Público e procuradores. Os poderosos brigam e se esfolam, e quem permanece no prejuízo é a população. Até quando, Francelino?

MENSAGEM A HELIO – O ex-senador Bernardo Cabral e sua mulher,  Dona Zuleide, enviaram ao jornalista Helio Fernandes a seguinte mensagem:

Amigo Helio, você completou uma centúria em 17 de outubro de 2020, e deixa indelevelmente tombado no patrimônio da nossa amizade a figura do Amigo leal. Perseguido, cassado, banido, preso, Você não se utilizou da cautela do silêncio ou do anel da omissão, esse subproduto do nada e do não.  Já ao contrário, aqueles que o perseguiram de forma velhaca ou covarde, acabaram sucumbidos no cadafalso da opinião pública.  Queremos colocar, no mais alto dos relevos, que nunca o vimos atormentado pelas ambições pessoais ou pelo Poder, e, muito menos, pelo medo aos detentores eventuais desse Poder.

Finalmente, querido Amigo Helio, Você jamais pretendeu ser modelo para quem quer que fosse, mas a sua atuação carregando consigo as cicatrizes orgulhosas do dever cumprido servirão de exemplo.

Afetuoso abraço. Parabéns.

Zuleide e Bernardo

ANALISTAS DE FUTEBOL – É assombrosa,  medíocre, irritante e avassaladora a praga  de analistas de futebol de  meia pataca e de pretensiosos apresentadores.  Encastelados  nos  canais Sportv, Fox e ESPN. O controle remoto nos salva. A maioria esmagadora dos sábios de araque nunca jogou  bola de gude, pedra em mangueira e jamais calçou uma chuteira. Nunca ganhou nem torneio de futebol de botão.  É um time ruim, recalcado, pretensioso e arrogante.

De quinta  categoria. Fazem  caras e bocas e pose de inteligentes. O esporte predileto dessa corja de boçais é  tripudiar e fazer pilhérias com jogadores. Nenhum jogador entra em campo para errar. São profissionais e chefes de família. Merecem respeito e consideração. Nessa linha,  o mais grave e desolador é que alguns “analistas” ex-jogadores,  começaram também a proceder de  forma indigna, estúpida e debochada. Inacreditável. Não argumentam, insultam.

Nessa linha, idiotas e bisonhos vulgos Roger Flores, Paulo Nunes  e Paulo Vinicius Coelho, do Sportv, resolveram tripudiar  com Paulo Henrique Ganso. Coitado dos asnos.    Não têm, nunca tiveram  competência para amarrar os cadarços das chuteiras do jogador  do Fluminense, que encara a reserva com maturidade e espírito esportivo.

Como os medonho Roger, Nunes e Coelho,  existem outros “analistas” da mesma laia. Citando todos, vou poluir meu texto de dengue e quem sabe, de  coronavírus. Bom não arriscar.

Ministro Marco Aurélio Mello enfrenta Fux e quem mais estiver pela frente

TRIBUNA DA INTERNET | Marco Aurélio extrapolou e infringiu o Regimento  Interno do próprio Supremo

Marco Aurélio diz que não deixará agressão sem resposta

Vicente Limongi Netto

Discussão polêmica, a soltura do traficante André do Rap. Contudo, serve para enfatizar a fragilidade do sistema jurídico brasileiro. O ministro Marco Aurélio de Mello não pode ser satanizado por esse incidente. O embate prosseguirá. Em campo, aves de todas as espécies. Estudiosos, juristas legítimos, palpiteiros arrogantes, patrulheiros venais e hipócritas adoradores de holofotes fáceis. Nessa linha, é de bom tom que não se insista em jogar o ministro Marco Aurélio Mello contra a parede da vilania. 

Continuará retrucando insultos no tom que o assunto exigir. “Se alguém errou, não fui eu”, salientou no magnífico voto, no STF, sobre o habeas corpus que deu.

RIGOR DA LEI – O novo decano da Suprema Corte não tem vocação para bode expiatório. Marco Aurélio em seus votos, segue os rigores da lei. Tem couro duro para aguentar e retrucar carpideiras, pseudos paladinos e donos da verdade.

Lembrou no voto, cuja sessão plenária ficará nos anais da história do STF, que “paga-se o preço por viver em Estado de Direito”.

Classificou o ministro-presidente da corte, Luiz Fux, de “autoritário”, “tutor e curador”, por cassar o habeas corpus que concedeu ao traficante. Por fim, Marco Aurélio afirmou que não se acha no banco dos réus pela polêmica decisão. O assunto ainda vai render.

DINHEIRO NA CUECA  – O chamado “Novo Senado” cada vez mais desmoralizado. O senador Chico Rodrigues, flagrado com dinheiro nas nádegas, é notável membro da venal e hipócrita “nova política” apregoada pelo governo Bolsonaro.

Além disso, é aliado de primeira hora do senador Davi Alcolumbre. Para fechar com sucesso o script da imunda e explícita nova política, agora só falta reeleger o roliço e nefasto Alcolumbre para a presidência do Senado, de maneira totalmente ilegal, sem reforma da Constituição.

LEMBRANDO HAVELANGE – O novo e belo livro do escritor e jornalista Silvestre Gorgulho, cujo próximo lançamento foi destacado por Carlos Newton aqui na TI, desta vez brindando os leitores sobre os 80 anos de Pelé e suas histórias com JK, tem prefácio de outro craque: do ex-presidente da Fifa, João Havelange, que acompanhou a produção do livro e escreveu o prefácio.

Assim como a dupla de homenageados por Gorgulho, Havelange também deixou legado de glórias e sucesso, ao futebol brasileiro e mundial. Como presidente da então CBD, o Brasil conquistou três títulos mundiais de futebol. Presidiu a Fifa por 25 anos. Tornou a entidade numa potência financeira e esportiva. Deixou a Fifa com mais países filiados do que a ONU. Uniu o mundo, raças e nações, pelo futebol. Foi condecorado por reis, presidentes e rainhas. Um brasileiro mundialmente reconhecido. 

Na política é raro acontecer pedido mútuo de desculpas, como fizeram Guedes e Maia

Guedes e Maia marcam encontro após semana de atritos - Jornal O Globo

Ao se reconciliarem, Maia e Guedes deram o bom exemplo

Vicente Limongi Netto

É cativante a boa ação política. Aquele que une sempre está somando e estimula grandezas de atitudes. Nesse sentido, louvores para o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes pelos pedidos mútuos de desculpas. Entre mortos e feridos, salvou-se o interesse público. É preciso igualmente registrar, por justiça aos fatos, a participação do senador Renan Calheiros na vitoriosa equação.

O jantar foi na casa de uma figura neutra, ministro do TCU, Bruno Dantas, ex-consultor do Senado, cuja indicação para o Tribunal de Contas foi defendida por Calheiros. O ex-presidente do Senado e do Congresso por 4 legislaturas, não aparece nas fotos que selaram a paz entre Maia e Guedes. Renan deixa isso para amadores.

REGUFFE E CRISTOVAM – Não creio que um possível recuo do senador Reguffe, candidatando-se a reeleição em 2022, contrariando promessa de campanha, sofra arranhões na sua trajetória política (coluna Eixo Capital – Correio Braziliense, 6/10).

Patético, ridículo, melancólico e inacreditável, será Reguffe admitir ser descaradamente usado para fortalecer candidatura do medíocre, caquético, pretensioso e arrogante Cristovam Buarque, que já foi reprovado pelo eleitor nas últimas eleições. Xô, Cristovam!

BERARDO CABRAL – A Constituição chega aos 32 anos. Promulgada no governo Sarney.  Legado histórico, expressivo e significativo que, a seguir, empossou Collor de Mello. Uma curta mas profícua gestão, de um jovem idealista arrancado do cargo por orquestração de maus cidadãos. Contrários a um Brasil progressista e moderno.

A Carta Magna orgulha o Brasil e os brasileiros. Muitos trabalharam com empenho e denodo na elaboração do documento. Porém, nenhum parlamentar se dedicou mais aos afazeres da futura Constituição do que o relator-geral da Assembleia Constituinte, o deputado amazonense Bernardo Cabral. O Brasil deve muito a este autêntico patriota.

BOCEJOS INFINITOS – O Brasil está atingindo a pavorosa marca de 150 mil pessoas mortas pelo covid. Bolsonaro e áulicos continuam afrontando o bom senso e as recomendações das autoridades da saúde.

Faz questão de flanar pelo Brasil desprezando o uso da máscara. Prefere, pateticamente, estimular a burrice, a imprudência e a estupidez. Deus castiga. 

O bocejo da pandemia é assustador. Sem compaixão. Para alguns evapora energias. Requer vigilância dobrada. O bocejo afronta pálpebras. Estremece ouvidos. Amedronta almas. Zomba dos braços. Desafia sentimentos. Esmorece sobrancelhas. Enfrenta silêncios.  Entristece os olhos. Empalidece rostos. Soluça corações.  Risca cílios. Passeia nas costas. Fragiliza pernas. Arde dedos. Aperta ombros. Sacode o peito. Espanta a testa. Magoa o dia. Espreme a virilha. Recolhe o amor e assusta os namorados.

Zona Franca de Manaus é um polo industrial vitorioso que beneficia a Amazônia e o país

Arthur Virgílio, prefeito de Manaus, está hospitalizado com coronavírus. – Blog do Expedito Peronnico

Boicotar a Zona Franca é um grave erro, afirma Virgilio

Vicente Limongi Netto

A Zona Franca e o Polo Industrial de Manaus sempre foram alvos dos apetites doentios de maus brasileiros. Escória eternamente desapontada com os benefícios sociais, econômicos e ambientais que o vitorioso modelo trouxe à região. Volta e meia, durante a tramitação de alguma reforma que o governo manda para o Congresso, parasitas tentam solapar a Zona Franca.

Nesse sentido, o prefeito Arthur Virgilio Neto permanece vigilante, altivo e firme, defensor dos interesses da Zona Franca.

INCOMPREENSÃO – Como deputado federal, ministro de Estado e senador, jamais permitiu canalhices contra o modelo. No Senado, a voz de Arthur Virgilio Neto ecoava como sentinela do bem. Nunca se intimidou com ameaças dos prepotentes.

Arthur admite que fica deprimido quando nota que pessoas de currículos admiráveis não conseguem sentir que o futuro brasileiro passa necessariamente pela Amazônia, pela parceria que levaria a resultados sociais e econômicos formidáveis.

Ele não aceita a atitude canhestra de misturar o joio e o trigo, como se fosse justo cortar, de hora para outra, todos os subsídios, os bons e os ruins, sem atrair consequências graves para o país.

PARCERIAS CORAJOSAS – Segundo o prefeito de Manaus, a Zona Franca precisa de apoio e não de algozes. “Buscamos parcerias corajosas que saibam explorar a rica biodiversidade à disposição de quem for lúcido e ambicioso por um Brasil equânime. Precisamos de reformas e investimentos em infraestrutura, que possibilitem a preparação efetiva para a quarta revolução industrial”.

Arthur Virgilio Netto manifesta confiança nas ações dos parlamentares do Amazonas. “Eles saberão articular saídas hábeis. Argumentarão com o peso de quem conhece a face verdadeira da moeda. Não se curvarão aos preconceitos nem a opiniões equivocadas e monoliticamente encrustadas em alguns parlamentares, e temos o dever de alertá-los sobre o erro de combater a Zona Franca”, finaliza.

UM GRANDE REITOR –  Por má-fé e cinismo, sacripantas deixam de salientar que Azevedo também era graduado pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology) em Mestre e Doutor em Fisica, Mestre em Engenharia Nuclear e Mestre e Arquitetura e Engenharia Naval.

Não é preciso raciocinar muito para constatar, portanto, que os desafetos de Azevedo não tinham e não têm gabarito intelectual para insultá-lo nem colocar em dúvida sua competência. Azevedo deixou a UnB sem dívidas e respeitada no Brasil e no exterior. Cresçam mentalmente e espiritualmente antes de jogar as patas em José Carlos Azevedo.

Por fim, agradeço as mensagens enviadas e que reconhecem a importância desse magnífico reitor.

O ministro demitido pelo telefone perdeu uma oportunidade de se recolher à sua insignificância

Verde: a cor nova do comunismo: Aquecimento global não tem fundamento  científico diz ex-reitor da UnB

José Carlos Azevedo, um exemplo de reitor

Vicente Limongi Netto

A pretexto de bajular a reitora reeleita da UnB, Márcia Abrahão Moura, o desprezível e sábio de plástico Cristovam Buarque desmereceu, em torpe artigo no Correio Braziliense do dia 22, a importância de reitores nomeados, afirmando, com rigorosa má-fé, que “o reitor imposto faz o trabalho acadêmico fenecer, no lugar de florescer”.

Discordo, enfaticamente, do grotesco Buarque.  Cristovam é aquele que Lula demitiu do MEC, pelo telefone. José Carlos Azevedo, por exemplo, foi honroso vice-reitor e depois reitor nomeado da UnB. Cristovam não tem competência para engraxar os sapatos do saudoso Azevedo.  Que administrou a universidade com esmero e competência. Deixou a UnB com dinheiro sobrando. Imóveis da instituição valorizados. Com a imagem da UnB respeitada no Brasil e no exterior.

UM SUPER-REITOR – Azevedo criou cursos, abriu centros de ensino. Ampliou o acervo da Biblioteca. Promoveu seminários e congressos com a participação de renomados intelectuais, brasileiros e estrangeiros. Contratou professores expressivos.  Foi Azevedo que criou a editora da instituição, com lançamentos de obras ainda hoje procuradas pelo mundo acadêmico. 

Azevedo era homem de diálogo. Mas não admitia badernas. Não se intimidava com conspirações de pseudos letrados, fantasiados de pretensiosos mestres. Incentivava e valorizava aqueles realmente devotados ao ensino e ao crescimento intelectual dos alunos. Nessa linha, como reitor, enfrentou e desmascarou farsantes e paladinos de meia pataca. O legado e a memória de Azevedo, como professor, militar e intelectual, precisam ser respeitados. 

ALCOLUMBRE, O FARSANTE – Quem participa e acompanha a valorosa e independente Tribuna da Internet, sabe que faz tempo que destroço, com argumentos jurídicos e político, mais uma farsa do roliço Davi Alcolumbre, insistindo ser reeleito presidente do Senado e do Congresso.

Nessa linha, julgo saudável e aplaudo, que alguns senadores que apoiaram a sessão fraudulenta de fevereiro de 2019, que alijou Renan Calheiros da disputa pelo cargo, estão, agora, contra a recondução de Alcolumbre e do lado da Constituição. A verdade e o bom senso haverão de prevalecer.

ANEDOTÁRIO INTERNACIONAL – O discurso de Bolsonaro na ONU ficará no anedotário internacional. Foi ruim, semelhante ao do ano passado. Segundo ele, a imprensa politizou a covid-19, que chamou de “gripezinha” e já matou 140 mil brasileiros.

E mais: as queimadas no Pantanal e na Amazônia são “inevitáveis”, arengou. E para completar alegou ser vítima de agressões internacionais para derrubá-lo do poder.

Por fim, aposentados, pensionistas e a torcida do Flamengo estão unidos e otimistas. Juntarão suas economias para mandar Paulo Guedes morar em Vênus, onde dizem que há sinais de vida. Já irá tarde.

Senador Lasier Martins, ex-aliado, rompe com Alcolumbre e diz que reeleição é “imoral”

Eleito pelo PDT, Lasier foi perseguido e entrou no Podemos

Vicente Limongi Netto

Os impolutos senadores David Alcolumbre e Lasier Martins, em fevereiro de 2019 eram carne e unha. Tomados por notável fervor cívico, participaram da sessão fraudulenta que afastou o senador Renan Calheiros da disputa pela presidência do senado. Nessa linha, com apoio de outros senadores paladinos de barro, a farsa coletiva elegeu David Alcolumbre.

Agora, Lasier e Alcolumbre romperam o casamento que parecia eterno e feliz. Em artigo ao Correio Braziliense( 16/9), o gaúcho Lasier considera a “reeleição de Alcolumbre ilegal e imoral”.

TUDO ERRADO – O Senado fede. O enredo sucessório é pornográfico. A decantada “nova política” derrete-se na hipocrisia, interesses pessoais e subalternos. Tenho ânsia de vômito.

Renan Calheiros é forjado em lutas. O ex-presidente do Senado foi internado no Sírio-Libanês em 9 de setembro e operado para a extração de um tumor no rim direito. Vai tirar de letra mais essa adversidade. Breve retornará a suas atividades. Amigos e admiradores ficam orando por ele. Deus sempre no comando.

UMA NOVA CBF – Bons e saudáveis ventos continuam iluminando os rumos da CBF. Nessa linha, o presidente da entidade, Rogério Caboclo prossegue modernizando, social e financeiramente, os segmentos do futebol pentacampeão.

Caboclo definiu nomes para comandar o futebol feminino. Ex-atletas com currículos vitoriosos. Aline Pellegrino, para diretora de Competições Femininas, e Duda Luizelli, para coordenadora de seleções femininas. 

Outra decisão bem-vinda do presidente Caboclo: os prêmios e diárias dos convocados, masculinos e femininos, passarão a ter os mesmos valores. Todos lutam pelos mesmos objetivos. Representam o Brasil. Merecem os mesmos direitos.  É o fim da discriminação.

USE A MÁSCARA – O uso da máscara é exortação pela vida. É a pregoeira do bem. A voz dos anjos. Portadora do carinho. Preserva o futuro. Porto seguro do belo. A máscara embala bons fluídos. Amedronta o desespero. Protege gerações. É o acalanto do sorriso. A melodia do coração. Segurança da boa energia. Aliada poderosa. Cores e tamanhos variados significam a luta contra o pavor. Tem o aconchego da esperança. O dom da transformação. Pedaços de ternura. O elástico conduz emoções. Transforma a ansiedade em bons ventos.

A máscara é a fada do beijo. A fiel escudeira dos enamorados. Recusa o pessimismo e a imprudência. Suspira fé revigorada. As sete letras da máscara anunciam a vitória do amor. Sob o comando de Deus, não deixe de usar a máscara.

Num imenso país de desempregados, é burrice jogar pedra em quem gera empregos

Charge Adão Iturrusgarai (Arquivo Folha)

Vicente Limongi Netto  

Um sistema em sintonia com o Brasil. Esta é a síntese da avaliação dos usuários dos serviços da CNC, do SESC e do SENAC etc. Afinal, desde que foram criados, há mais de seis décadas, participam ativamente do desenvolvimento econômico, educacional e cultural do País, cumprindo com excelência as importantes atribuições que lhes foram conferidas.
 
Nessa linha, causa espanto e fere o bom senso, que o abilolado e cretino ministro da Economia, Paulo Guedes, pretenda afiar as garras, novamente, contra o vitorioso sistema S, valendo-se da operação da Policia Federal envolvendo advogados supostamente denunciados em corrupção dentro do SESC e SENAC.
 
CASO DE POLÍCIA – Os fatos precisam ser apurados com rigor. Sem insistir, equivocadamente, em prejudicar o Sistema S nem criminalizar a classe dos advogados. É preciso separar o joio do trigo.

Nessa linha, também sugiro que o nefasto “sábio” Elio Gaspari (quem nasceu para Elio com E jamais chegará aos pés, por exemplo, de um valoroso Helio com H, como Helio Fernandes), dobre a língua e o sarcasmo de botequim e mande a viola (só a viola?) para o Posto Ipiranga.

A CNC representa os interesses de setores fundamentais para a economia brasileira. Cabe também à entidade administrar um dos maiores sistemas de desenvolvimento social do mundo, formado pelo SESC e pelo SENAC. Com mais de mil unidades fixas e móveis espalhadas por todo o território nacional, o SESC e o SENAC têm a missão de oferecer a comerciantes, comerciários, suas famílias e à população em geral acesso à educação profissional, saúde, cultura, esporte e lazer. Apenas isso.

Manter Alcolumbre na presidência do Senado significa a submissão do Congresso a Bolsonaro

Vai mexer com quem tá quieto!!!Vicente Limongi Netto     (Charge do Kacio  /  Metrópoles)

Agora que se fala numa possível e imoral recondução dos encorpados Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia para as presidências do Senado e da Câmara, oportuno recordar o que escrevi em fevereiro de 2019, sob o título “Renan vencido pelo ódio e pelo jogo sujo”. Não mudo nem vírgulas. Manter Alcolumbre como presidente do Congresso Nacional, sob alegação de garantir a “governabilidade”, continua cheirando mal para o Legislativo. Eis o que escrevi, em 2019:

Renan Calheiros foi vítima da “nova política” implantada pelo governo Bolsonaro. A nefasta e infeliz intromissão do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, na disputa pela presidência do Senado, poderá custar caro a Bolsonaro. Pelos bons serviços prestados ao Brasil, pela permanente defesa da governabilidade e, sobretudo pela decidida firmeza que sempre mostrou, em defesa da independência da instituição, Renan Calheiros não merecia ser tratado de forma sórdida e covarde pelos fantoches do Palácio do Planalto, levando-o a desistir da disputa.

Como presidente do senado e do congresso, por 4 mandatos, Renan Calheiros jamais permitiu que o legislativo fosse ultrajado em suas prerrogativas e independência. As gestões de Calheiros no comando do Senado permitiram que a Câmara Alta alcançasse uma administração racional, econômica e eficiente, aproximando cada vez mais o Senado da sociedade.

Renan desistiu da candidatura porque não tem vocação para servir de pasto para senadores insolentes, pretensiosos, demagogos, medíocres e irracionais, serviçais da “nova política” implantada pelo sábio de proveta Onyx Lorenzoni.

Grupelho de aprendizes de feiticeiros, paladinos de meia pataca, dominados pelo ódio, ameaçando a democracia e o bom senso.   O senador Davi Alcolumbre não tem qualidades pessoais e profissionais para exercer a presidência do Senado e do Congresso Nacional. É um tosco fantoche da “nova política” que o arrogante e deslumbrado Onyx Lorenzoni insiste em enfiar goela abaixo do Legislativo. Renan Calheiros é homem forjado em lutas.  Não se destrói fortaleza de aço com balas de festins.

DESMORALIZAÇÃO – Para culminar a semana, mais um fato absurdo no desmoralizado Judiciário. Abissal escárnio, estranha e torpe coincidência, patética imoralidade e colossal disparate, eis o que significa Reinaldo Azevedo ter sido condenado por juíza que é mulher de um procurador que trabalha com o ofendido Deltan Dallagnol (“Fui condenado pela mulher do amigo” – diz Reinaldo Azevedo, na Folha de São Paulo, edição de 04/09).

Justiça vesga, arrogante, pretensiosa, raivosa, parcial e truculenta é isso. Alguns magistrados adoram se fantasiar de carrascos e justiceiros. Deveriam deixar em casa o rancor e a vingança e serem juízes de verdade.

Diante da inclemência da pandemia, restam-nos a fé, a esperança e a confiança em Deus

HRN amplia leitos e reforça atendimento durante pandemia - Governo do Estado do Ceará

A equipes médicas são como anjos que vêm nos proteger

Vicente Limongi Netto

Seis meses de pandemia. Os números são brutais. O Brasil chegou a quase 120 mil mortos. A quadra mexeu com a vida da humanidade. Sem distinção de credo, cor ou raça. Seis meses marcados pela agonia. Por tristezas, alívios, pavores, amores, desamores, encontros, desencontros. Também por multas, vacilos, humilhações, transtornos, sofrimentos, dores, angústias. Além de desemprego, vigarices, golpes, assassinatos, confusões, vacilos, e solidariedade.

 Tempos de paciência, afrouxamento, ansiedade, tragédias, omissões e mesquinharias. Seis meses de bebedeiras, canalhices, covardias, intolerância, truculência, insultos, cansaços, caneladas e estresse.

Muitos acabaram vencidos pelo desespero e pelo ciúme doentio.  Outros tantos acolheram a paz, alegrias, a união e a amizade. Mas também veio a depressão, junto com choros, incompreensões, demagogia, perdas, descasos, desesperos, insônias, violências, rancores, incompetências e irresponsabilidades.

Resta-nos ao lado da jornada, a fé, a esperança e a confiança em Deus. O iluminado amanhã haverá de chegar.

LEMBRANDO HAVELANGE – O presidente da Fifa,  Gianni Infantino, deveria providenciar, por justiça, isenção, gratidão e grandeza de atitude, a inauguração de um busto de João Havelange, em lugar destacado na sede da entidade. Por tudo de positivo que o brasileiro fez em benefício do futebol mundial.

Infantino ainda estava nos cueiros e Havelange já trabalhava, também sem tréguas, pelo desenvolvimento e expansão da Fifa. Presidiu a entidade por 24 anos. Uniu o mundo através do futebol.  Antes dele, a entidade funcionava em prédio precário. Não tinha renda e pouca credibilidade. Havelange transformou a entidade na milionária potência mundial que é hoje. Levou a Fifa a ter mais países filiados do que a ONU. Se estivesse entre nós, Havelange completaria 104 anos de idade. Consagrado e respeitado por todos que trabalham com futebol. Por sua vez, asnos, recalcados, éticos de meia pataca e parasitas jamais mancharão a vitoriosa trajetória profissional e humana de João Havelange.

BENVINDOS OS IPÊS –  São  os ipês tornando Brasilia mais alegre/ O ipê branco abranda a alma/ O amarelo encanta os corações/ O roxo alimenta a esperança/ O ipê lilás proclama a paz/ Os pés de ipês são recheados de dignidade e pureza de sentimentos/ Embalam o cotidiano e embelezam o sol/ Quando as folhas  começam a cair, os ipês partem para nova missão/ juntam-se ao barro para arar e semear a vida eterna.

Jornalista não tem culpa se o presidente da República não gosta de ouvir falar em cheques

Charge do Nando Motta (Arquivo Google)

Vicente Limongi Netto

Presidente Bolsonaro, a campanha acabou. Desça do palanque. Respeite os outros. Se quiser ser respeitado. Aprenda a conviver com o contraditório. Adquira bons modos. Evite ser grosseiro e mal educado. Cansamos de suas diatribes. Seus rompantes de histerismo e intolerância não lustram o cargo que o ocupa. Pelo contrário. Deixe de ser destemperado com quem está trabalhando. Cumprindo seu dever profissional. Como cidadão e chefe de família.

Não trate jornalistas como se fossem seus vassalos. Jornalista não tem culpa se vossa excelência não gosta de ouvir falar em cheques.

DOIS LADOS – A ofensa tem dois lados. Quem agride, acaba levando o troco. José Luiz Datena tem razão: bundão é o senhor. Acrescento: bundão fanfarrão. Seus capachos engravatados e estrelados alegam, virou surrada ladainha, que o senhor é assim mesmo. Não vai mudar. Pena. Poderosos de plantão adoram puxas sacos em volta.

Ofensa, presidente, é arma dos fracos. Sinal de falta de argumento. Pare de pisar nos outros. Jornalista não é descarga para problemas alheios. O repórter pergunta, checa, esclarece e publica. O entrevistado, por sua vez, responde ou não. Jornalista não pode servir de bode expiatório de eventuais erros ou problemas dos outros.

Troque os remédios. Tudo indica que os que usa estão vencidos. Têm efeito ao contrário. Por fim, garanto que o senhor não gostaria que chamassem seus prendados filhos de bundões. Dobre a língua.

CONJUNTO DA OBRA – Pelo conjunto de bobagens de vossa excelência é que o empresário e produtor rural de Tocantins destacou em outdoor: “Bolsonaro é coisa ruim. Não vale um pequi roído”. Reze aos céus, presidente, porque se outdoor fosse de graça, o Brasil estaria cheio deles, homenageando o bundão do Alvorada.

O que o estúpido poderoso de plantão fez é intolerável, indigno e indesculpável. Robôs podem relinchar a vontade na internet. Jamais o bom senso tolerará reações grosseiras de um homem público que, pelo cargo que ocupa, deve dar bons exemplos aos cidadãos. Também colossal imbecilidade de capachos alegando que Bolsonaro ‘é assim, não vai mudar”. Tenho pavor de puxa-sacos. Especialmente dos engravatados.

Três notícias impactantes! Presidência do Senado, seleção de futebol e menina estuprada

Contra o Vento – Página: 37 – Somos especialistas em cínica geral

Charge do Glauco (Arquivo Google)

Vicente Limongi Netto

Antigamente, o Palácio do Planalto não metia o bedelho nas eleições para as presidências do Senado e da Câmara. Os vencedores, apoiadores ou adversários do governo, tinham como foco principal os interesses do país. Zelavam pela governabilidade e não abriam mão da independência do Legislativo. Hoje, no Senado, Simone Tebet e Eduardo Braga são nomes fortes. Mas não são os nomes preferidos do Planalto.

Se o roliço David Alcolumbre não puder ser reeleito, o governo vai apostar em Eduardo Gomes(MDB-TO), seu líder no Congresso. A “nova política” de Bolsonaro não quer arriscar. Prefere um político dócil na presidência do Senado do que um parlamentar aberto ao diálogo, mas que não dobra a espinha para os poderosos de plantão.

FUTEBOL MEDÍOCRE – O analista Edmundo, excelente jogador, conhecido como “Animal”, admitiu com tristeza, no canal Fox, que o atual futebol praticado no Brasil é medíocre. Assino embaixo. Nessa linha, recordo o que escrevi, sobre o tema, há um ano, no Correio Braziliense e no meu blog.

É preciso deixar claro, desde já, que o Brasil terá muitas dificuldades para conquistar o hexa, na Copa de 2022. A seleção terá que evoluir. Física e taticamente. O talento e a força individual não poderão mais ficar longe do coletivo. Não temos mais Pelé, Gerson, Rivelino e Jairzinho.  

A Copa da Rússia mostrou ao mundo que diversas seleções estão se aprimorando. Jogando o fino. Com qualidade, objetividade e precisão. Não temem mais a seleção pentacampeã. Jogam em igualdade de condições com os brasileiros. Chegarão na copa de 2022 ainda mais preparadas. Até lá, na longa caminhada pela frente, a seleção precisará ser mesclada. É fundamental que os atletas convocados treinem e joguem mais tempo juntos. Aparar arestas. Fortalecer o coletivo. Vencer a Copa América, no Brasil, será estimulante e útil para os planos de Tite. A CBF, por sua vez, precisa trabalhar com eficiência, firmeza e profissionalismo, ampliando e fortalecendo o destino glorioso de vitórias e conquistas do futebol brasileiro.

APODREÇA NA CADEIA – Tomara que o patife, canalha e covarde estuprador da menina de 10 anos apodreça na cadeia. Lá, pagará, como merece, pela atrocidade. Própria dos monstros que não deveriam ter nascido.

Nessa linha, aplausos para o médico Olímpio Moraes, que operou a menina, enfrentando com coragem, sensibilidade e dignidade, a ira torpe dos hipócritas e falsos defensores da vida. O caminho, a seguir, é cuidar da criança. Dando-lhe amor e carinho. Deus fez renascer um anjinho de 10 anos. 

Paulo Guedes tirou Bolsonaro da enrascada que poderia justificar o impeachment dele

Charge do Son Salvador (Charge Online)

Vicente Limongi Netto

Paulo Guedes tem gasolina na bomba. Acordou Bolsonaro para o risco de impeachment por causa de excessos de gastos. O presidente montou reunião correndo. Todos de máscaras, mas aglomerados e com fartos abraços. Não aprendem. Bando de marmanjos irresponsáveis. 

Bolsonaro continua espalhando a covid-19. Depois do Piauí, mais uma pantomima sem máscara e aglomerações, foi na Bahia. Atitude desastrada e injusta de Bolsonaro colocando a culpa nos governadores e prefeitos pelas mortes avassaladoras pelo covid-19. Passou da hora de esquecer as urnas e zelar por vidas. 

OUTROS FATOS – A maluquice, o destempero, a hipocrisia, o ódio e o revanchismo tomaram conta do noticiário e do momento político. Raros pensam e argumentam visando o desenvolvimento e o bem-estar do Brasil. A Justiça tornou-se injusta e estranha. A insensatez quer rasgar a Constituição e atropelar direitos e deveres. Ânimos exaltados não solucionarão os problemas. Não é este o Brasil que sonho para meus netos.

A Câmara Legislativa do Distrito Federal mandou o desprezível Abraham Weintraub para o lugar dele, a lata de lixo. Deu-lhe o título de “Persona Non Grata” em Brasília, não é bem-vindo à capital. Aliás, duvido que o STF impeça as candidaturas de Maia e Alcolumbre. O abacaxi é do Congresso. 

JUÍZA ILETRADA – A sentença com termos racistas da Juiza, depois retirados, mostra muita coisa, sobretudo que a magistrada escreve muito mal. 

Caetano Veloso e Chico Buarque viraram figurinhas carimbadas em abaixo-assinados. Não conheço nenhum manifesto em que o jamegão da notável dupla tenha colaborado para o êxito proposto na iniciativa.

Observei aqui, há 15 dias, o excesso de elogios ao novo técnico do Flamengo por ele haver trabalhado com o badalado Guardiola. O Mengo já perdeu dois jogos no Brasileirão. O espanhol corre o risco de voltar mais cedo para casa.

100 ANOS DE HELIO – O jornalista Helio Fernandes tem a energia de Deus.  A têmpera dos fortes. O vigor e a coragem dos verdadeiros guerreiros. Não se abate diante dos obstáculos. Cassado, confinado, preso diversas vezes, teve seu jornal “Tribuna da Imprensa” destruído por bombas.

Enfrentou a implacável censura prévia com galhardia. Até hoje Hélio aguarda o pagamento de indenização autorizada pelo STF. Patético e revoltante escárnio. Em outubro, Hélio completará 100 anos de idade.

Continua escrevendo diariamente textos contundentes, claro, precisos, verdadeiros e marcantes, com incrível lucidez.  Covardões patrulheiros e patrulhados omitem o aniversário de Hélio Fernandes.  Decano altaneiro da legítima imprensa.

SEMPRE LUTANDO – Quando toda a corja de pulhas ainda estava nos cueiros, Hélio já lutava pelo Brasil. Contra opressores, contra falsos patriotas, contra venais que continuam sem honrar as calças que vestem. Vermes sem cérebros engravatados.

Tenho fé em Deus que Helio Fernandes continuará vencendo a corja de fariseus e canalhas. Tenho certeza que minhas palavras têm o endosso dos homens de bem.  

Abraço forte, saúde e beijos para Helio.